Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
Dicas e Curiosidades

Coronavírus: devo pedir a redução do valor da mensalidade da faculdade?

por Isabela Giordan em 15/04/20

Quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a pandemia do novo coronavírus em meados de março, o Brasil não tinha muitos casos confirmados e eram poucos os que seguiam a quarentena e praticavam o isolamento social.

Porém, com a evolução da crise no País, escolas e universidades, sejam elas privadas ou públicas, decidiram fechar as suas portas para as aulas presenciais e, em muitos casos, seguir com as aulas remotas. Atualmente*, são mais de 28 mil casos e cerca de 1,7 mil óbitos registrados no Brasil. 

Apesar de ser uma medida de proteção e que impede que o vírus círcule ainda mais em locais com aglomeração, muitos estudantes de instituições particulares questionaram o valor das mensalidades. Afinal, se as aulas são a distância por que pagar o preço da matrícula presencial?

redução do valor da mensalidade da faculdade

Qual é o lado das faculdades?

Ao receber a negativa das universidades e faculdades sobre uma possível redução do valor mensal do curso, muito alunos prostestaram a decisão em suas redes sociais e, em alguns casos, foram criados abaixo-assinados para exigir a redução das mensalidades. 

De acordo com o Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp), esses pedidos são equivocados, já que as instituições de ensino estão propondo medidas para que a qualidade das aulas seja a mesma do que antes da pandemia. 

"Não está havendo nenhuma flexibilização nas disciplinas por parte das instituições [...] Ao contrário, um levantamento do Semesp junto a suas associadas mostrou que os cursos que estão sendo ministrados de forma remota utilizam a mesma estrutura das aulas presenciais e a mesma dedicação dos professores, para transmissão do conhecimento por meio de aulas adaptadas para ambientes tecnológicos virtuais", explica nota divulgada pelo sindicato.

Além disso, Rodrigo Capelato, diretor-executivo do Semesp, relembra que os custos para manter os professores e outros funcionários, mesmo que em home office, são os mesmos, sendo que ainda há o investimento em novos equipamentos tecnológicos para oferecer o conteúdo virtualmente. 

"As instituições estão garantindo que os professores transmitam o conhecimento esperado e que os alunos desenvolvam as tarefas solicitadas de forma remota, com a mesma qualidade que era oferecida antes da suspensão das atividades presenciais. E tudo isso precisa ser levado em conta", explica Capelato.

Qual é o lado do Procon?

Para ajudar a tirar as dúvidas dos estudantes, o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Estado de São Paulo (Procon-SP) solicitou à Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, uma posição sobre a situação. 

Para evitar que a situação vá para o caminho judicial, a fim de garantir a suspensão do contrato ou a redução das mensalidades, a Senacon sugere que as faculdades e universidades garantam a prestação de serviço, com qualidade equivalente ou semelhante à contratada. 

"No caso da prestação de serviços educacionais, isso significa oferecer as aulas presenciais em período posterior, com a consequente modificação do calendário de aulas e de férias ou oferecer a prestação das aulas na modalidade a distância", aponta a publicação.  

Além disso, a Senacon recomenda que as instituições de ensino tenham canais de atendimento ao consumidor, com todas as informações necessárias, para que os estudantes possam tirar todas as possíveis dúvidas e possam acompanhar o andamento da situação, sempre tendo como fonte os canais oficiais do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).  

Quais são os direitos do aluno? 

De acordo com João Pedro Biazi, advogado e doutorando em Direito Civil, já que houve uma modificação dos serviços educacionais prestados, é importante que as partes possam reestruturar e revisar o contrato

"Se a prestação educacional ainda é possível, mas por meio do ensino a distância, isso tem que reverberar também na prestação que o consumidor paga", explica. 

Além disso, do entendimento do advogado, quando uma instituição não consegue prestar o serviço combinado, o contrato deve ser suspenso: "Vamos supor que, por conta da imposição da quarentena, em uma determinada cidade, já não é mais possível para prestar o serviço educacional. Nesse cenário, o contrato tem que ser suspenso durante o período. Ou seja, é preciso suspender o pagamento das parcelas, visto que as aulas e os outros serviços também foram interrompidos."

Porém, para João Pedro Biazzi, a melhor opção ainda é que as partes consigam resolver a situação de forma amigável, a fim de evitar o caminho judicial.

Para isso que isso ocorra, a indicação é novamente buscar os canais oficiais de comunicação das universidades e faculdades para manter o diálogo e promover a resolução do desentendimento.  

"Várias instituições de ensino estão se posicionando proativamente para permitir um diálogo mais eficiente entre o aluno e instituição. Agora, se isso eventualmente não for possível, é preciso buscar outras soluções, seja ela administrativa, com o auxílio do Procon, ou judiciais, por meio de um advogado", orienta o advogado. 

*Dados divulgados pelo Ministério da Saúde em de 15 de abril de 2020.

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Você sabia que o Quero Bolsa te ajuda a realizar o sonho de concluir uma graduação?
ALERTA DE VAGAS i-close
O que é o Quero Bolsa?Thinking face f5c039d3e92b0c131b3780cdbc1ee3d7966cc05cafc35064b70df0e0e049c24d

O Quero Bolsa é o site que te ajuda a entrar na faculdade! Reunimos todas as informações para você fazer a melhor escolha e garantir uma vaga na faculdade.

Tá esperando o que pra conseguir a sua?

ALERTA DE VAGAS i-close
Veja como é simples! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Preencha os campos abaixo com suas preferências e receba avisos de vagas disponíveis no Quero Bolsa.

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Você sabia que o Quero Bolsa te ajuda a realizar o sonho de concluir uma graduação?
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54