Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
História do Brasil

Plano Real

Maria Clara Cavalcanti
Publicado por Maria Clara Cavalcanti
Última atualização: 26/9/2019

Introdução

O Plano Real foi um projeto econômico implementado durante o governo de Itamar Franco no Brasil, quando Fernando Henrique Cardoso era Ministro da Fazenda.

Como ministro, FHC criou um projeto que se configurava como um plano gradual de estabilização econômica. O programa tinha por objetivo conter a inflação extremamente elevada que assolava o Brasil há anos a partir da valorização cambial, do estímulo à importação e da livre concorrência.

Composto por três fases, o projeto criou uma nova moeda para o país, o real, que substituiu os antigos Cruzeiros, trouxe a diminuição da inflação e o aumento do consumo e permanece vigente até hoje.

Governo Itamar Franco

Itamar Franco assumiu a presidência do país em janeiro de 1993, em meio a um contexto político e econômico complexo, permeado pela recessão, altos índices inflacionários e elevadas taxas de desemprego.

O governo de Itamar foi marcado por enormes esforços para organizar esse cenário. Para isso, buscou realizar alianças com diversos partidos políticos do país, principalmente o PMDB (Partido Movimento Democrático Brasileiro) e o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira). 

Em abril de 1993, conforme estabelecido na Constituição, foi realizado um plebiscito a fim de decidir o sistema político de governo do país. A população optou por manter o regime republicano, com 66% dos votos, e o presidencialismo, com 55%. 

Uma das mudanças mais importantes do governo de Itamar Franco foi o Plano Real, criado por Fernando Henrique Cardoso, então Ministro da Fazenda, sociólogo e um dos fundadores do PSDB. 

FHC foi Ministro das Relações Exteriores, entre 1992 e 1993, e Ministro da Fazenda, entre 1993 e 1994. Ele é considerado o principal idealizador do Plano Real

Plano Real e seu impacto

O Plano Real foi o sexto projeto grandioso de estabilização da moeda e regulação da economia que foi implementado, no Brasil, desde o fim da ditadura militar. Foi, entretanto, o primeiro que obteve algum sucesso.

Desde o governo de José Sarney, primeiro presidente do período de redemocratização, passando pelo governo de Fernando Collor, o Brasil viu suas taxas de inflação chegarem a mais de 1000%.

O objetivo do Plano Real era regular as taxas da inflação. Para isso, foi criada uma unidade real de valor (URV), que se aplicava a todos os produtos e correspondia a um dólar. Mais tarde, a URV se tornou a nova moeda brasileira, o real.

O plano desenvolvido por Fernando Henrique Cardoso foi eficaz ao controlar a inflação, reduzir o déficit orçamentário e aumentar o poder de compra da população a partir do aumento das taxas de juros.

Além disso, como Ministro da Fazenda, FHC promoveu a redução de gastos no orçamento público, porém, a custo da privatização de dezenas de empresas antes estatais, de cortes de gastos com políticas sociais e do aumento do número de desempregados. 

As três fases do Plano Real foram: 

  • ajuste fiscal, que consistiu em arrocho orçamentário (corte de gastos e aumento de impostos), com o objetivo de equilibrar as contas; 
  • implementação da URV (Unidade Real de Valor), uma moeda virtual atrelada a cotação do dólar, parte da transição para a criação de uma nova moeda;
  • criação de uma nova moeda oficial em 1994: o real. 

O sucesso de sua atuação, principalmente no âmbito econômico, com o Plano Real, levou Fernando Henrique Cardoso a ganhar a disputa presidencial em 1994, tornando-se o sucessor de Itamar Franco. 

Fernando Henrique Cardoso

Fernando Henrique Cardoso foi presidente do Brasil por dois mandatos: o primeiro entre os anos de 1994 e 1998 e o segundo entre 1998 e 2002. Ambos foram marcados por políticas fortemente neoliberais.

Adequar o Brasil a um projeto neoliberal foi a proposta fundamental do governo FHC. Para isso, propôs pôr fim às políticas herdadas da Era Vargas, nas quais havia forte interferência do Estado na economia.


Exercícios

Exercício 1
(UEPA/2015)

Leia o texto para responder à questão.

“Um amigo neoliberal (...) confiou-me que o problema crítico no Brasil durante a presidência de Sarney não era uma taxa de inflação demasiado alta – como a maioria dos funcionários do Banco Mundial tolamente acreditava –, mas uma taxa de inflação demasiado baixa. ‘Esperemos que os diques se rompam’, ele disse, ‘precisamos de uma hiperinflação aqui, para condicionar o povo a aceitar a medicina deflacionária drástica que falta neste país’.” 

(ANDERSON, Perry. “Balanço do Neoliberalismo” SADER, Emir & GENTILI, Pablo (orgs.) Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p. 11.)

A política deflacionária, mencionada pelo historiador Perry Anderson, foi adotada nos mandatos do Presidente Fernando Henrique Cardoso, com a implantação do Plano Real. São resultados desta política econômica:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...