Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Idiomas

13 dicas de inglês para aprender palavras novas e fugir de erros comuns

por Redação Revista Quero em 01/04/19 1,1 mil visualizações


Quando se está aprendendo um novo idioma, é mais que normal trocar os pés pelas mãos — ou “to” por “for”, ou “you’re” por “your”, quando essa língua é o inglês. Isso sem falar no tanto de palavra nova para absorver e significados para internalizar.

Por isso, reunimos algumas dicas e métodos para memorizar regrinhas que podem incrementar seu vocabulário, facilitar o aprendizado das preposições mais traiçoeiras e resolver de uma vez por todas a escrita correta daquelas palavras que todo mundo confunde.

13 dicas de inglês para aprender novas expressões e fugir dos erros mais comuns

Vocabulário

Apesar de serem de famílias diferentes, o inglês e o português podem ter várias similaridades e regras sobre as quais podemos traçar paralelos. Confira dicas que podem ajudá-lo a formar, entender ou descobrir o significado de centenas de palavras novas.

  • Cognatos
    Cognatos são palavras que se parecem em dois idiomas diferentes. No inglês, geralmente, cognatos são obtidos quando mantemos o radical de uma palavra (ou o adaptamos levemente) e trocamos o sufixo.

    Alguns exemplos:
    “-ível” vira “-ible”
    Ex: Flexível > Flexible

    “-ável” vira “-able”
    Ex: Admirável > Admirable

    “-dade” vira “-ty”
    Ex: Universidade > University

    “-ção” vira “-tion”
    Ex: Relação > Relation

    “-ência” vira “ence”
    Ex: Essência > Essence

    Além dessas, palavras terminadas em “-al” costumam se manter iguais, como “natural” ou “total”.

    É claro que várias exceções existem para essas regras, elas podem ser um atalho, mas a melhor forma de aprender de verdade é praticando — não confie cegamente nessas conversões e cuidado também com os falsos cognatos em inglês.
  • Sufixos -ful
    Adicionando o sufixo “-ful” a um substantivo, você o transforma em adjetivo. Ele significa “cheio de”, indicando presença ou quantidade.

    Ex:
    Taste (sabor) + ful (cheio de) = Tasteful (saboroso)
    Youth (juventude) + ful (cheio de) = Youthful (jovial)
    Color (cor) + ful (cheio de) = Colorful (colorido)
  • Sufixo -less
    Quando usado sozinho, “less” significa “menos”. Na função de sufixo, ele indica a ausência de algo, convertendo um substantivo em adjetivo.

    Ex:
    End (fim) + less (sem) = Endless (infindável; sem fim)
    Fear (medo) + less (sem) = Fearless (destemido; sem medo)
    Flaw (falha) + less (sem) = Flawless (impecável; sem falhas)
  • Sufixo -ness
    O -ness faz o contrário dos dois sufixos anteriores: transforma um adjetivo em substantivo, indicando o estado em que algo se encontra.

    Ex:
    Blind (cego) + ness (estado de) = Blindness (cegueira)
    Sad (triste) + ness (estado de) = Sadness (tristeza)
    Weak (fraco) + ness (estado de) = Weakness (fraqueza)
  • Sufixos –hood e –ship
    Já os sufixos –hood e –ship formam substantivos abstratos, conceitos gerados a partir de um outro substantivo.

    Ex:
    Child (criança) + hood = Childhood (infância)
    Neighbor (vizinho) + hood = Neighborhood (vizinhança)
    Friend (amigo) + ship = Friendship (amizade)
    Leader (líder) + ship = Leadership  (liderança)
  • Sufixo -ly
    O sufixo –ly, por sua vez, forma advérbios. Em português, seria o nosso sufixo –mente, indicando “de maneira…”

    Ex:
    Exact (exato) + ly = Exactly (exatamente)
    Quick (rápido) + ly = Quickly (rapidamente)
    Rare (raro) + ly = Rarely (raramente)
  • Formação de Comparativos e Superlativos
    No português, basta adicionarmos “mais” antes de um adjetivo para formarmos um comparativo, ou “o mais” para formar um superlativo. Em inglês, esse processo geralmente envolve sufixos e a formação de novas palavras.

