Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
A01eaa56964552a344b29948eab1d28e65789a97 A43c50b687d2e43f384b20ae2dc8e0a405ba8d0d
Dicas e Curiosidades

Eleições 2018: presidenciáveis fogem quando o assunto é Educação

por Rui Gonçalves em 14/09/18 210 visualizações

Eduardo é motorista de transporte por aplicativo na cidade de São Paulo. A renda é suficiente para sustentar a família, mas não dá para pagar a faculdade.

O curso de Engenharia Mecatrônica é bancado pelo financiamento obtido via Fies. No último ano da graduação, ele está muito preocupado com o que o futuro reserva para depois que concluir o ensino superior.

"Eu não consigo nem mesmo fazer estágio, pois as empresas exigem o domínio do inglês. Vou acabar pendurando o diploma na parede, continuar dirigindo carro e com uma dívida enorme com o Fies para pagar."

O rapaz é parte de uma geração de alunos estimulados a fazer faculdade por meio de incentivos públicos e que, na esperança de mudar de vida, estão entre a cruz e a espada.

Sem espaço no mercado de trabalho por causa da economia ainda cambaleante ou porque a formação não é compatível com as exigências dos empregadores, estes jovens brasileiros podem se tornar uma massa de desempregados com diploma de nível superior e com o nome sujo.

“O que fazer com esses estudantes e como resolver o rombo gerado pelo Fies são problemas que o Brasil precisa resolver”, afirma o Doutor em Educação José Marcelino Rezende Pinto, da USP Ribeirão Preto.

Eleições 2018: presidenciáveis fogem quando o assunto é Educação - Revista QB
Segundo Rezende Pinto, projetos robustos de educação são Políticas de Estado, que levam muito tempo para mostrar seus resultados e, pela lógica política, não se transformam em votos ao fim do mandato.

A preocupação do professor tem viés econômico e social que fica evidente aos avaliar os dados referentes ao Fies.

De acordo com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão do Ministério da Educação e Cultura (MEC) responsável por gerir recursos destinados ao financiamento estudantil, há 453 mil estudantes inadimplentes no país que devem, em média, R$ 22 mil. A dívida total chega a R$ 10 bilhões.

Saiba mais: Quem tem Fies paga mais caro pela faculdade

“O financiamento estudantil não é novidade no Brasil. Começou durante a ditadura, mas ganhou fôlego nos últimos anos. O problema é que ele foi usado para transferir recursos para as universidades, mas quem paga a conta é o aluno”, completa Rezende Pinto.

O Fies e seus efeitos colaterais são temas ligados à Educação para os quais os candidatos à Presidência da República não têm projetos claramente definidos. Nem para eles e nem para os outros temas cruciais para a transformação do ensino no Brasil.

Segundo o professor da USP, os presidenciáveis têm fugido do debate ao adotar discursos que na prática são “superficiais”.

Estudioso da educação brasileira desde que concluiu o curso de licenciatura em Física, pela Universidade de São Paulo, em 1982, Rezende Pinto afirma que os principais presidenciáveis sabem quais são os desafios que têm pela frente na área de educação, conhecem a complexidade, mas não vão fundo porque pouco podem fazer nos quatro anos de um mandato.

De acordo com a lógica política, o que é feito num mandato tem que apresentar resultado no mesmo mandato, para se transformar em votos. São as chamadas Políticas de Governo. Projetos robustos de educação são Políticas de Estado, que levam muito tempo para mostrar seus resultados e atravessam diversos governos.

Voto pela Educação


No início de 2018, a Revista QB iniciou o projeto Voto pela Educação e ouviu alguns dos, então, pré-candidatos à Presidência da República.

Todos que haviam demonstrado pretensão de concorrer ao cargo máximo da República foram convidados a conversar sobre educação numa entrevista gravada em vídeo, com cerca de dez minutos de duração e sem cortes.

Dos 17 pré-candidatos convidados, seis aceitaram o convite. Destes, somente quatro concorrem hoje ao Planalto. São eles: Álvaro Dias (Podemos), Guilherme Boulos (PSOL), João Amoêdo (Novo) e José Maria Eymael (Democracia Cristã).

Apesar de propostas distintas, todos falaram na importância da valorização do professor, que se traduz em salários mais atraentes.

