Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
Curiosidades

Como lidar com os palpites na hora de escolher uma profissão?

por Maria Fernanda Alves em 21/02/19 150 visualizações

Escolher uma profissão é um processo delicado e toda ajuda pode ser bem-vinda, desde que ela não invada o espaço de decisão. Esse espaço pertence a quem irá viver a escolha pelos próximos anos da vida, no caso, você.

Alguns familiares e amigos, por terem mais idade ou serem mais experientes, podem acreditar que sabem qual a melhor escolha profissional para você. É aí que mora o perigo, afinal, eles podem entender tudo sobre o mercado de trabalho de determinadas profissões, mas não te conhecem tão bem quanto você mesmo.


Se pessoas próximas a você estão te bombardeando de palpites sobre o seu caminho profissional e você não quer decepcioná-los, tampouco seguir a risca o que dizem, saiba que é possível deixar que participem do momento, mas, como coadjuvantes porque o protagonista da sua história é você.

Mas, afinal, por que palpitam?

Por vezes, pode parecer que as pessoas estão se intrometendo e sendo muito incisivas, mas a intenção, na grande maioria dos casos, é positiva.

Podem ser pessoas que já passaram pelas mesmas angústias que você está passando, encontraram ou não a profissão ideal e, principalmente, não querem que você cometa os mesmos tropeços que eles, mas a falta de tato para abordar o assunto pode acabar transformando a situação em um conflito.

Seja o guia da ajuda que quer receber

Seja honesto com quem está manifestando interesse em ajudar na sua escolha profissional, diga quando a pessoa está sendo útil e quando o que é trazido por ela não contribui com o seu processo de escolha.

Também é importante deixar claro que contribuições são muito bem-vindas e que ajudarão no seu processo de escolha, mas que não serão determinantes. Isso poderá preparar, por exemplo, seus pais que podem ter sonhado em ter um filho engenheiro e terão, por conta da sua escolha, um filho fisioterapeuta. 

Veja também
Teste vocacional gratuito: descubra sua profissão ideal
Entenda a diferença entre carreira e profissão

Transformando palpites "furados" em ajuda efetiva

Alguns palpites podem ser mais tóxicos que benéficos. Mas, em boa parte dos casos, o dono do palpite tóxico não percebe que não está ajudando e é preciso dizer, de uma forma não agressiva, que o que ele diz não contribui.

Caso perceba que que as pessoas estão recomendando ou desaconselhando profissões sem dar motivos concretos para isso, diga a elas que gostaria de entender melhor o que as faz pensar de tal maneira.

Exemplo: Júlia está considerando cursar Psicologia, mas sua tia insiste em dizer que Psicologia é um curso para quem tem bastante dinheiro e não é uma boa escolha para a realidade dela. O que Júlia pode fazer é perguntar se sua tia chegou a tal conclusão por conta do preço das mensalidades, por conta das condições do mercado de trabalho da profissão, ou por outro motivo.

Caso a tia de Júlia tenha uma explicação para seu palpite, Júlia poderá explorar mais a profissão que tem interesse e descobrir mais fatores a serem ponderados, mas, caso sua tia não tenha fundamento para seu palpite, poderá dizer a ela que o que foi inferido não será considerado. 

A decisão final é sempre sua

Mostrar que você respeita a vivência profissional e trajetória pessoal de cada pessoa que ofereceu ajuda é muito importante, mas também é preciso evidenciar o quanto uma escolha errada influenciará sua vida negativamente, por isso você precisa escolher algo que realmente se identifica. Isso poderá deixar claro que eles são parte do mesmo time que você nesse momento, mas que você é o jogador principal.

Por exemplo, por mais que seus pais provem o quanto Engenharia é uma profissão promissora na sua região e que uma faculdade do seu município tem uma mensalidade acessível para o curso, é você que decidirá se Engenharia é uma boa opção para você ou não.

Encontrar bolsas de estudo


As escolhas profissionais não dependem apenas de fatores externos, como mercado de trabalho e oferta de curso, mas também de fatores internos, que competem a você. Caso você não tenha clareza para lidar com os fatores internos, poderá estar mais suscetível a ser levado pelos palpites dos outros e considerar apenas os fatores externos no processo de escolha.

Ter tal clareza não é tão simples, pois demanda um processo de autoconhecimento que você pode não estar familiarizado ou, de tão imerso na rotina de estudos pré-vestibular, não ter dedicado um tempo a isso.

Caso encontre dificuldades para pensar sobre questões internas, procure um psicólogo para uma orientação profissional. Não deixe que outras pessoas decidam sua profissão, afinal, como dito logo no começo do texto, quem viverá essa escolha pelos próximos anos é você.

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2021 CNPJ: 10.542.212/0001-54