Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Idiomas

Confira dicas para evitar os erros mais comuns ao escrever em inglês


A Cambridge Assessment English e a Cambridge University Press se uniram para criar o Write&Improve, uma plataforma online e gratuita que corrige redações em inglês em segundos de acordo com os parâmetros internacionais que regem o aprendizado de idiomas.

homem em dúvida erros em inglês
Confira dicas para evitar os erros mais comuns ao escrever em inglês

O Brasil se tornou o país com o maior número de usuários do recurso (seguido por Espanha e os Estados Unidos), tendo sido mais de 20 mil redações submetidas ao sistema. A partir de uma amostra de quatro mil textos, foi possível identificar informações sobre as maiores dificuldades dos brasileiros no inglês. 

Os três principais aspectos considerados mais difíceis para os brasileiros são: ortografia, preposições e o uso incorreto de determinantes. E, apesar de muitas vezes parecerem um bicho de sete cabeças, essas são coisas básicas que usamos no dia a dia acadêmico ou profissional.

Leia também:
Inglês: 4 dicas para você aprimorar a habilidade da leitura
O segredo para ser fluente em inglês

Então, para não fazer feio ao redigir seus emails, redações ou outros conteúdos em inglês, confira as dicas para evitar repetir os erros citados acima:

Ortografia em português e inglês

Entre as 15 palavras que os brasileiros mais erraram a ortografia estão:

- Beautiful (bonito),
- Common (comum),
- Language (linguagem),
- Probably (provavelmente),
- Writing (escrita),
- Platform (plataforma),
- Technology (tecnologia),
- Different (diferente),
- Because (porque),
- Apartment (apartamento),
- Opportunity (oportunidade),
- Which (que),
- Punishment (punição),
- Inhabitants (habitantes) e,
- Access (acesso). 

Em geral, a confusão acontece em função do som da pronúncia. Por exemplo: language, que acaba escrito como 'leanguage' por causa da fonética. Outra constatação que o levantamento sugere é que o ensino de ortografia ainda pode deixar dúvidas sobre os casos em que as palavras possuem ou não consoantes dobradas (como em writing, different e opportunity, que viram 'writting', 'diferent´ e 'oportunity').

Uma aliada que pode contribuir para a melhoria desse ponto é a nossa memória visual, que é uma das nossas inteligências. Para isso, a dica é, por exemplo, escrever esses 15 termos e deixá-los na visão ao estudar inglês para criar uma imagem constante, que contribui no momento de empregá-las. 

É importante notar que, pelo menos, 50% das palavras citadas nesta análise são cognatos, ou seja, possuem o mesmo significado em inglês e português e são semelhantes na ortografia (por exemplo: diferente e different). Isso pode ser um dos fatores que levam os alunos brasileiros a cometerem tais erros.

Para que isso não aconteça, é necessário estar sempre alerta em relação à ortografia: consoantes dobradas como em opportunity, consoantes mudas como o ‘t’ em different, apartment e platform ou até mesmo o uso de ‘m’ e ‘n’ como em conforto em português e comfort em inglês - embora este exemplo não tenha surgido na análise.

Leia também:
Guia definitivo para você aprender inglês com facilidade
5 dicas para decorar mais facilmente um novo idioma

Preposições em inglês

De acordo com as informações levantadas por meio da plataforma, o problema mais comum com preposições para os alunos brasileiros é na hora de escolher a opção correta para os contextos. Em ordem de frequência, as que mais são empregadas de forma errada (quando outra deveria ter sido utilizada) são:

in,
on,
to,
for,
of,
at,
with,
about,
for,
from,
e
by.

Entre os padrões que se repetem, estão o uso de at, on e of para expressar a ideia de local, quando o correto é o emprego da preposição in + localização geográfica (por exemplo Brasil, a rua, a cidade, o mundo, o parque, São Paulo, o campo).

E isso se repete quando a ideia é falar sobre período de tempo (como história, minha vida, velhice, o passado). 

Algo que a maior parte das pessoas não observa é que as preposições são termos de alta frequência, que aparecem muitas e muitas vezes em um mesmo texto. De forma geral, elas não possuem apenas um único significado e isso pode gerar algumas confusões.

Por isso, uma estratégia para a fixação é que muitos verbos, substantivos e adjetivos já vêm acompanhados por uma preposição específica. Ou seja, memorizar a expressão completa, como no caso de "look at" (olhar para) ou "good at", pode diminuir o número de achismos e aumentar a chance de acertos.


Melhores cursos para aprender inglês


Uso de determinantes

Usar ou não usar o determinante "the" antes dos substantivos também causa bastante confusão.

É desnecessário utilizá-lo ao escrever sobre coisas de uma maneia geral, como quando nos referimos a English (inglês), computers (computadores), society (sociedade), technology (tecnologia), life (vida), children (crianças), time (tempo), school (escola), people (pessoas) e nature (natureza). 

Já outros pronomes requerem obrigatoriamente seu uso, assim como quando falamos sobre exemplos específicos. Por exemplo:

- the internet (a internet),
- the world (o mundo),
- the United States (os Estados Unidos),
- the government (o governo),
- the USA (os EUA),
- the English language (a língua inglesa),
- the countryside (o campo),
- the cinema (o cinema),
- the morning (a manhã),
- the time (o tempo).

E o dever se repete antes dos adjetivos que descrevem sequência (próximo, outro, primeiro, último) e formas superlativas (o melhor).

Esse é um quesito mais simples do que parece. A melhor sugestão é conhecer a regra de uso para o que é geral e para o que é específico e no momento de escrever se questionar sobre a abrangência do que se deseja dizer. E, para facilitar um pouquinho mais, lembre-se que substantivos próprios e plurais não têm determinantes!

Colocando essas dicas em prática e cuidando para prestar mais atenção em ortografia, preposições e determinantes de um modo geral, sua escrita vai sem dúvidas melhorar e subir de nível. 


* Texto escrito por colaboradores da Cambridge Assessment English, departamento da Universidade de Cambridge especializado em certificação internacional de língua inglesa e preparo de professores.


banner image banner image

O que você achou deste artigo?

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54