Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
História Geral

A monarquia romana

Daniel Zem Bernardes
Publicado por Daniel Zem Bernardes
Última atualização: 11/4/2019

Introdução

Rômulo e Remo sendo amamentados pela Loba.

Quando falamos sobre a Roma antiga, a primeira coisa que nos vem à cabeça é o seu grande império e seus ilustres imperadores. Contudo, a Roma antiga nem sempre foi um império. A história da antiga Roma se divide em três fases: a monarquia (VII - 509 a.C.), a república (509 a.C. - 27 a.C.) e, por fim, o império romano (27 a.C. - 476). 

A monarquia começou a partir da união de povos que viviam na península Itálica, em torno de uma estrutura defensiva e de uma figura política, o Rex ou Rei, com o objetivo de se defender dos Etruscos ao norte da península Itálica. Vamos entender mais à fundo a sua origem.

A origem da Monarquia

Nos meados de 700 a.C., a península Itálica já era ocupada por diferentes povos, com suas próprias culturas e dialetos. Os povos que habitavam a península eram indo-europeus, como por exemplo os latinos e os sabinos e algumas colônias gregas. 

Todos eles habitavam a porção mais central da península Itálica, às margens do rio Tibre, menos os gregos, que estabeleceram suas colônias ao na costa sul da península Itálica. Contudo, ao norte da península Itálica, existia um povo que não pertencia à família indo-europeia: os etruscos. Eles eram, assim como os gregos, os povos mais desenvolvidos da península. Tanto os gregos quanto os etruscos influenciaram muito na cultura de Roma.

É importante ressaltarmos a formação desses povos às margens do rio Tibre. Terras próximas às águas do Tibre eram favoráveis ao plantio, o que levou ao desenvolvimento de povos nesta região. O Tibre também era uma região estratégica econômica, já que representava um acesso ao mar e, portanto, uma ponte comercial para as colônias gregas, situadas na costa sul da península.

Por conta da posição estratégica do rio Tibre tanto para o plantio, quanto para o comércio, os povos que habitavam o centro da península eram alvos de invasões feitas pelos Etruscos, no intuito de controlar a região. Assim, foi construída pelos latinos na planície do Lácio, uma fortificação defensiva para proteger os povos das invasões dos etruscos. 

Houve uma significativa união em torno dessa fortificação e dela nasceu a sociedade de Roma, dando início à primeira fase da Roma antiga: a monarquia.

O período monárquico (VII - 509 a.C.)

Existem poucos registros dessa época, o que torna esse período escasso em seus detalhes, se baseando, em sua maioria, em lendas. Contudo, é certo que houve uma monarquia nos primeiros séculos da sociedade romana.

Segundo a lenda da formação de Roma, o seu primeiro rei teria sido Remo, após matar o seu irmão gêmeo Rômulo, em uma disputa pelo poder. A lenda diz que Rômulo e Remo eram descendentes de Enéas (herói de Troia) e do deus Marte, que engravidou a sua mãe, sobrinha do rei de Alba, Amúlio. Os irmãos foram jogados em um cesto no Rio Tibre e por um milagre foram salvos por uma Loba, que os amamentou e cuidou, até serem acolhidos por um camponês.

Diz a lenda que os irmãos cresceram com habilidades extraordinárias. Já crescidos, Rômulo e Remo matam Amúlio e depois fundaram Roma, no Monte Palatino. Contudo, após um desentendimento entre os irmãos, Rômulo mata Remo e se torna o primeiro rei de Roma. 

Na monarquia romana já existiam os traços da divisão social que permaneceria ao longo de toda a sua história. Nessa época, existiam os gens, que eram um grupo de famílias proprietárias de terras que seguiam o mesmo líder e compartilhavam um antepassado em comum, já que a sua linhagem era muito importante.

Esses proprietários eram chamados de Patrícios e representavam o poder aristocrático da sociedade romana. Os que compunham a maior parcela da sociedade romana eram os pequenos proprietários, comerciantes, artesãos e camponeses, chamados de plebeus. Vale pontuar que ainda não havia uma camada considerável de escravos em Roma.

O modelo político era a monarquia, ou seja, o poder era centralizado nas mãos do Rei, que detinha os poderes de chefe supremo, sacerdotais e judiciários. Existia um conselho que o ajudava em suas decisões. Este conselho era composto pelos chefes das principais famílias patrícias e era chamado de Conselho dos Anciões ou Senado.

Não existem muitas fontes sobre como se desenrolou o período da Monarquia até o da República. Dizem as lendas que houveram 7 reis durante a monarquia, dentre os quais os primeiros 4 eram latinos e os outros 3 etruscos. Acredita-se que a presença de reis Etruscos demonstrava os intensos conflitos entre as cidades-estados.

Existem mais escritos sobre os reis Etruscos do que do outros reis. Durante o reinado etrusco, houve uma intensa tentativa de diminuir os poderes dos Patrícios e do Senado, com o alinhamento do Rei com setores mais populares, como os comerciantes, que passam a exercer um papel político.

Isso levou ao descontentamento do Senado e dos Patrícios, o que levou à uma revolta no reinado de Tarquínio, o Soberbo (534 a.c - 509 a.c), visando acabar com o reinado etrusco e estabelecer um monopólio político, que se consolidou na formação da República Romana em 509 a.C.

Curiosidades

  • Diz a lenda que os desentendimentos entre Rômulo e Remo começaram na decisão sobre onde seria construída a fortificação. Rômulo diz que deveria ser construída no Monte Palatino e se chamar Roma, já Remo queria que fosse construída no Monte Aventino e que se chamasse Remoria.
  • Alguns historiadores acham que a Loba que criou Rômulo e Remo era uma representação de uma prostituta.

Exercícios

Exercício 1
(Mackenzie/2003)

Após vingarem o destino infeliz da mãe Rea Silvia, detida por longo tempo pelo pérfido tio Amúlio, e restituírem o reino de Alba ao avô Numitor, Rômulo e Remo teriam decidido, por conta própria, fundar com seus companheiros, todos homens, uma cidade. De modo muito simples, Rômulo e Remo foram tomados pelo desejo de fundar uma cidade nos mesmos lugares que haviam sido abandonados e criados, ou seja, às margens do Tibre (Adaptado de Levi G. Schmitt -- História dos jovens).

O texto apresenta um trecho da versão escrita pelo poeta Virgílio, em Eneida, acerca da fundação da cidade de:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...