Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
História do Brasil

Guerra dos Mascates

Gabriela Botelho
Publicado por Gabriela Botelho
Última atualização: 24/6/2021

Introdução

A Guerra dos Mascates (1710-1712) foi um movimento nativista que ocorreu na capitania de Pernambuco durante o período colonial. Tal movimento aconteceu por conta de rivalidades locais e não visava o rompimento com a metrópole, isto é, não era emancipacionista.

O conflito se deu entre os senhores de engenho de Olinda e os comerciantes portugueses de Recife, em uma disputa pelo poder local. A guerra recebeu esse nome devido a participação dos comerciantes portugueses, que eram chamados pejorativamente de mascates

📚 Você vai prestar o Enem? Estude de graça com o Plano de Estudo Enem De Boa 📚 

Contexto histórico

Em meados do século XVII, um conjunto de movimentos políticos teve início no Brasil Colônia, os denominados movimentos nativistas. Esses movimentos expressavam o descontentamento dos colonos em relação aos abusos de Portugal, que se intensificaram após a Restauração Portuguesa.  

Vale ressaltar que esses movimentos não eram emancipacionistas, e sim visavamdefesa de interesses locais ou regionais. Outros movimentos que podem ser classificados como nativistas são a Revolta de Beckman, a Guerra dos Emboabas, a Revolta de Filipe dos Santos e a Aclamação de Amador Bueno.

Após a expulsão dos holandeses do Nordeste, eles passaram a cultivar cana de açúcar nas Antilhas, que eram suas colônias. Desta forma, como eles já dominavam o refino e a comercialização do açúcar na Europa, economia açucareira do Brasil entrou em crise.

Assim, o poder econômico local passou a rodar em torno do povoado de Recife, dominado por comerciantes portugueses chamados, pejorativamente, de mascates. Devido à decadência da cana, os senhores de engenho de Olinda passaram a se endividar com os comerciantes portugueses de Recife. Ainda assim, eles continuavam a controlar o poder político da capitania de Pernambuco.

Causas

A Guerra dos Mascates teve como causa a grande rivalidade entre os senhores de engenho de Olinda e os comerciantes portugueses de Recife, sendo que estes contavam com o apoio do governador Sebastião de Castro Caldas. Essa rivalidade podia ser observada, principalmente, através da disputa entre Olinda e Recife pelo poder político da capitania de Pernambuco.

Além disso, o favorecimento da metrópole aos comerciantes, a crise econômica em Olinda e o forte sentimento antilusitano por parte dos aristocratas olindenses também são causas do conflito.

A Guerra dos Mascates teve inícioquando Recife foi elevada ao título de vila, o que favorecia os comerciantes portugueses. 

Objetivos

A aristocracia de Olinda iniciou essa revolta com o objetivo de dominar politicamente a região da capitania de Pernambuco. Além disso, a rebelião também visava a fazer com que a Coroa tratasse igualmente Olinda e Recife. Por fim, os aristocratas também lutavam para que Recife fosse rebaixado ao grau de povoado

O conflito

Em 1710, os senhores de engenho de Olinda, comandados por Bernardo Vieira de Melo e Pedro Ribeira da Silva, invadiram Recife, libertaram os presos e destruíram o Pelourinho (coluna de pedra em que puniam os considerados criminosos em local público). A invasão teve como justificativa o fato de que os recifenses desrespeitavam as fronteiras entre as comarcas de Recife e Olinda. 

Em 1711, os comerciantes portugueses de Recife revidaram e invadiram Olinda. Eles destruíram vilas e engenhos durante a invasão.

Também em 1711, a Coroa Portuguesa nomeou um novo governador para a capitania de Pernambuco, Félix José de Mendonça, e enviou tropas para conter a revolta e para prender os responsáveis pelo conflito. A Guerra dos Mascates cessou em 1712, após essas medidas.

Consequências 

Ao fim da guerra, o novo governador determinou que os principais líderes do movimento fossem presos. Além disso, em 1712, Recife recebeu o título de cidade e capital de Pernambuco, o que evidencia o favorecimento dos comerciantes portugueses pela Coroa Portuguesa. Como consequência disso, a rivalidade entre os senhores de engenho e os comerciantes portugueses se intensificou ainda mais

Após dois anos do fim da Guerra dos Mascates, em 1714, o rei que governava na época, D. João Vconcedeu anistiaàs pessoas que participaram do conflito, desde que não houvesse mais confrontos. 

Ademais, a fim de evitar novas revoltas, o governador Félix José estabeleceu que a administração de Pernambuco seria alternada semestralmente entre Olinda e Recife.


Exercícios

Exercício 1
(FUVEST)

A chamada Guerra dos Mascates, ocorrida em Pernambuco, em 1710, deveu-se:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...