Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
Biografias

Maria Firmina dos Reis

Gabriela Costa Costa
Publicado por Gabriela Costa Costa
Última atualização: 14/5/2019

Introdução

Maria Firmina dos Reis (1822 – 1917) é considerada a primeira romancista brasileira, ao lado de Nísia Floresta.

Maria Firmina dos Reis, considerada primeira romancista do Brasil.

Esquecida por décadas, as temáticas de Maria Firmina dos Reis relacionavam-se à escravidão e ao patriarcado, sistemas os quais ela sempre criticava em suas obras.

Além de escritora, Maria Firmina dos Reis foi professora e causou polêmica ao montar classes mistas em uma época em que meninas e meninos estudavam separados.

Trajetória

Maria Firmina dos Reis nasceu em 1822, em São Luís, no Maranhão. Filha ilegítima de uma mulher branca e um homem negro, Maria Firmina foi registrada com o sobrenome de outro homem.

Em 1830, aos 12 anos, mudou-se para a casa de uma tia com certo poder aquisitivo e cultural. Ali, Maria Firmina teve seus primeiros contatos com a Literatura e com alguns parentes notáveis, como Sotero dos Reis, um importante gramático da época.

Maria Firmina, então, estudando por conta própria, conseguiu se tornar professora aos 22 anos, sendo aprovada em um concurso público para a “Cadeira de Instrução Primária”.

Na época o sistema de escravidão ainda vigorava, e Maria Firmina passou a escrever textos em jornais, crônicas, poesia e ficção, fazendo da escrita seu grande instrumento na luta contra essa realidade.

Como professora, criou uma escola gratuita mista, de meninos e meninas, que foi um grande escândalo na época e, por isso, foi um projeto que durou apenas três anos.

Úrsula e outras obras

Maria Firmina dos Reis lançou seu primeiro romance, “Úrsula”, em 1859. Foi considerado o primeiro romance antiescravagista e escrito por uma mulher no Brasil. Neste livro, Maria Firmina monta personagens com intuito de ressaltar a superioridade moral dos negros.

O romance conta a história de amor entre Úrsula e Trancredo. Porém, o romance se diferencia pelo modo como os personagens negros e as mulheres são construídos, e a escravidão é problematizada.

“Gupeva” seria lançado em 1861 e tocaria em outra temática: indianista. Em 1871, Maria Firmina dos Reis escreveria o livro de poemas “Cantos à Beira Mar”.

A temática de denúncia da escravidão esteve presente em 1887, com o conto “A Escrava”, publicado no auge da campanha abolicionista. O livro aborda a escravidão a partir do ponto de vista de uma mulher branca da burguesia. Com isso, Maria Firmina tinha a intenção de aproximar as classes beneficiadas pela escravidão da temática abolicionista. 

Sua obra foi esquecida por muito tempo pelos críticos brasileiros, sendo resgatada na década de 1960. Depois disso, no entanto, continuou com poucas edições. Nos últimos anos, Úrsula foi novidade em algumas listas de leitura obrigatória para vestibulares, ganhando novas e diferenciadas edições.

Maria Firmina dos Reis continuou seu ativismo contra a escravidão até sua morte, em 1917, no município de Guimarães.

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...