    No entanto, três dicas simples de gramática podem ajudar a descobrir essas palavras e escrevê-las corretamente:

        - Como regra geral, para adjetivos de até duas sílabas, basta acrescentar o sufixo “–er” para formar comparativos e o sufixo “–est” para os superlativos. Vale lembrar que superlativos devem ser sempre precedidos por “the”. Por exemplo, “small” vira “smaller” ou “the smallest”. Se o adjetivo acabar pela sequência consoante-vogal-consoante, não se esqueça de duplicar a última letra, como ocorre com “big”, que vira “bigger” no comparativo e “biggest” no superlativo.

        - Para adjetivos que têm até duas sílabas em inglês e terminam em “y”, basta apagar o “y” e acrescentar “–ier” para os comparativos e “–iest” para os superlativos. Por exemplo, “happy” vira “happier” ou “the happiest”.

         - Quando tratamos de adjetivos mais longos, não é necessário alterar sua forma. Basta usar “more” (mais) ou o “less” (menos) antes dos adjetivos comparativos e “the most” (o mais) ou “the least” (o menos) antes dos superlativos.

    Mas esses são os comparativos e superlativos regulares. As exceções para essas regras são os irregulares, sendo os mais comuns as variações para as palavras “good” e “bad”:

    “Good” vira “better” (melhor) ou “the best” (o melhor), enquanto “bad” vira “worse” (pior) ou “the worst” (o pior).

            Veja também
            9 dicas para melhorar o vocabulário em inglês

Grafia

Alguns erros de escrita em inglês são mais comuns que outros, inclusive entre falantes nativos do idioma. A seguir, você encontra três das combinações que sofrem os maiores equívocos.

  • Then x Than
    A confusão entre a grafia das palavras “then” e “than” é comum inclusive entre nativos em inglês. Conhecer seu significado certamente ajuda a não cometer erros ao usá-las por escrito.

    “Then”, de modo geral significa “depois” ou “então”, às vezes possuindo o mesmo sentido que o muito comum (embora informal) “aí”, quando usado como expressão de tempo em português.

    Já a palavra “than” é utilizada em construções de comparação, e significa “(do) que”.

    Empregadas em uma mesma frase, elas tornam seu sentido completamente diferente. Por exemplo:

    I would rather go to the river than to the beach. (Eu preferiria ir para o rio do que para a praia.)
    I would rather go to the river, then to the beach. (Eu preferiria ir para o rio, e depois para a praia.)

    Para ajudar a lembrar: “thEn has to do with timE; and, thAn has to do with compArison” (thEn tem a ver com tEmpo; e, thAn tem a ver com compArações).
  • You’re x Your
    Essas duas palavras têm exatamente a mesma pronúncia, e por isso também são usadas equivocadamente com tanta frequência.

    “Your” é um pronome possessivo, indicando que algo pertence ao interlocutor “you” (você).

    Ex: “I love your hair” = “Adoro seu cabelo”
    “You’re” é uma contração de “you are” (você é/está).


    Ex: “You’re smart” = “You are smart” = “Você é esperto”
    “You’re right” = “You are right” = “Você está certo(a)”


    A mesma coisa acontece com “it’s” (contração de “it is”) e “its” (pronome possessivo), assim como “he’s” (contração de “he is”) e “his” (pronome possessivo).
  • They’re x Their x There
    Quer deixar um pouquinho mais complicado? Além de “they’re” (a contração de “they are”, que significa “eles são” ou “elas são”) ser confundida com o pronome possessivo “their” (pronome possessivo referente à terceira pessoa do plural, significando “deles”, em português), o advérbio “there” adiciona um terceiro elemento a essa equação, significando uma posição no tempo ou espaço (“lá”) ou “há”/”existe”, quando acompanhado do verbo ‘to be’ (“there is” ou “there are”.

    Ex: They’re worried that their car is not there anymore.
    Eles estão preocupados que o carro deles não esteja mais lá.


    There is a chance that they’re not gonna be in their house when we get there.
    Existe a possibilidade de que eles não vão estar na casa deles quando chegarmos lá.

