Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
Ensino Básico

Uma em cada quatro crianças em idade pré-escolar apresenta desequilíbrios emocionais

por Luiza Padovam Vieira em 09/12/20

A imagem mostra uma criança negra com a mão no rosto, que parece triste. Tristeza excessiva é um dos sintomas que podem indicar um desequilíbrio emocional.

Um estudo realizado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em conjunto com as universidades estadunidenses Columbia e Hopkins, revela que 25% das crianças com idades entre quatro e cinco anos apresentam algum desequilíbrio emocional, que pode incluir sintomas como: ansiedade, oscilações de humor, timidez excessiva, choro fácil e dificuldades de relacionamento com outras crianças e adultos.

A pesquisa, publicada em agosto na Brazilian Journal of Psychiatry, foi conduzida em 2016 e acompanhou 1.292 alunos de 30 escolas da rede pública de ensino de Embu das Artes, município localizado na grande São Paulo. Os dados encontrados são similares aos de países de baixa renda, como Sri Lanka e Peru, mas estão acima da média de 15% de países economicamente mais desenvolvidos, como Estados Unidos e Lituânia. 

+ Como os problemas de aprendizagem influenciam o desempenho escolar

Segundo a coordenadora do trabalho, a professora Sheila Cavalcante Caetano, essa diferença está relacionada à “presença de programas específicos de ensino e prevenção para lidar com o desenvolvimento emocional”, que no Brasil, é quase inexistente.

Além dos aspectos socioeconômicos, o estudo observou que a maior associação entre a criança ter ou não problemas emocionais, comportamentais e atrasos de desenvolvimento, se dá com o bem-estar da família. Ambientes familiares tumultuados e estressantes podem gerar danos à saúde mental da criança, assim como a ausência de uma rede de suporte juntamente com a exposição à violência e à criminalidade. 

A psicóloga e consultora pedagógica do Laboratório Inteligência de Vida, empresa que desenvolve projetos de educação emocional junto às instituições de ensino, Juliana Hampshire, comenta que as crianças em situação de risco possuem um acesso restrito a diversos recursos que auxiliam no equilíbrio emocional, seja em casa, na escola, ou na comunidade.

“Ela [a criança] tem uma urgência de vida que é comer, garantir a sobrevivência e se proteger da violência”, explica. “Quando essa criança vai para a escola, a sala de aula está lotada e a professora está completamente sobrecarregada, e aí ela não vai receber o investimento que se espera da educação.” 

Para Hampshire, esses problemas estão relacionados a nossa própria cultura, em valorizar e garantir espaços de pleno desenvolvimento para as crianças e os adolescentes.

As consequências do desequilíbrio emocional no desenvolvimento infantil


Ser emocionalmente equilibrado está relacionado à capacidade de identificar os próprios sentimentos, de se relacionar com os outros e de solucionar problemas. Quando a criança está desequilibrada, essa alteração pode gerar consequências para a sua saúde e o seu desenvolvimento.


Dentre as 1292 crianças que participaram da pesquisa, 89% apresentaram comportamento agressivo e 88% demonstraram dificuldades de concentração. Caetano cita que, no ambiente escolar, esses sintomas podem dificultar a criação de laços afetivos e afetar o desempenho acadêmico. 


“A criança que frente a uma prova de 10 questões e tem uma pergunta que ela não sabe responder, se ela fica nervosa e rasga a prova, ela já perdeu a prova inteira. A criança que chora e fica paralisada e não consegue ir adiante, também se prejudicou muito. O socioemocional é dizer ‘Nossa, estou muito chateada com essa questão que eu não consigo resolver, mas eu consigo resolver as outras nove.’’, explica. 

A psicóloga Hampshire adiciona que a criança que não sabe lidar com as próprias emoções é menos propensa a se arriscar, a ser criativa e a pedir ajuda para o professor. Essa situação acaba afetando sua autoestima, deixando-a mais insegura e se sentindo desvalorizada. 

