Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
034a0947f17da3b1ffa2cac77807e713a0c7595a Cad4289abdb7425ccae2f9b377a959eb7b84ac71
Vestibular e Enem

Trabalho Infantil: Entenda sobre o tema para o Enem

por Giovana Murça em 12/07/19
“Criança não trabalha, criança dá trabalho” (Palavra Cantada)

Quem não se lembra de cantar essa música na infância? Essa e várias outras melodias embalavam as brincadeiras com os amigos na rua ou na escola. 

Brincar é um direito da criança e fundamental para seu desenvolvimento. Entretanto, milhares de crianças no Brasil e no mundo vivem a dura realidade do trabalho infantil, deixando de lado os momentos de lazer e aprendizado.

Entre 2004 e 2015, o trabalho infantil caiu pela metade, de 5,3 milhões para 2,7 milhões de crianças e adolescentes, mas os números ainda são preocupantes. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2016, 2,4 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos trabalhavam

trabalho infantil enem
(Foto: Fotolia)

O que é o trabalho infantil?

O trabalho infantil é caracterizado como todo trabalho realizado por crianças e adolescentes abaixo da idade mínima permitida pela legislação. De acordo com a leis brasileiras, o trabalho é proibido antes dos 16 anos, exceto na condição de menor aprendiz, a partir dos 14 anos. 

Antes da maioridade, na condição de aprendiz ou empregado, os adolescentes também não podem trabalhar a noite, em locais insalubres ou em atividades perigosas.

Leia também: Trabalho: conceitos importantes para o Enem e vestibulares

Brincar e estudar é um direito das crianças e adolescentes, assim como vários outros garantidos em legislações como o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e Declaração Universal dos Direitos da Criança, de 1959.

Os números do trabalho infantil

Uma pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Fundação Walk Free, em parceria com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), revelou que 152 milhões de crianças entre 5 e 17 anos foram submetidas ao trabalho infantil no mundo em 2016. 

Apenas um pequena porcentagem dessas pessoas, no caso os adolescentes, trabalham de forma regular, como menor aprendiz ou por meio de contratos.

 A maioria são crianças e adolescentes explorados na agricultura (70,9%), no setor de serviços (17,1%) e na indústria (11,9%), segundo a pesquisa Estimativas Globais de Trabalho Infantil.

Quais são as causas?

As principais causas do trabalho infantil são: pobreza, má qualidade da educação e questões culturais. A questão existe desde o período escravocrata e, por isso, seja tão naturalizado no dia a dia das cidades que se vejam crianças pobres e fora da escola vendendo balas ou pedindo esmolas no trânsito.

Segundo o Plano Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador, o trabalho infantil é um fenômeno social. Ele foi presente na história desde a Antiguidade, atingindo seu auge com o trabalho infantil na Revolução Industrial.

trabalho infantil enem
Menina trabalhando em fábrica na Carolina do Sul, Estados Unidos, em 1908 (Foto: Pixabay)

No Brasil, desde o Brasil Colônia, crianças negras e indígenas eram escravizadas, assim como seus pais. Quando a escravidão foi proibida, chegou a vez dos trabalhadores livres terem seus filhos explorados. 

A partir desse histórico e com o avanço da desigualdade social, imperava o pensamento de que o trabalho dignifica e, portanto, era algo positivo para criança crescer e se ocupar. Enquanto muitas elites lucravam com o trabalho das crianças, para as famílias pobres era a única maneira de sobreviver.

Meninas e crianças negras

As crianças são uma em cada quatro das 40 milhões vítimas de trabalho escravo em 2016, segundo a pesquisa da OIT. Além disso, é importante saber que o trabalho infantil e escravo também se relaciona à condição de gênero e raça

Plano de Estudo Enem 2019:  Baixe gratuitamente o plano desse mês

As mulheres e meninas são 71% do total de pessoas escravizadas, chegando a 29 milhões. Outra pesquisa, do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI), mostrou que das 3,187 milhões de crianças vítimas de trabalho infantil em 2013, 62,5% eram negras (1,99 milhão).