Preposições

Por causa de algumas ambiguidades ou falta de precisão na tradução do inglês para o português e vice-versa, fica muito complicado acertar preposições o tempo todo. Veja algumas dicas de inglês para não vacilar ao escolher a preposição certa para sua frase:

  • To x For
    É bastante difícil, para falantes do português, fazer a distinção entre “to” e “for”, já que ambos podem ser traduzidos pelas preposições “a” e “para”. 

    “To” é utilizado nos seguintes casos:

    Destino
    “We’re going to London.”
    (Nós vamos a Londres.)

    Para dizer as horas
    “It’s a quarter to 3.”
    (São 15 minutos para as 3.)

    Distância
    “It’s about ten km from my house to the library.”
    (São cerca de dez km da minha casa para a biblioteca.)

    Comparação
    “I prefer sleeping to working.”
    (Prefiro dormir a trabalhar.)

    Para indicar uma doação ou presente
    “I gave the book to my sister.”
    (Dei o livro à minha irmã.)

    Motivo (quando acompanhado de verbo)
    “I came here to see him.”
    (Eu vim aqui para vê-lo.)

    Além de “a” e “para”, “for” também pode ser traduzido como “por” e é utilizado nos seguintes casos:

    Benefício
    “Yogurt is good for your digestion.”
    (Iogurte é bom para a digestão.)


    Período de tempo
    “We’ve lived here for 2 years.”
    (Nós vivemos aqui por 2 anos.)


    Para indicar um compromisso no futuro
    “I made an appointment for May 3.”
    (Marquei uma consulta para dia 3 de maio.)


    Concordância com uma causa (ser 'a favor’ de)
    “Are you for the development of nuclear weapons?”
    (Você é pelo/a favor do desenvolvimento de armas nucleares?)


    Fazer algo por alguém
    “Could you carry these books for me?”
    (Você poderia carregar esses livros para mim?)


    Motivo (quando acompanhado de substantivo)
    “Let’s go out for a meal.”
    (Vamos sair para uma refeição.)


    Função – acompanhado de verbo terminado em “-ing”
    “A ladle is a big spoon used for serving soup.”
    (Uma concha é uma colher grande usada para servir sopa.)
  • On x In x At (para expressar tempo)

    As preposições “on”, “in” e “at” têm diversas aplicações, mas uma que causa bastante dúvida — e que pode ser memorizada facilmente — está relacionada às expressões de tempo. Confira algumas dicas para utilizá-las corretamente:

    On” é utilizado para datas se algo acontece em um dia específico — seja no passado ou no futuro —, como:
    On Thursday (Na quinta-feira)
    On Sundays (Aos domingos)
    On Mother’s Day (No dia das mães)
    On August 14th (No dia 14 de agosto)


    In” é usado para períodos de tempo mais longos. Por exemplo:
    In September (Em setembro)
    In the spring (Na primavera)
    In 2018 (Em 2018)
    In the 1990s (Nos anos 1990)
    In a few months (Em alguns meses)
    In the future (No futuro)


    At” é utilizado para indicar um horário determinado:
    At 3 o'clock (Às 3 horas)
    At sunrise (Ao nascer do sol)
    At noon (Ao meio dia)
    At the moment (Nesse momento)


                      Teste seus conhecimentos para usar in, on, at
  • Since x For
    De novo as expressões de tempo: ao definir um período no passado usando o present perfect (presente perfeito) ou past perfect (pretérito perfeito), podemos explicá-lo de duas formas:

    “For” + período de tempo
    “Since” + um momento passado específico

    Veja os exemplos:

    I have worked here for five years. (Eu trabalho aqui há 5 anos.)
    I have worked here since 2014. (Eu trabalho aqui desde 2014.)
    She has been studying for a week. (Ela está estudando há uma semana.)
    She has been studying since Wednesday. (Ela está estudando desde quarta-feira.)

Se depois dessas dicas de inglês você percebeu que os seus conhecimentos podem ser reforçados, não deixe de buscar descontos em cursos com o Quero Bolsa Idiomas!

Bolsa de estudo para cursos de Inglês

banner image banner image

O que você achou deste artigo?

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54