Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
História Geral

Roma Antiga

Otávio Spinace
Publicado por Otávio Spinace
Última atualização: 20/8/2018

Introdução

A cidade de Roma foi o centro do maior império da Antiguidade. Localizada na porção oeste da região central da península itálica, as origens da cidade e do próprio Império Romano remontam à lenda dos irmãos Rômulo e Remo

No poema “Eneida”, escrito por Virgílio, os irmãos seriam descendentes de Enéas, que lutou na Guerra de Troia, e depois do conflito teria se instalado na península itálica. 

Ainda segundo a lenda, Rômulo e Remo teriam sido abandonados às margens do Rio Tibre, mas foram encontrados e amamentados por uma loba, e posteriormente fundaram a cidade de Roma. 

Durante uma briga, Rômulo teria assassinado seu irmão, se tornando, assim, o primeiro rei de Roma. 

A história de Roma é dividida em três períodos: Monarquia (753 – 509 a.C), República (509 – 27 a.C) e Império (27 a.C – 476 d.C).

Monarquia (753 – 509 a.C.)

A despeito dos mitos de fundação, a cidade de Roma foi formada, em 753 a.C., através da reunião de alguns dos povos que viviam naquela região, em especial os italiotas (dentre os quais os latinos), os etruscos e os grego. 

Em seus primórdios, Roma se constituiu em uma monarquia, na qual o rei acumulava poderes executivos, judiciários e religiosos. Mesmo sob regime monárquico, havia a figura do poder legislativo, ocupado pelo Senado e pela Assembleia Curiata (ou Cúria).

Já nesse momento, a sociedade romana se estruturou da seguinte forma: 

  • Patrícios: grandes proprietários de terra;
  • Plebeus: pequenos proprietários, agricultores, comerciantes e artesãos;
  • Clientes: homens livres e sem posses que viviam como agregados dos patrícios;
  • Escravos: recrutados através de guerras e por dívidas.

Ao todo, sete reis governaram Roma durante a primeira fase de sua história. Destes, os três últimos possuíam origem etrusca. 

Em razão de conflitos internos, o Senado destituiu o último rei etrusco, Tarquínio, o Soberbo, e passou a exercer suas funções, fato que marcou o fim da monarquia e início da República.

República (509 a 27 a.C.)

O governo romano durante a República foi exercido a partir de três órgãos principais: o Senado, responsável por criar as leis; as Assembleias, responsáveis por votá-las; e a Magistratura, conjunto de cargos eleitos pela Assembleia Centuriata que exerciam funções específicas para executar as leis. 

A Magistratura era composta pelos seguintes cargos: 

  • Cônsules: dois cônsules eram eleitos para o mandato de um ano, e entre suas funções estavam a de presidir o Senado e a Assembleia; 
  • Pretores: encarregados de tarefas judiciárias; 
  • Edis: responsáveis pela administração do espaço urbano;
  • Censores: contabilizavam a população e sua renda;
  • Questores: administravam o tesouro público. 

Durante a República, Roma viveu uma grande expansão territorial, incorporando áreas da Europa, da Ásia e do norte da África. 

Para expandir seu controle sobre o Mar Mediterrâneo, importante rota comercial da Antiguidade, Roma entrou em guerra com Cartago, cidade localizada no norte da África, de origem Fenícia, e que possuía domínio sobre o comércio marítimo da época. 

Esse conflito, conhecido como Guerras Púnicas, foi vencido por Roma e durou de 264 a 146 a.C., estabelecendo o controle dos romanos sobre o Mar Mediterrâneo. 

Apesar das grandes expansões territoriais, a estrutura social e a condição de vida dos plebeus provocaram diversas revoltas em Roma. Com medo de uma rebelião interna, os patrícios aceitaram diversas reformas nas instituições romanas durante o período da República. 

A principal delas foi a criação do “tribuno da plebe”, um cargo que permitia aos plebeus possuírem representação política. Os dois principais tribunos da plebe foram os irmãos Tibério e Caio Graco que, entre outras propostas, tentaram implantar a reforma agrária

Sem êxito, os irmãos Graco acabaram assassinados. Dessa forma, apesar da conquista de direitos por parte dos plebeus, o sistema político em Roma continuou sob controle dos patrícios

A fase final da República foi marcada por crises sucessivas, que levaram à criação de dois triunviratos, ou seja, a divisão da administração entre três governantes. 

Primeiro Triunvirato foi formado em 60 a.C., e era composto por Júlio César, Pompeu e Crasso. Após a morte de Crasso, Júlio César derrotou Pompeu e foi declarado Ditador Vitalício de Roma. 

Contudo, após entrar em conflito com o Senado, Júlio César também acaba assassinado, e um Segundo Triunvirato é formado, desta vez por Marco Antônio, Otávio e Lépido. 

Novamente os três governantes entram em conflito, e Otávio sai vencedor. Dessa vez, sem nenhum rival com chances de derrotá-lo, Otávio é declarado imperador de Roma, dando início ao terceiro período de sua história.

Império (27 a.C a 476 d.C.)

O Império Romano foi responsável pela centralização política e pela adoção de características monárquicas que o distanciavam da República. 

Esse período é dividido em Alto Império, entre os século I a.C. e III d.C., e Baixo Império, entre os século III e IV d.C.. 

O Alto Império, iniciado com o governo de Otávio Augusto (título que significava “divino”) foi marcado pela estabilidade das conquistas territoriais e pela manutenção do escravismo. No âmbito interno, Otávio consagrou a política do “pão e circo”, que consistia em distribuir alimentos e promover grandes espetáculos, como os combates entre gladiadores, para entreter as massas e coibir revoltas. 

A relativa estabilidade conseguida no período, sem grandes contratempos militares, ficou conhecida como “Pax Romana”.

Após a morte de Otávio (14 d.C.), o trono romano foi ocupado por várias dinastias, e até o fim do império alguns governantes se destacaram. 

Nero, por exemplo, iniciou a perseguição aos cristãos, por adorarem um único deus, o que ia contra as práticas religiosas romanas. Seu governo também foi marcado por grande instabilidade política

Diante da redução do expansionismo romano, a economia romana, então dependente da mão de obra escrava, começou a apresentar sinais de declínio que influenciaram a estabilidade do Império

Depois de longos anos de perseguição aos cristãos, o Imperador Constantino, através do Édito de Milão, encerra oficialmente as perseguições em 313 d.C

Ainda sob o governo de Constantino, a capital do império é transferida de Roma para Constantinopla, na porção Oriental do Império, no ano de 330 d.C.

A mudança se deveu ao fato de Constantinopla possuir uma economia não tão dependente do trabalho escravo e estar menos vulnerável às invasões de povos bárbaros, que começavam a ameaçar o Império. 

Como última tentativa de salvar Roma, o imperador Teodósio transforma o cristianismo na religião oficial romana, através do Édito de Tessalônica, em 391, e divide o Império em dois: o do Ocidente, com capital em Roma, e o do Oriente, cuja capital era Constantinopla. 

Menos de cem anos depois, o Império Romano do Ocidente não resiste às invasões bárbaras e cai em 476. O Império Romano do Oriente, por sua vez, sobreviveria ao longo da Idade Média, e daria origem ao Império Bizantino

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...