Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Idiomas

Como é fazer intercâmbio na Inglaterra?

* Texto escrito pela colaboradora Fernanda Silva 

Em 2018, o então estudante de jornalismo, Celso Ardengh, havia acabado de desembarcar na Inglaterra para o que seria seu ano de intercâmbio, na terra da Rainha. Com fome e sem hesitar, foi até uma lanchonete e fez seu pedido. Apesar de já ter uma base no inglês, precisou de mais de cinco minutos para ser compreendido em um pedido simples: uma água. 

intercâmbio na inglaterra
Como é fazer intercâmbio na Inglaterra?

Isso porque, familiarizado com o sotaque norte-americano, ao pedir uma “water”, Celso pronunciou “úórêr”. No país do Big Ben, entretanto, a pronuncia se parece com “úótêr”. O primeiro desafio em seu intercâmbio na Inglaterra, entretanto, não refletiu sua estadia lá. 

“Os britânicos são muito abertos e te ajudam a entender o idioma. O sotaque diferente dificulta, mas não é nenhum monstro de sete cabeças”, analisa o jornalista. “Sempre me virei muito bem lá, mas meu nível de inglês melhorou muito”. 

Assim como Celso, outros intercambistas também sofrem com o sotaque menos familiar. “A diferença entre o inglês americano e britânico são são evidentes durante uma conversa entre nativos dos dois países. São diferenças de sotaques e até mesmo na gramática”, analisa Valéria Mateus, diretora executiva da OK Student, empresa de consultoria acadêmica para quem deseja ingressar em uma universidade no Reino Unido. “Mas tais variações não impedem a compreensão das aulas, mesmo porque é a vivência em um país diferente, os estudos e o convívio diário minimizam possíveis dificuldades de compreensão”. 

Leia também:
4 lugares mais baratos para fazer intercâmbio e aprender inglês
Tudo que você precisa saber para fazer um intercâmbio de inglês

É necessário ser fluente para fazer um intercâmbio?

Claro que nem todo intercâmbio para estudar na Inglaterra exige que o estudante tenha uma fluência no inglês. Entretanto, para ser aceito em uma universidade inglesa, por exemplo, é preciso ter um conhecimento mínimo do idioma. Essa noção é, comumente, medida pelo o IELTS - International English Language Testing System. No teste de proficiência, os candidatos são avaliados em quatro aspectos — listening, reading, writing e speaking. 

“Cada universidade determina a pontuação mínima exigida para ingresso, que varia de acordo com o curso pretendido”, explica Valéria Mateus. “Normalmente, 6.0 é a pontuação mínima aceita, mas as universidades podem considerar outras formas de avaliação, como por exemplo se o aluno estudou em uma escola bilíngue no Brasil, ou mesmo alguns outros exames de proficiência”, destaca a diretora.

Mosaico cultural

Durante um ano e dois meses, Celso trabalhou e estudou no Reino Unido. Para ele, uma das principais vantagens de se fazer intercâmbio lá é a possibilidade de se conectar com tantas culturas diferentes. “A Inglaterra é um país apaixonante. Então, lá, encontrei indianos, japoneses, italianos… existe muito essa diversidade cultural”, destaca. “Fui sozinho e conheci pessoas maravilhosas, dispostas a me receberem de braços abertos e mostrar lugares”. Celso, por exemplo, aproveitou a oportunidade de estar na Europa para explorar não só a Inglaterra como os países vizinhos. 

“Um intercambista tem que conhecer a Inglaterra, a Irlanda, a França - e fazer isso de ônibus”, aconselha Celso. “Não pode ter medo de dar as caras nos lugares e ir para eventos, feiras. Dá pra conhecer gente de todo mundo. E tem, claro,que comer o tradicional Fish and Chips. ”, destaca. 

Valéria concorda que “conhecer gente do mundo todo” é uma das grandes vantagens de se estudar no Reino Unido. 

Para se ter uma ideia, cerca de 25% dos estudantes de universidades britânicas são de outros países, segundo ela. “É uma oportunidade de criar um networking internacional para conquistar posições melhores em termos de empregabilidade e para a vida pessoal”, destaca a diretora. 

Custo de vida para os intercambistas


Segundo Valéria, considerando os quatro países que compõem o Reino Unido (Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales), o custo de vida entre as cidades podem variar em até 30% de uma cidade para outra. 

Para se ter uma ideia, o valor dos cursos pode variar entre 12 mil a 24 mil libras, dependendo da universidade e da cidade. O alojamento pode variar entre 6 mil e 8 mil libras para um ano letivo. Ainda de acordo com a diretora, os valores das anuidades para os cursos de graduação e pós-graduação não tiveram impacto com a pandemia. 

Leia também:
Veja como falar sobre intercâmbio na entrevista de emprego
Por que aprender inglês pode trazer mais chances de conseguir um emprego?

Quanto se trata de um intercâmbio para estudar em uma faculdade britânica, a maioria das universidades contam com alojamentos dentro do próprio campus ou nos arredores, com um ambiente estudantil que oferece toda estrutura para o bom desenvolvimento dos estudos.

Segundo Celso, que, vale destacar, tem cidadania italiana, o custo de vida na Inglaterra é mais caro, sim. Durante seu intercâmbio para estudar jornalismo esportivo, ele também se aventurou trabalhando em uma churrascaria brasileira. “As coisas são mais caras. Mas, trabalhando na churrascaria, eu conseguia viver tranquilamente. O custo de vida é alto, mas eles pagam bem também e tem bastante oportunidade para estudante”, destaca.

Como me preparar para o intercâmbio?

Você pode estar melhor preparado para o seu intercâmbio se já tiver uma noção do idioma local do país. Para isso, o Quero Bolsa oferece centenas de cursos de idiomas tanto na modalidade presencial, quanto a distância. O melhor de tudo? Você tem descontos de até 75% em todas as mensalidades! Incrível, né? Confira abaixo as vagas que ainda estão disponíveis:

Bolsas para idiomas



banner image banner image

O que você achou deste artigo?

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2021 CNPJ: 10.542.212/0001-54