A violência contra crianças negras segue a mesma tendência da violência contra a população negra adulta. Em 2017, segundo o Atlas da Violência 2019, 75,5% das vítimas de homicídios foram indivíduos negros.

Perpetuação da pobreza

A maior consequência do trabalho infantil é a perpetuação do ciclo de pobreza. De acordo com o Plano Nacional, quanto menor a renda e a escolaridade da família, maior é o risco de entrada precoce no mercado de trabalho. 

Essas famílias não acreditam, muitas vezes, que a educação trará benefícios, principalmente pela qualidade das escolas públicas, e a necessidade imediata é por dinheiro para o sustento. Assim, as crianças trocam a escola pelo trabalho, aumentando os níveis de evasão escolar. Um terço das crianças de 5 a 14 anos envolvidas em trabalho infantil não estuda, segundo a pesquisa da OIT. 

trabalho infantil enem
(Foto: Fotolia)

Fora do ambiente escolar, essas crianças ficam expostas aos diversos perigos da exploração, como violência, assédio sexual, riscos à saúde, acidentes e até morte

O Plano Nacional ainda aponta que quanto mais cedo se começa a trabalhar, menor é a renda quando adulto. Assim, o ciclo de pobreza continua, já que a escolaridade e renda das famílias continuam baixas.

O trabalho infantil, ao invés de colaborar com o desenvolvimento da criança, como acreditado antes, contribui para o aumento da desigualdade social

trabalho infantil enem
Campanha nacional contra o trabalho infantil (Foto: Reprodução)

Hoje, o Brasil aos poucos segue no caminho da erradicação do trabalho infantil. Órgãos públicos e movimentos lutam para que crianças e adolescentes possam brincar, estudar e se desenvolver saudavelmente antes de trabalhar.

Pode cair no Enem?

Por envolver direta ou indiretamente a sociedade brasileira, o tema trabalho e escravidão infantil pode sim cair no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)

Além do assunto afetar um grupo vulnerável de crianças e adolescentes mais pobres, ele também é associado às condições análogas à escravidão, o que faz com que a importância seja intensificada, segundo o professor de Redação Marcelo Batista, do canal do Youtube Aprendi com o Papai.

O professor acredita que o assunto pode aparecer na prova em questões de interpretação de texto e que envolvam os gêneros textuais, mas que é um provável tema de redação. ”O enfoque da proposta de redação deve ser em relação ao aspecto legal do problema”, aposta Marcelo. 

Argumentação e conclusão

Durante a argumentação, a dica do professor é levar em consideração que o trabalho e escravidão infantil fere a legislação brasileira, desrespeitando o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), principalmente.

Também é interessante usar os dados dos textos de apoio para confirmar que o assunto é um problema nacional já reconhecido e que interfere, inclusive, no desenvolvimento do país, pois perpetua o ciclo de pobreza.

(Foto: Reprodução)

Já para a conclusão, Marcelo sugere: “Apresente propostas de intervenção que estejam focadas na fiscalização e na efetividade da aplicação da lei”. Sempre lembrando de respeitar os direitos humanos e a legislação, item fundamental na redação do Enem.

Manual do Enem e Plano de Estudo Enem 2019

Está estudando para o Enem? Então corre para conhecer nosso Plano de Estudos do mêse comece a estudar com as matérias e exercícios do Manual do Enem. E o melhor: tudo de graça! Bons estudos ;)

034a0947f17da3b1ffa2cac77807e713a0c7595a Cad4289abdb7425ccae2f9b377a959eb7b84ac71

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
ALERTA DE VAGAS i-close
Descubra qual profissão mais se encaixa com você.

Não fique na dúvida sobre o seu futuro. Faça o Teste Vocacional do Quero Bolsa.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você compare vagas com bolsa em mais de 1.000 faculdades

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Basta entrar em contato conosco em até 6 meses após o pagamento, informando seus dados e o motivo da devolução.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2019 CNPJ: 10.542.212/0001-54