Educação emocional como ferramenta para formação de indivíduos saudáveis

Ambas as especialistas concordam que é preciso criar programas e políticas públicas que assegurem o desenvolvimento socioemocional das crianças e adolescentes, em todas as esferas. 

Programas como o LIV visam trabalhar as emoções e sentimentos no ambiente escolar, através de atividades voltadas para os alunos, familiares e professores. Rodas de conversa, momentos de leitura e trocas de experiência são alguns exercícios que ajudam a estreitar a relação escola-família, “possibilitando que a criança se sinta segura de ser quem ela é nos lugares onde circula'', afirma Hampshire. 

A imagem mostra quatro crianças deitadas na grama, em formato de roda, lendo livros. Essa atividade é uma das diversas que podem ser implementadas pelas escolas para evitar o desequilíbrio emocional dos alunos.
As rodas de leitura são algumas das atividades propostas pelo Laboratório Inteligência de Vida, em conjunto com as instituições de ensino, para trabalhar as habilidades socioemocionais nas crianças. Foto: LIV.

Conforme a pesquisa mostra, o contexto familiar no qual a criança se encontra é o principal responsável por seu equilíbrio emocional. Entretanto, Caetano explica que, para isso, é necessário que a cultura do castigo e da punição, ainda muito utilizada por muitos pais, seja substituída por uma forma diferente de educar.

“Tem vários estudos que mostram que se você apanha quando pequeno, depois quando você é adolescente e alguém te empurra e quer brigar, você entende que está tudo bem resolver a briga na porrada”, conta a coordenadora do estudo. “Quando na verdade o que a gente tem que fazer é tirar da parte física e partir para a comunicação de uma maneira não violenta.”

A psiquiatra acredita que a educação emocional, portanto, não deve ser trabalhada apenas com as crianças, mas também com os adultos, visto que muitos receberam uma criação distinta e não tiveram acesso a essas informações.

Algumas dicas que os pais podem implementar na educação em casa, são:

  • Passar momentos de qualidade com os filhos, brincando, lendo ou realizando alguma atividade física;

  • Implementar a disciplina positiva e a educação não violenta;

  • Praticar a escuta empática, buscando entender o que a criança está sentindo e ajudando-a distinguir e nomear os seus sentimentos;

  • Auxiliar e orientar a criança sobre as melhores maneiras para solucionar os seus problemas.

Os impactos do isolamento social e o que esperar daqui pra frente

Segundo Caetano, grande parte das crianças que apresentaram atraso na motricidade, ou seja, dificuldade em segurar o lápis, pular corda, andar em linha reta e se localizar, eram aquelas que ficavam mais tempo na tela e que também dormiam menos. 

+ Exposição contínua às telas é maior durante isolamento, mas limite ainda é indicado por especialistas

A diminuição na prática de atividades físicas e na interação com outras crianças, podem agravar ainda mais a situação, diz a psiquiatra. “Isso vira um ciclo: eu fico mais tempo na tela, eu interajo menos, eu converso menos, eu resolvo menos os meus problemas, eu treino menos as minhas habilidades, então é mais fácil eu ter problemas comportamentais e emocionais”, adiciona. 

Apesar da seriedade do problema, a psiquiatra afirma que é possível reverter o atraso psicomotor e socioemocional adquiridos durante a pandemia, mas é preciso que haja um esforço conjunto entre todos os envolvidos no processo de educação da criança.

“Ficou evidente que o papel da escola não é só pedagógico no sentido de ensinar matemática ou português e ciências”, explica. “A escola tem um papel fundamental no desenvolvimento de habilidades de comunicação, socialização, desde pequenininho. Esse desenvolvimento é feito com a assistência da professora, da mãe, do pai e da comunidade.” 

Para a especialista, desenvolver a inteligência emocional das crianças gera impactos positivos não só para a vida dela, mas para a sociedade como um todo, pois, “quanto melhor as habilidades de comunicação e de socialização da pessoa, menor a chance de uso de drogas e de acabar no serviço carcerário.”




O que você achou deste artigo?

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2021 CNPJ: 10.542.212/0001-54