Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Profissões

3 razões para desistir da Medicina

por Natália Plascak Jorge em 27/09/17 38 mil visualizações

Sabe aquela frase: muitas pessoas adorariam estar no seu lugar? Então, quem foi aprovado no vestibular de Medicina deve ouvir muito isso na vida.

Talvez, justamente por isso seja tão difícil desistir do curso, não é? Quem toma essa decisão passa por um período difícil, afinal, a escolha de carreira foi equivocada e é preciso lidar ainda com o medo de perder alguns anos de formação e suportar a reação dos pais, familiares e amigos.

A Revista Quero conversou com a Luciana Di Giovanni, estudante de Medicina da Unifesp (Escola Paulista de Medicina) que passou por essa experiência. O caso dela foi até bastante inusitado, porque depois de desistir do curso, ela conseguiu ser aprovada novamente no vestibular do mesmo curso e voltar para a mesma faculdade para se tornar médica.

Você consegue imaginar? Depois de conseguir atingir um objetivo como esse ter vontade de abandonar o curso porque ele não era aquilo que você pensava? A expectativa, muitas vezes, não corresponde à realidade, e fica cada vez mais complicado suportar a situação.

Com a ideia de que o curso traz um retorno financeiro rápido, o status da profissão e o sentimento de conseguir provar para todos, inclusive para si mesmo, de que é capaz de enfrentar esse desafio e ser aprovado em um dos vestibulares mais concorridos, muita gente se perde no meio do caminho gerando esse tipo de frustração.

A Luciana teve três razões para desistir da Medicina:

  1. Ela achou que o processo de escolha profissional foi imaturo;
  2. O trote não foi fácil e mostrou um ambiente não muito receptivo;
  3. Havia uma carga de matérias pesadíssima com uma tremenda variedade de atividades extracurriculares sobre as quais ela se cobrava intensamente para controlar.

Um processo de escolha imaturo

Para começo de conversa, a estudante queria ser bióloga marinha quando criança e, chegando na fase de escolha, achava que seguiria para a Biologia, sua matéria favorita do colégio. Na época, ela convivia muito com biólogos recém-formados que estavam bastante desiludidos com as perspectivas de carreira, e isso a desestimulou. Começou, então, a considerar carreiras tidas como mais estáveis, foi quando, invariavelmente, incluiu a Medicina nas possibilidades.

Apesar de ter estudado em bons colégios, ela não tinha muita noção da realidade do vestibular. O bom desempenho acadêmico sempre foi algo muito valorizado na casa dela, mas, ela não estudou em colégios que priorizavam, na época, o vestibular como fim de todo o Ensino Médio. Primeiro, prestou vestibular só para Medicina na USP e não passou para a segunda fase. No ano seguinte, depois de um ano de cursinho, prestou Biologia na Unicamp e na Unesp, Direito na USP e Medicina na Unifesp. Só decidiu mesmo por Medicina na hora da matrícula, já que a USP e Unifesp saíram na mesma semana.

Luciana e seus pais, em Londres, durante o intercâmbio da estudante pelo Ciência Sem Fronteiras

Os pais dela são médicos, daqueles com umas rotinas de trabalho bastante puxadas mesmo. Na verdade, ela sempre disse que ia fugir da Medicina! Ela nunca foi pressionada pelos pais para seguir nenhuma área. “Talvez, o momento de maior pressão tenha sido quando eu telefonei para o meu pai para contar que tinha passado em Medicina e ele começou a chorar. Aí, eu, que ainda não tinha certeza, senti que tinha que pelo menos tentar”, lembrou a estudante.

A falta de receptividade no ambiente da faculdade

Além de achar que não tinha muita noção das coisas, a Luciana também não teve uma boa experiência no trote da faculdade. O ambiente, já de cara, pareceu um pouco hostil. Assim, ela tinha mais um fator que contribuía para que não continuasse o curso.

A carga pesada que o curso carrega

A estudante sentia uma grande cobrança de ter que treinar e participar das atividades esportivas da faculdade. A carga de matérias para estudar não era fácil e uma grande diversidade de atividades extracurriculares sobre as quais ela se cobrava muito também a estressava. “Eu me descobri entrando em uma faculdade e um compromisso de vida com o qual eu não me identificava, sentindo-me sobrecarregada, cobrada por mim e por outros e extremamente ansiosa. Tive que procurar ajuda psicológica, porque a ansiedade havia simplesmente dominado todos os meus pensamentos. Quando desisti da faculdade, foi um tremendo e imediato alívio”, contou a jovem.

