Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
92d0cf6ce4f9f429c1d22ee5f6bc06da3a24820d B104bb18d46c2a138a3878d2e44e3f1eb571af19
Universidades

Tecnologia desenvolvida na UFBA transforma óleo retirado das praias do Nordeste em carvão

por Mathias Sallit em 24/10/19

Desde o final do mês de agosto, as belezas das praias dos estados do Nordeste brasileiro foram manchadas por um vazamento de óleo ocorrido em alto-mar. Ainda não se sabe a origem do petróleo e investigações procuram descobrir de onde vem todo o material e os possíveis responsáveis.

Até o dia 21 de outubro, mais de mil toneladas do óleo já haviam sido retiradas de 200 praias do litoral dos nove estados nordestinos. Assim, surgiram novas perguntas sem respostas sobre o desastre: para onde todo esse resíduo está sendo levado e o que será feito com ele?

Divulgação/Instituto Bioma Brasil
vazamento óleo
Manchas de óleo chegaram à Bahia em 3 de outubro. Na foto, a Praia do Forte, 60km ao norte de Salvador

Iniciativa do projeto "Compostagem Francisco", do Instituto de Química da Universidade Federal da Bahia (UFBA), desenvolveu uma tecnologia que transforma o petróleo recolhido em carvão e dá a possibilidade para o material ser reutilizado.

O óleo chegou até o projeto por meio de voluntários que retiraram das praias de Salvador e levaram ao Instituo de Química, localizado no campus Ondina da UFBA. "A gente tira aquela mancha que ocupa um espaço imenso, é um produto muito viscoso e, ao degradar, ele forma um produto que é muito mais fácil de armazenar e fácil de manipular", explicou Zenis Novais da Rocha, professora da UFBA responsável pelo projeto.

Essa tecnologia foi desenvolvida pelo grupo de alunos e professores da universidade para degradar resíduos de casca de coco verde e restos de alimentos crus e processados em fertilizantes orgânicos. Com base nesse conhecimento, a equipe decidiu aplicar a técnica para o petróleo recolhido no litoral.

O grupo realiza o processo de degradação usando bioaceleradores desenvolvidos no instituto que atuam nos resíduos. Usando uma betoneira, o processo é rápido e concluído em cerca de uma hora, independente da quantidade do produto tratado.

O produto final ainda será avaliado, mas e poderá ser utilizado como adubo ou, dependendo do resultado, ser reaproveitado na construção civil, na produção de cimento ou na composição de asfalto. "Com mais cautela, faremos o estudo do produto formado para avaliar e bater a tecla que, de fato, o produto pode ser utilizado nessas diferentes aplicações", conta a professora.

Reprodução/Facebook/Projeto de Compostagem Francisco
vazamento óleo
Após o processo, o óleo é transformado em carvão que poderá ser reutilizado

Além da reutilização, o método é uma forma de evitar formas de descarte do óleo que estão sendo cogitadas e podem ser inadequadas ao meio ambiente, como descarte em aterro sanitário ou incineração. "O impacto do petróleo no mar já está sendo imensurável, agora a gente vai daqui uns anos impactar o solo se colocar esse resíduo em aterro ou impactar a atmosfera se for queimado", explica Zenis.

Potencial do projeto poderia tratar quantidade maior do óleo

A burocracia para que o petróleo seja levado para o Instituto de Química dificulta que o projeto seja ainda mais efetivo. Cerca de 50 quilos do óleo foram tratados pela equipe. "Na nossa estrutura, poderíamos ter tratado uns 500 quilos", conta Zenis. "Nós queremos fazer muito mais, mas nossa estrutura é pequena e tem havido um certo controle para a entrega do resíduo para a gente."

Reprodução/Facebook/Projeto de Compostagem Francisco
vazamento de óleo
Quatro estudantes do Compostagem Francisco estão envolvidos com o desafio

A estrutura que o Instituto de Química da UFBA possui não permite que o produto seja produzido em escala industrial. "Para fazer em grande escala tem que ter uma indústria que abrace a ideia, que viabilize uma produção maior e, logicamente, outras empresas de outras áreas que façam essa aplicação na construção civil", diz a professora.

"O conhecimento a gente já tem, a gente já confia no que faz. Já produzimos mais de 35 toneladas de fertilizante. Isso em pequena escala, imagina uma empresa em grande escala. Vai tratar todo esse petróleo que tem aqui."

O instituto ainda pretende realizar mutirões em praias da capital baiana para recolher e tratar o material para ser transformado no carvão.

Projeto foi batizado em homenagem ao papa

O projeto "Compostagem Francisco" é formado por um grupo de doze estudantes e dois professores do Instituto de Química da UFBA. Da equipe, os dois professores e quatro alunos -três da graduação e uma em doutorado- estão envolvidos no projeto com o petróleo.

O nome homenageia o papa Francisco, que lançou a encíclica "Laudato si", conhecida como "encíclica verde". O documento mostra a preocupação do pontífice em relação ao meio ambiente e estimula que as pessoas usem o conhecimento para tomar medidas favoráveis à natureza.

Assim, o projeto foi formado para trabalhar na produção do fertilizante composto com resíduos orgânicos, tudo sem financiamento, apenas com recursos próprios. "Os alunos são muito dedicados, gostam de trabalhar em atividades que mostram para a comunidade a importância da universidade pública", conta a professora. "Têm pessoas que possuem muita vontade de fazer o diferencial e têm a capacidade para isso."

"A gente mostra que temos ciência de qualidade aqui dentro. Nós temos comprometimento, tanto os professores, funcionários e alunos, e a gente tem um conhecimento imenso", completa Zenis.

92d0cf6ce4f9f429c1d22ee5f6bc06da3a24820d B104bb18d46c2a138a3878d2e44e3f1eb571af19

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Quer ficar sabendo das melhores vagas antes de todo mundo?
ALERTA DE VAGAS i-close
Sabia que dependendo do seu período é melhor começar de novo?Thinking face f5c039d3e92b0c131b3780cdbc1ee3d7966cc05cafc35064b70df0e0e049c24d

Caso você ainda esteja no primeiro ou segundo período da faculdade, você pode economizar começando o curso novamente com bolsa de estudo.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você encontra as melhores vagas em diversos turnos, até mesmo ensino a distância.

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Quer ficar sabendo das melhores vagas antes de todo mundo?
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2019 CNPJ: 10.542.212/0001-54