Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Biologia

Vacinas

Jéssica Maciel
Publicado por Jéssica Maciel
Última atualização: 23/4/2019

Introdução

As vacinas são utilizadas mundialmente para induzir o sistema imunológico a produzir anticorpos capazes de agir contra determinado organismo maléfico ao corpo humano. 

Sendo assim, quando um microorganismo invade o corpo de alguém que já foi vacinada os anticorpos construídos em seu corpo conseguem impedir a instalação dessa doença em específico. Por esse motivo, o mais comum é que as vacinas sejam utilizadas para prevenir algumas doenças

A primeira vacinação contra determinada doença é denominada vacinação primária e normalmente é constituída de uma dose cheia dividida em duas ou três partes e tem como objetivo reforçar a defesa por ela constituída.

É comum que o efeito imunizante da primeira vacinação diminua ao longo de um tempo. Assim, faz-se necessária uma nova dose com o intuito de reforçar as defesas aumentando o número de anticorpos. 

Funcionamento

Quando um organismo é infectado por uma substância ou microorganismo invasor (ou seja, um antígeno), o sistema imunitário inicia a resposta imunitária, chamada de resposta primária, que é responsável pela produção de anticorpos, e as proteínas que neutralizam o antígeno.

Além dos anticorpos, são produzidas também as células de memória, que são células capazes de memorizar as informações sobre quais anticorpos foram usados para combater aquele invasor em específico. Assim, caso ocorra uma nova invasão, ocorrerá uma resposta secundária, onde a resposta imunitária já estará pronta e ocorrerá muito mais rapidamente. 

O que ocorre com as vacinas é que nelas são injetados antígenos mortos ou mesmo inativos. Esse antígenos estimulam a produção das células de memória bem como a produção dos anticorpos nos indivíduos em que foram aplicadas. Dessa forma o organismo é capaz de se imunizar de determinada doença sem nunca tê-la contraído

Algumas pessoas apresentam, após receber a vacina, efeitos colaterais. Os efeitos mais comuns são a febre, o inchaço no local da picada e náuseas. Ainda assim, efeitos colaterais mais graves são raros.

Imunização ativa

A vacina é um tipo de imunização ativa pois se trata do próprio corpo produzindo os anticorpos para sua autodefesa. Nos casos como acidente com animais venenosos ou acidentes com materiais que possam estar contaminados com a bactéria causadora de tétano, por exemplo, é extremamente necessário que o organismo encontre uma defesa rápida. Para isso faz-se necessária a utilização de anticorpos prontos para combater o antígeno, esses anticorpos são encontrados em soros imunes produzidos a partir da toxina bacteriana ou mesmo do veneno do animal. 

História

A primeira vacina da história foi formulada por Edward Jenner em 1798. Ele notou a proteção duradoura contra a varíola que o vírus da varíola bovina, quando inoculada em pessoas, criava no organismo humana. 

Em 1881, Pasteur demonstrou a possibilidade de criar imunidade contra o carbúnculo, mediante a injeção de uma cultura do bacilo que causa a doença, mas num cultivo atenuado e que comparativamente é inofensivo. Foi a partir dessa demonstração que Pasteur conseguiu, quatro anos mais tarde, produzir a vacina contra a raiva. 

A partir de então iniciou-se uma aprofundada pesquisa em busca de novas vacinas que conseguiriam, anos depois, controlar antigas pestes. A varíola por exemplo foi erradicada graças a um programa de vacinação na década de 80. Também a poliomielite, a coqueluche, a rubéola, e o sarampo, foram controladas nos países desenvolvidos graças a vacinas. 

Ainda no final do século XX, foram criados diversos novos tipos de vacinas a partir de técnicas mais avançadas de laboratório. No caso de agentes infecciosos tornou-se possível que os pesquisadores identificassem todos os componentes bioquímicos capazes de estimular a resposta imunológica do corpo infectado.

Depois de identificados, os laboratórios passaram a ser capazes de sintetizar esses componentes bioquímicos e em seguida administrá-los em seres humanos, onde atuam da mesma forma que outros tipos de vacinas. 

Vacinas, forma de imunização ativa.

Referências

FARHAT, Calil Kairalla. Imunizações: fundamentos e prática . 5.ed. São Paulo: Atheneu 2008.

Manual de imunizações. Belo Horizonte (MG): Imprensa Oficial 1979.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM-2011)

Os sintomas mais sérios da Gripe A, causada pelo vírus H1N1, foram apresentados por pessoas mais idosas e por gestantes. O motivo aparente é a menor imunidade desses grupos contra o vírus. Para aumentar a imunidade populacional relativa ao vírus da gripe A, o governo brasileiro distribuiu vacinas para os grupos mais suscetíveis.

A vacina contra o H1N1, assim como qualquer outra vacina contra agentes causadores de doenças infectocontagiosas, aumenta a imunidade das pessoas porque:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...