Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
Ensino Básico

Especialista explica as vantagens da Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

por Thales Valeriani em 03/02/20

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento que orienta as escolas na formação dos próprios currículos. Além dos conteúdos, a BNCC traz orientações relativas à formação dos professores, elaboração das avaliações e dos materiais didáticos.

Em meio a tantas mudanças, como fica o papel da família na educação formal das crianças? Os pais, ou os responsáveis, devem procurar a escola? Como fica o diálogo entre o colégio e a família?

+ Matrícula escolar: veja o que a escola pode ou não exigir
+ Lista de material escolar: veja dicas para economizar na compra

Crédito: Mathema/divulgação
especialista explica vantagens da BNCC

Para responder a essas e a outras dúvidas, entrevistamos a ex-secretária de Educação Básica do MEC, Katia Smole. Katia também é doutora em Educação pela USP e, atualmente, é membro do Conselho Estadual de Educação de São Paulo e diretora do Grupo Mathema, que é especializado em ensino de Matemática na Educação Básica.

QB: Por que foi definida uma Base Nacional Comum Curricular?

Katia Smole: A Base Nacional Comum Curricular estava prevista desde a constituição de 1988, portanto ela é um documento normativo, ou seja, vale para todo o território nacional, para todos os tipos de escolas, tanto públicas como particulares. 

A BNCC é uma orientação clara sobre o que os alunos devem aprender do Infantil ao Ensino Médio, em todas as etapas de ensino, ano a ano, em todas as disciplinas. 

Ela orienta os currículos escolares, a produção dos materiais didáticos, sejam eles livros ou apostilas, e também orienta a formação dos professores. Então é um documento abrangente que visa garantir que o país avance de forma significativa em relação à formação dos seus alunos.

QB: Com a BNCC, de que modo os conteúdos regionais podem ser trabalhados em sala de aula?

Katia Smole: Eles serão trabalhados pela escola. A Base trabalha o essencial para que todos tenham o mesmo aprendizado, independente do tipo de escola ou da região. 

Além disso, as escolas fazem a própria organização, então elas têm a liberdade de acrescentar temas. Elas não podem fazer menos do que está previsto no documento, mas podem fazer mais.

O regional é uma especificidade de cada comunidade e pode ser decidido pela própria escola. Por exemplo, um colégio do Mato Grosso pode trabalhar mais a cultura indígena ou a escola pode abordar a formação do próprio estado.

Os conteúdos podem ser acrescentados, está na autonomia da escola fazer isso. O que não pode é deixar que crianças e jovens avancem pelos anos escolares sem saber coisas essenciais, como ainda acontece no Brasil.

QB: Qual é a importância da BNCC para a vida escolar da criança?

Katia Smole: Ela vai garantir várias coisas, por exemplo, no caso de um aluno que está no 3º ano do fundamental e mora em São Paulo, mas se muda para o Rio Grande do Sul. Esse aluno terá garantido um conjunto de aprendizados, independente da escola e do livro utilizado.

Outro ponto importante é a progressão de aprendizagem, isto é, no ano escolar corrente o aluno deve aprender mais do que no anterior e menos do que no ano posterior. Hoje, nem todos têm uma clareza sobre o que o aluno deve aprender naquela série.

Para os pais, por exemplo, eles podem acessar a Base e entender os focos principais que a escola precisa seguir e quais são os aprendizados essenciais que o filho terá naquele ano. A Base decidiu isso em todo o território nacional.

Outros países do mundo já tem isso definido. Então a BNCC coloca o Brasil em outro patamar rumo a uma educação de qualidade.

QB: Como os pais, ou os responsáveis, podem verificar se a escola está seguindo as diretrizes da BNCC?

Katia Smole: Os pais precisam entender que estamos em um processo de implementação. A Base terminou de ser aprovada em 2018 e ela ainda está em processo de organização curricular, então ainda há ajustes dos materiais e dos processos pedagógicos a serem feitos. Não se trata dos pais pegarem o texto e fazer um checklist, mas de estabelecer um diálogo com a escola.

Como está sendo a formação dos professores que ensinam nessas escola em relação a BNCC? O que fizeram com o projeto pedagógico? O material está de acordo? Fazer perguntas a respeito. Se eu fosse a escola, chamaria os pais e explicaria o que é a Base, como ela será implementada pela escola e como estou agindo. É um movimento dos dois lados, da família e da escola.

QB: Caso a escola ainda não tenha se adaptado a BNCC, como os pais devem proceder?

Katia Smole: A escola tem que ter um plano. Existe um calendário de implementação que é nacional e vale para todas as escolas. Claro, algumas podem ter um tempo maior, mas precisam pelo menos mostrar quais são os próximos passos e dizer em qual etapa está. 

É importante que a escola mostre para as famílias o processo que ela está desenvolvendo. Ainda tem um tempo bacana para que isso seja feito. 

Um diálogo no sentido de parceria é a melhor coisa que pode acontecer, assim a escola e a família trabalham juntas. Até porque o resultado final é um só, crianças aprendendo e felizes. Não se trata de cobrar, mas de se informar, de saber qual é a parceria possível e quais são os próximos passos.

Às vezes, os pais podem podem pedir um encontro para que eles também entendam a BNCC. O Mathema tem feito isso, incluído a conversa com as famílias como uma orientação para a escola.

QB: Em relação às avaliações escolares, quais são as principais mudanças previstas pela BNCC?

Katia Smole: Nas avaliações, há dois tipos de mudança. Uma nas grandes avaliações, que são as nacionais, feitas pelo MEC, que serão adequadas à nova Base.

No caso específico da que os professores fazem em sala de aula, a Base traz a ideia de desenvolver a pessoa, não só no sentido de que ela aprenda conteúdos importantes, mas também para que ela seja mais empática e tenha a capacidade de gerir os próprios projetos. 

O esperado é que as escolas e os professores estejam pensando em novos sistemas e formatos de avaliação. Por isso, volta na história de como a escola está se organizando. É necessário ajustar os currículos, os materiais, a formação dos professores e também as avaliações.

Se os pais quiserem entender mais, vale muito a pena entrar no site do Mathema, que contém informações sobre a BNCC. Outro site muito bom é o movimentopelabase.org.br, que é atualizado e possui vídeos informativos. As escolas e as famílias podem usar essas referências para ampliar esse movimento sobre a educação que está sendo feito. 

Saiba mais:
+ Dúvidas sobre a BNCC: nós respondemos a 5 perguntas para te deixar por dentro
+ Base Nacional Comum Curricular é aprovada; saiba tudo sobre a BNCC


O que você achou deste artigo?

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54