Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
História Geral

Revolução Cubana

Maria Clara Cavalcanti
Publicado por Maria Clara Cavalcanti
Última atualização: 4/6/2019

Introdução

A Revolução Cubana foi um movimento revolucionário que aconteceu na década de 1950 na ilha de Cuba e foi responsável por tirar, em 1959, o ditador Fulgêncio Batista do poder. 

Algumas de suas lideranças mais conhecidas foram Fidel Castro e Ernesto “Che” Guevara. A Revolução Cubana implementou o regime socialista na ilha, estabeleceu vínculos com a então União Soviética e foi determinante para os rumos políticos, econômicos e sociais do país nos últimos 60 anos.

Revolução Cubana em 1958.  

Contexto histórico 

Em 1898 a independência de Cuba aconteceu, em grande parte por conta da forte intervenção e apoio dos Estados Unidos contra a Espanha. Cuba tornou-se, portanto, um país sob profunda influência norte-americana, tendo sua economia fortemente explorada pelo país que se tornava potência mundial.

Exemplo concreto desse controle e influência dos Estados Unidos sobre Cuba foi a chamada “Emenda Platt”, projeto do senador Oliver Platt, que atribuía aos americanos o direito de intervir em Cuba se entendessem que havia ali certa instabilidade política. Além disso, os estadunidenses construíram uma base naval e uma prisão na região. 

Foi nesse contexto que, em 1952, o ex-sargento Fulgêncio Batista promulgou um golpe de estado e instituiu uma ditadura militar violenta, repressora de movimentos dissidentes, imprensa e afins. O governo de Batista, além de corrupto, continuou a atender os interesses dos norte-americanos.  

A Revolução Cubana se iniciou, portanto, com a intenção de destituir Fulgêncio Batista e dissolver a ditadura que este havia instalado. Além disso, a revolução teve como um de seus características fundamentais se constituir de uma luta nacionalista contra o poder dos Estados Unidos na ilha

A Revolução

A partir de julho de 1953, começou uma forte mobilização contra Fulgêncio Batista, iniciada com um ataque na cidade de Santiago, com o objetivo de tomar armas do Quartel de Moncada. O ataque, entretanto, não obteve sucesso e Fidel Castro e seu irmão acabaram presos. Dois anos depois, pressionado pela opinião pública, o presidente Fulgêncio Batista acabou anistiando os irmãos. 

Fidel Castro em 1960, já como presidente de Cuba. 

Em 1955, exilados no México, os irmãos Castro começaram a organizar uma movimentação para retornar a Cuba e realizar uma revolução. O grupo de guerrilheiros organizado por Fidel contou com revolucionários famosos até hoje, como Camilo Cienfuegos, Che Guevara e outras 80 pessoas.

Os revolucionários cubanos retornaram a Cuba a bordo de um iate chamado Granma, mas foram derrotados logo no primeiro combate com as tropas do governo. Os sobreviventes se esconderam nas selvas da região de Sierra Maestra e ali começaram a se reorganizar.

O grupo de guerrilheiros começou a crescer e, entre os anos de 1956 e 1958, os revolucionários conseguiram pequenas vitórias sobre as tropas do governo e foram angariando cada vez mais apoio da população cubana. 

Uma das principais características da Revolução Cubana foi a organização de guerrilhas a partir do método desenvolvido por Che Guevara. O chamado “foquismo” ou “foco revolucionário” consistia na estratégia de instalar uma grande quantidade de grupos revolucionários em pontos diferentes de um mesmo território, criando, assim, um corpo revolucionário integrado

O ano de 1958 foi marcado por sucessivas vitórias do exército revolucionário liderado por Cifuentes e Che Guevara. No dia 1° de janeiro de 1959, Fulgêncio Batista fugiu de Cuba, fazendo com que a revolução fosse considerada vitoriosa oficialmente. Sete dias depois, Fidel Castro chegou a Havana, capital de Cuba, aclamado pelo população.

O governo revolucionário

Após a realização da revolução, Fidel Castro se tornou primeiro-ministro de Cuba. Centralizando o poder em sua própria figura, suas primeiras medidas já foram de grande impacto:

  • nacionalização de empresas estrangeiras;
  • reforma agrária, ou seja, redistribuição das terras entre a população;
  • extinção dos grandes latifúndios, etc. 

Essas medidas entraram em profundo desacordo com os interesses dos Estados Unidos, que, em represália, cortaram relações com o país.

Mais tarde, um grupo de cubanos exilados treinados pela CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos) empreendeu uma tentativa de invasão na Baía dos Porcos, ao sul da ilha. Os contrarrevolucionários foram derrotados pelas tropas de Fidel. 

No decorrer da revolução e diante da tensa relação com os Estados Unidos, os ideais nacionalistas presentes nas intenções de Fidel e dos outros revolucionários no princípio converteram-se, também, em ideais socialistas.

Dessa forma, em 1961, Fidel Castro anunciou que Cuba se tornava um país socialista e alinhava-se politicamente com a União Soviética. É importante pontuar que o mundo vivia, naquele momento, uma divisão ideológica profunda, centralizada na oposição entre o capitalismo norte-americano e o socialismo soviético, a chamada Guerra Fria

Um dos momentos mais tensos nesse período foi a chamada Crise dos Mísseis, ocorrida em 1962, momento em que os EUA descobriram a instalação de mísseis nucleares soviéticos em Cuba. 

O alinhamento de Cuba ao socialismo significou mais uma série de mudanças profundas no país. As ações do governo de Fidel em relação à educação e à saúde tornaram o país referência mundial nesses aspectos. 


Exercícios

Exercício 1
(ENEM/2016)

A charge faz alusão à intensa rivalidade entre as duas maiores potências do século XX. O momento mais tenso dessa disputa foi provocado pela

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...