Hoje um professor da Educação Básica ganha menos do que qualquer outro profissional com a mesma quantidade de anos de estudo, o que faz com que a carreira docente não seja desejada pelos melhores profissionais formados no país.

De acordo com o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), o salário-base de um professor da educação básica no estado mais rico do país é de cerca de R$ 2.500,00 por mês.

Por outro lado, um engenheiro deve receber R$ 8.100,00 como salário mínimo para uma jornada diária de 8 horas, segundo o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (Crea-SP).

Se conseguem apontar o problema, nenhum dos candidatos se arriscou a dizer como resolver. Os que chegaram mais perto disso citaram uma das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) que prevê elevar de 5% para 10% do PIB (Produto Interno Bruto) o percentual investido em Educação, porém sem dizer de onde sairão os valores destinados à Educação.

“A sociedade brasileira tem que decidir se quer pagar essa conta. Ao afirmar que quer uma educação de qualidade, o país tem que concentrar recursos na área e reduzir recursos em outras. Isso tem seu preço”, alerta Rezende Pinto.

“É importante lembrar que não é necessário dar um salto de 5% para 10% de uma vez. O crescimento deve ser gradual. Além disso, é necessário destinar mais dinheiro para as escolas onde estudam os mais pobres, porque os filhos das famílias de baixa renda, em geral, têm mais dificuldade em aprender porque o ambiente familiar não o estimula tanto a estudar, seja por falta de hábito de leitura na família, seja por falta de acesso à tecnologia. Com isso é mais caro ensinar meninos e meninas das classes mais pobres."

O que esperar como proposta

Imagem: Reprodução / Café Filosófico CPFL
Eleições 2018: presidenciáveis fogem quando o assunto é Educação - Revista QB
Professor Rezende Pinto durante participação no projeto Café Filosófico, onde abordou o tema "Tensões: quanto custa uma educação de qualidade?"

O professor José Marcelino Rezende Pinto reuniu, a pedido da Revista QB, uma relação de propostas que, na opinião dele, deveriam constar, detalhadamente, na agenda do próximo presidente:

  • O compromisso de elevar o investimento em educação a até 10% do PIB;
  • Elevar os salários de professores;
  • Valorizar a carreira docente para atrair profissionais mais capacitados para as salas de aula;
  • Ampliar a rede de Institutos Federais em cidades pequenas e médias, para levar a formação superior pública de qualidade ao interior a um custo menor do que o de uma universidade;
  • Gerar mecanismos para articular a atuação dos Institutos Federais de Ensino às Universidades e seus projetos de pesquisa e extensão;
  • Fomentar as redes de universidades estaduais, complementares aos institutos e universidades federais;
  • Ampliar o alcance do Prouni (Programa Universidade Para Todos);
  • Manter o Fies (Financiamento Estudantil) para quem já tem o benefício;
  • Estimular as faculdades privadas a competir por alunos, oferecendo cursos de melhor qualidade a preços menores.
Veja também: Entre os líderes, PT é o que mais menciona educação; Alckmin é o que menos aborda o assunto
A01eaa56964552a344b29948eab1d28e65789a97 A43c50b687d2e43f384b20ae2dc8e0a405ba8d0d

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE BOLSAS i-close
Você sabia que o Quero Bolsa te ajuda a realizar o sonho de concluir uma graduação?
ALERTA DE BOLSAS i-close
O que é o Quero Bolsa?Thinking face f5c039d3e92b0c131b3780cdbc1ee3d7966cc05cafc35064b70df0e0e049c24d

O Quero Bolsa é o site que te ajuda a entrar na faculdade! Reunimos todas as informações para você fazer a melhor escolha e garantir uma bolsa de estudo até o final do curso.

Tá esperando o que pra conseguir a sua?

ALERTA DE BOLSAS i-close
Veja como é simples! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Preencha os campos abaixo com suas preferências e receba avisos de bolsas de estudo disponíveis no Quero Bolsa.

Preencha os campos abaixo para receber avisos de bolsas de estudo disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE BOLSAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE BOLSAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores bolsas de estudo chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber bolsas de estudo de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Você sabia que o Quero Bolsa te ajuda a realizar o sonho de concluir uma graduação?
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Basta entrar em contato conosco em até 6 meses após o pagamento, informando seus dados e o motivo da devolução.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2019 CNPJ: 10.542.212/0001-54