Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
História do Brasil

Período Regencial do Brasil

Maria Clara Cavalcanti
Publicado por Maria Clara Cavalcanti
Última atualização: 29/8/2018

Introdução

Depois do fim do Primeiro Reinado, com a abdicação de Dom Pedro I ao trono, em 1831, inaugurou-se o chamado Período Regencial, marcado por uma forte instabilidade política e revoltas que quase levaram a fragmentação do país.

Ao abdicar, Dom Pedro I deixou seu filho, Dom Pedro II, como seu sucessor. Como Dom Pedro II possuía apenas 5 anos, o país foi governado por regência, ou seja, por representantes do rei. O Período Regencial só chegou ao fim em 1840, com o chamado Golpe da Maioridade.

O Período Regencial foi marcado por ser o primeiro momento na História em que o país foi governado por brasileiros e não por portugueses.

Contexto Histórico - As formas políticas no período

Desenhou-se, nesse período, um cenário de fortes disputas políticas.

Desde os tempos anteriores à Independência do Brasil e ainda durante o reinado de Dom Pedro I, existiam dois fortes grupos políticos: o Partido Brasileiro e o Partido Português.

Com a abdicação à coroa de Dom Pedro I, o Partido Brasileiro se dividiu em Exaltados e Moderados.

Os chamados Exaltados eram federalistas, ou seja, defendiam a maior autonomia para as províncias.

Enquanto isso, os Moderados eram centralistas e defendiam o controle absoluto do governo.

Havia, ainda, um terceiro grupo, os Restauradores. Era uma espécie de herdeiros do Partido Português que queriam que Dom Pedro I voltasse para o Brasil (o partido Restaurador chega ao fim quando Dom Pedro I morre em Portugal, fazendo com que seus participantes se juntassem aos Moderadores).

Foi mediante a essas forças políticas polarizadas que os acontecimentos do Período Regencial se desenrolaram.

Acontecimentos no Período Regencial

A Constituição de 1824 determinava que, na ausência do imperador - nesse caso, por conta da menoridade de Dom Pedro II - o Brasil deveria ser governado por três regentes.

Sendo assim, entre 1831 e 1834, foi o período das Regências Trinas, formadas por três pessoas.

Nos primeiros meses do ano de 1831, foi instaurada uma Regência Trina Provisória e se restaurou o Ministério dos Brasileiros.

Ainda em 1831, aconteceu a eleição para a Regência Trina Permanente. Nenhum regente eleito, entretanto, obteve o mesmo destaque que o Ministro da Justiça Padre Diogo Antônio Feijó.

retrato do Ministro da Justiça Padre Diogo Antônio FeijóRetrato de Diogo Antônio Feijó

Foi ele o responsável pela formação da Guarda Nacional, ao convocar vários fazendeiros para que estes montassem tropas militares para atuar na defesa do país. Além disso, foi ele quem permitiu a compra dos títulos de coronéis pelos fazendeiros, fato importante para a constituição do coronelismo no Brasil.

Em 1834, foi realizada uma emenda na Constituição, ou seja, uma lei vigente foi alterada.

Neste caso, a lei modificada foi justamente a que determinava as regras para o Governo na ausência do imperador. As modificações significaram o Avanço Liberal, promovido pelos federalistas, e o estabelecimento do chamado Ato Adicional de 1834, que:

  • transformou a regência composta por três pessoas em regência una, ou seja, composta apenas por uma pessoa;
  • determinou a eleição direta dos representantes, realizada de 4 em 4 anos;
  • estabeleceu que cada província do Brasil poderia ter sua própria Assembléia para a criação de leis.

Na primeira eleição direta para governante, foi o Ministro da Justiça, Padre Feijó, o representante eleito.

Durante o governo do Padre Feijó, eclodiram vários movimentos e conflitos, chamados de Revoltas Regenciais. Algumas delas de caráter separatista, como o caso da Cabanagem, Sabinada e Farroupilha; outras, movimentos populares que exigiam melhores condições de vida, como o caso da Balaiada; e a abolição da escravidão, como a Revolta dos Malês.

Com exceção da Farroupilha, que conquistou seu objetivo e garantiu 10 anos de emancipação política para o Rio Grande do Sul, as Revoltas Regenciais foram fortemente reprimidas pelo poder militar Imperial.

Os Regressistas utilizaram as Revoltas Regenciais, principalmente as separatistas, como argumento para defender que o Ato Adicional dava margens para a fragmentação territorial do país. Essa crise política, movimentada pelas revoltas e pela pressão dos Regressistas, acabou levando à renúncia do Padre Feijó em 1837.

Com a renúncia do governante, o poder foi assumido por uma liderança Regressista, Pedro de Araújo Lima, que à frente do Governo Único, criou a Lei Interpretativa do Ato Adicional, uma nova emenda na Constituição.

Essa emenda é chamada de Regresso Conservador, uma vez que - apesar de manter a regência única, a eleição direta e as assembléias provinciais - determinou que todas as decisões tomadas nas províncias passariam a valer somente após a ratificação do Governo Central, o que significou a redução de suas autonomias.

Uma vez que o Governo estava, naquele momento, nas mãos dos Regressistas, a oposição começou a desenvolver argumentos para a retomada de seu poder.

Os Progressistas passaram a defender que os males do país estavam ligados à falta da figura do imperador. Sendo assim, se inicia a chamada Campanha da Maioridade, na intenção de antecipar a coroação de Dom Pedro II.

A Campanha da Maioridade acabou por ganhar o apoio das elites, de algumas lideranças provinciais e da população, culminando no Golpe da Maioridade, a coroação de Dom Pedro II como imperador com 14 anos, em 1840.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM/2010)

Após a abdicação de D. Pedro I, o Brasil atravessou um período marcado por inúmeras crises: as diversas forças políticas lutavam pelo poder e as reivindicações populares eram por melhores condições de vida e pelo direito de participação na vida política do país. Os conflitos representavam também o protesto contra a centralização do governo. Nesse período, ocorreu também a expansão da cultura cafeeira e o surgimento do poderoso grupo dos "barões do café", para o qual era fundamental a manutenção da escravidão e do tráfico negreiro.

O contexto do Período Regencial foi marcado:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

HISTÓRIA DO BRASIL
Dom Pedro I
Dom Pedro I
HISTÓRIA DO BRASIL
Primeiro Reinado do Brasil
Primeiro Reinado do Brasil
HISTÓRIA DO BRASIL
Segundo Reinado do Brasil
Segundo Reinado do Brasil