logo
Lista de faculdades Lista de cursos Lista de profissões Revista Quero Central de ajuda

banner image banner image
Universidades

30 universidades com maior representatividade de mulheres na pesquisa científica, segundo o MEC

por Mathias Sallit em 12/02/20

Nesta semana, mais especificamente no dia 11 de fevereiro, foi celebrado o Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência. A data, implementada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015, busca dar luz à luta feminina pelo espaço igualitário na ciência e nas pesquisas científicas.

Segundo a Coordenação de Aperfeiçoamento Pessoal de Nível Superior (Capes), 60% das bolsas pagas pelo órgão são destinadas à pesquisas realizadas por mulheres. E, claro, que as universidades possuem papel fundamental no crescimento da presença feminina na ciência.

30 universidades com maior representatividade de mulheres na pesquisa científica - REVISTA QUERO
O ranking com dados do MEC conta com as universidades com maior taxa de presença de mulheres em pesquisas

Números do Censo da Educação Superior de 2018, divulgados em setembro de 2019 pelo Ministério da Educação (MEC), mostraram que 81.713 estudantes receberam bolsas de algum tipo para participar de atividades de pesquisas científicas na graduação. 59,8% dessas bolsas foram destinadas a pesquisas realizadas por mulheres, um total de 48.830 estudantes envolvidas com projetos científicos nas universidades.

"A participação das mulheres na ciência representa uma quebra de paradigmas já que por muito tempo elas não tiveram esse espaço, ou voz", diz Patrícia Carvalho, estudante de Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie"Essa 'quebra' pode fazer com que outras mulheres se sintam representadas e vejam um espaço no qual possam desenvolver seus potenciais".

Durante a graduação, Patrícia realizou uma iniciação científica com bolsa oferecida pela universidade. "A iniciação científica deu uma guinada na minha vida acadêmica", conta a estudante.

Sua pesquisa acompanhou coberturas jornalísticas a atentados terroristas. Segundo ela, foi uma oportunidade para se aprofundar em conceitos teóricos de sua área, além de desenvolver a linguagem técnica de uma pesquisa, o que a ajudou na produção de seu TCC.

Saiba mais:
+ O que é Iniciação Científica?
+ Por que fazer Iniciação Científica?
+ Como escolher o tema do TCC?

"Sem contar que a sensação de empoderamento ao publicar algo de sua autoria e saber que você contribuiu, de alguma forma, com a sua área e com a comunidade científica é incrível", ela diz.

Essas atividades são incentivadas pelas próprias instituições de ensino ou por agências de fomento à pesquisa, por exemplo a Capes e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). As bolsas oferecidas são formas de auxiliar os alunos nessas produções.

"Fazer uma pesquisa demanda tempo, leitura, busca de informações, checagem de informações, formular e estruturar conceitos. Não é uma tarefa simples e, normalmente, demanda uma dedicação exclusiva", afirma Patrícia. "Acho que o incentivo financeiro é uma forma de dar uma segurança ao pesquisador e reconhecer o seu trabalho", completa.

Leia também:
+ 14 mulheres cientistas para você se inspirar
+ Elas na Engenharia: iniciativa da USP São Carlos incentiva presença de mulheres nas exatas

As universidades com maior representatividade feminina na pesquisa científica durante a graduação, segundo o MEC

Neste post, a Revista Quero usou o Censo da Educação Superior de 2018 para elaborar a lista de universidades que se destacam com a presença de mulheres em atividades com bolsas de pesquisa.

A instituição que lidera o ranking é a Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), com uma taxa de 71,4% de representatividade feminina entre as bolsas oferecidas para pesquisas. Em seguida, aparece a Universidade do Estado da Bahia (Uneb), com mulheres representando 70,3% das bolsas de pesquisa.

Fecham a lista das cinco primeiras a Faculdade de Apucarana (FAP), a Universidade do Vale do Itajaí (Univali) e a Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). A presença de mulheres entre estudantes que possuem bolsas para pesquisa na graduação dessas universidades é de 69,2%, 68,6% e 67,7%, respectivamente.

Os dados do Censo de 2018 foram levantados pela equipe do Quero Bolsa* e consultados pela Revista QueroPara realizar a lista, foram selecionadas as universidades que possuem mais de 300 alunos sendo beneficiados por algum tipo de bolsa de participação em pesquisa durante a graduação.

Veja mais:
Mulheres na Ciência em universidades paulistas celebram aumento da presença feminina na área
Projeto Meninas SuperCientistas da Unicamp incentiva a presença feminina na área da ciência

Veja o ranking abaixo:

Rank.

Universidades

% de mulheres entre pesquisadores

Bolsas para pesquisadoras

Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) 71,4% 222
Universidade do Estado da Bahia (Uneb) 70,3% 604
Faculdade de Apucarana (FAP) 69,2% 982
Universidade do Vale do Itajaí (Univali) 68,6% 227
Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) 67,7% 312
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) 67,0% 489
Centro Universitário do Vale do Araguaia (Univar) 66,0% 1.147
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) 65,9% 238
Universidade Nove de Julho (Uninove) 65,9% 2.464
10ª Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) 65,6% 446
11ª Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) 65,4% 231
12ª Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) 65,4% 257
13ª Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) 65,1% 224
14ª Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG) 64,3% 239
15ª Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) 63,7% 408
16ª Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) 63,6% 589
17ª Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) 63,3% 241
18ª Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) 63,1% 410
19ª Universidade Federal do Paraná (UFPR) 62,5% 569
20ª Universidade Federal Fluminense (UFF) 62,5% 220
21ª Universidade Federal de Lavras (Ufla) 62,4% 445
22ª Universidade Estadual do Ceará (UFC) 62,2% 402
23ª Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) 62,1% 442
24ª Universidade Presbiteriana Mackenzie 61,9% 198
25ª Universidade de Brasília (UnB) 61,8% 428
26ª Universidade Federal da Bahia (UFBA) 61,5% 608
27ª Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) 61,2% 788
28ª Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) 60,9% 488
29ª Universidade Estadual do Centro Oeste (UniCentro) 60,8% 371
30ª Centro Universitário Jorge Amado (Unijorge) 60,8% 1.294

- Universidades com mais de 300 alunos recebendo bolsa/remuneração por participar de atividade de pesquisa, segundo o MEC.
- Números obtidos no Censo da Educação Superior de 2018, divulgados pelo MEC.

*Elaboração dos dados: Heitor Facini/Quero Bolsa.

E mais:
+ Universidades públicas com maior representatividade feminina entre professores
+ As universidades privadas com mais professoras mulheres nas salas de aula
banner image banner image

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2022 CNPJ: 10.542.212/0001-54