Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
Biografias

Abraham Lincoln

Natália Cruz
Publicado por Natália Cruz
Última atualização: 13/11/2018

Introdução

Abraham Lincoln nasceu no Kentucky, em 12 de fevereiro de 1809. Teve uma infância pobre e, desde cedo, precisou dedicar-se ao trabalho. Em um primeiro momento, Lincoln trabalhou nas fazendas da região, cortando toras de madeira, estocando grãos e preparando os produtos que seriam transportados para outras regiões estadunidenses.

Para pagar os estudos formais, Lincoln trabalhou também em diversas outras funções, como transportador de mercadorias, lojista, topógrafo, agente de correio, condutor de barcos e country lawyer - advogado sem formação que trabalhava resolvendo conflitos em regiões rurais. Em 1837, Lincoln forma-se advogado e passa a atuar formalmente na área.

A Carreira Política

Em 1834, Abraham Lincoln inicia sua carreira política ao ser eleito para o Legislativo do estado de Illinois, cargo que ocupa até 1843. Em 1846 foi eleito para a Câmara Representativa dos Estados Unidos pelo Partido Republicano.

No decorrer da década de 1850, Abraham Lincoln inicia uma série de debates públicos sobre a escravidão.

Defensor da libertação dos escravos, Lincoln apontava a impossibilidade da existência de um Estado de Direito que defendesse e mantivesse um sistema escravista. Através das falas abolicionistas, Lincoln ganhou destaque nos estados do Norte, no entanto, suas falas não foram bem aceitas no Sul escravista.

Apoiado pelo Partido Republicano e pelas ideias abolicionistas, Lincoln concorre à presidência em 1860 e é eleito o 16º Presidente dos Estados Unidos da América.

Em fevereiro de 1861, poucos tempo depois de eleito, Abraham Lincoln enfrenta a formação dos Estados Confederados da América, formação na qual os estados do Sul, escravistas, pretendem se separar da União.

A Guerra Civil Norte Americana

Durante seu governo, Lincoln enfrenta uma forte crise separatista, já que os estados do Sul desejam a separação dos estados do Norte.

Desde a posse em 1861, o discurso abolicionista de Lincoln não agradou os dirigentes políticos do Sul, que um mês após a posse do novo presidente apresentaram as ideias separatistas e a formação dos Estados Confederados da América

A Guerra Civil Norte Americana, também chamada de Guerra de Secessão, teve início por questões ligadas à escravidão e às atividades comerciais desenvolvidas no norte e sul dos Estados Unidos.

O clima do Norte é frio, o solo rochoso e as condições climáticas não propícias à agricultura. Diante desses fatores naturais, desenvolveram-se nos estados do norte as atividades comerciais. Nos estados do Sul, com o clima e solo propícios, desenvolveram-se as atividades agrícolas, no sistema plantation.

Com o desenvolvimento das duas regiões e, consequentemente, das duas práticas comerciais distintas, os interesses da classe econômica também se definiram de maneira diferente.

Os estados do Norte adotaram políticas cada vez mais protecionistas, enquanto que os estados sulistas defendiam a escravidão. Em 1861, diante das distinções das duas regiões, os 11 estados do Sul formam os Estados Confederados da América, em uma tentativa de separação dos estados do Norte.

O não reconhecimento dos Estados Confederados levou os estados do Norte e os do Sul a entrarem em guerra.

Os exércitos do Norte, fortemente armados, venceram grande parte das batalhas e colocaram fim às ideias separatistas. Em meio à guerra, foi declarada a abolição da escravatura e o modelo industrial e comercial tornou-se dominante em todo o país.

Lincoln e a Guerra Civil

Foi durante o governo Lincoln que se intensificam os combates separatistas. Antes mesmo da posse do 16º presidente, muitos governadores do Sul se mostraram contrários às declarações abolicionistas de Lincoln.

Em meio aos combates da Guerra Civil, em 1º de Janeiro de 1863, o presidente em exercício assina a Proclamação da Emancipação, que torna livres todos os escravos do país, dois anos depois foi aprovada a 13ª Emenda Constitucional, que proibia definitivamente a escravidão no território americano.

A Guerra Civil terminou em 1865 com a vitória dos estados do Norte sobre os estados do Sul. O sonho de Lincoln de ver um país livre da escravidão e unificado foi garantido. No entanto, o presidente não pode usufruir dos desdobramentos dos quais colaborou para acontecerem.

O presidente foi assassinado em 14 de abril de 1865 enquanto assistia a uma apresentação teatral. O assassino, John Wilkes Booth, era um ator desempregado e favorável ao regime escravista, portanto, contrário aos discursos e práticas adotados por Lincoln durante seu governo.



Exercícios

Exercício 1
(CESGRANRIO/1990)

No início do governo Abraão Lincoln, os Estados Unidos apresentavam-se divididos e, nas palavras desse presidente, o país era “uma casa dividida contra si mesma”, uma vez que:

I - os sulistas, favoráveis ao sistema escravista, reagiram com hostilidade à eleição de um presidente contrário à expansão desse sistema.

II - a secessão sulina era um rude golpe para o país, face ao caráter complementar das economias do norte e do sul.

III - os Estados nortistas não abriram mão da política livre-cambista, condenada pelo Sul protecionista.

IV - divididos internamente, os Estados Unidos não poderiam prosperar economicamente e enfrentar desafios externos.

Assinale se estão corretas apenas:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...