O que veio com a decisão

Se por um lado ela iria voltar ao grande limbo do período pós-colégio/antes da faculdade, por outro, ela estava se permitindo ser a prioridade de sua vida saindo de uma situação, na época, insustentável. “Meus pais foram fantásticos. Todos poderiam esperar que eles ficassem muito desapontados, o que pode até ter acontecido, mas eles me permitiram passar por isso com o mínimo de culpa possível e sempre se mostraram dispostos a me apoiar na próxima fase. Acho que era evidente que no “ou vai ou racha” da faculdade de Medicina, eu estava rachando. Larguei a faculdade e entrei em um curso de Arquitetura em uma universidade particular, com um processo de trote e de pressão completamente diferentes. Respirei fundo, cuidei da minha ansiedade e, no ano seguinte, voltei para a mesma faculdade de Medicina!”, disse Luciana.

Hoje, a estudante não se vê em outra profissão

Isso mesmo! Ela voltou a fazer Medicina. O processo dessa vez foi um pouco diferente. Ela escolheu a Medicina sabendo no que estava se metendo. O fato de o trote ter sido proibido na faculdade também ajudou. Outra coisa boa foi ter se encontrado participando das atividades do Centro Acadêmico. “Eu não pensei duas vezes em procurar ajuda psicológica outra vez, quando a coisa começou a apertar. Hoje, consigo claramente dizer que eu amo a Medicina, mas, trata-se de um curso com um processo massacrante, doloroso e desestimulante em muitos momentos”, destacou.

Os maiores mitos que envolvem a Medicina

Para a futura médica, talvez, o maior mito que envolva a profissão é o status que as pessoas atribuem. Para começo de conversa, a faculdade trabalha com uma hierarquia imensamente enrijecida. “Não espere nenhuma coroa de louros durante a graduação, mas sim encarar diversas situações em que o ego só atrapalha. Pessoalmente, acredito que quanto menor a preocupação com o status social de Medicina, melhor o profissional em formação ou atuante.”

Outra coisa que ela acha importante deixar claro é a demora para a faculdade tornar-se prática. “Os quatro primeiros anos exigem muita dedicação ao aprendizado teórico, o que é um tanto frustrante, principalmente levando em consideração que a didática não é a maior prioridade de muitos docentes. O modelo PBL (Problem Based Learning), adotado em algumas faculdades de Medicina, é mais prático antes, mas não tenho experiência com ele para comentar”, revelou.

Aquela imagem do médico profissional liberal com sua maleta debaixo do braço indo salvar o mundo é extremamente ultrapassada, na visão dela. "Como todo profissional de saúde do século XXI, o médico trabalha em grupo, frequentemente multiprofissional, toma decisões em conjunto com outros profissionais e o paciente e está sujeito a uma crescente judicialização da Medicina. Para ela, a ideia de que a remuneração é muito boa também não é necessariamente verdade, em termos de valor pago por hora de trabalho.

O conselho para aqueles que pensam em fazer Medicina


“Meu grande conselho é que saibam o que espera por vocês. Desmistifiquem o curso o máximo possível, solidifiquem suas expectativas, sejam realistas sobre o que vocês estão dispostos a passar por e a tornar-se por esse projeto. Permitam-se reavaliar os motivos pelos quais vocês querem fazer Medicina e lembrem-se de que é possível ser feliz de várias formas. O sucesso profissional existe em vários caminhos, e a Medicina é uma profissão, só isso. As pessoas têm que ser mais que uma profissão. Se sua conclusão for que para você vale a pena, saiba que o caminho é brutal, as recompensas parecem demorar muito, mas ela é extremamente apaixonante e, finalmente, chega uma hora que você não conseguiria imaginar-se fazendo outra coisa!”

Gostou de conhecer a experiência da Luciana? Acabou se identificando com alguma situação? Compartilhe com a gente nos comentários!


banner image banner image

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Você pretende trabalhar e estudar ao mesmo tempo?
ALERTA DE VAGAS i-close
Para se dedicar integralmente aos estudos é sempre bom economizar.Money c94fde8014ac9b0d5ad05d244e1821fb246018cdc3570b09f72c25fde99f7b1a

Gostaria de ser avisado sempre que uma vaga estiver disponível aqui no site Quero Bolsa?

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você encontra as melhores vagas em diversos turnos, até mesmo ensino a distância.

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Você pretende trabalhar e estudar ao mesmo tempo?
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54