Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Literatura

Gonçalves Dias

Laisa Ribeiro
Publicado por Laisa Ribeiro
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

Sua terra tem palmeiras onde canta o Sabiá? Se for o Brasil, segundo Gonçalves Dias, tem sim!

Esses versos tão famosos até hoje são do poema “Canção de exílio” do autor, onde ele demonstra toda sua saudade pelas terras brasileiras enquanto morava na Europa.

Contexto histórico

Esse sentimento tão nacionalista, típico da primeira fase do Romantismo, foi muito desenvolvido na obra poética do escritor, principalmente pelo fato de que o Brasil acabara de proclamar sua independência.

O país precisava se desvencilhar da figura de Portugal e construir a sua própria identidade. Logo, foi necessário encontrar símbolos da identidade nacional.

Nesse processo, surge a literatura indianista ou nativista, da qual Gonçalves Dias foi adepto, que exalta a figura do indígena e enaltece a natureza exuberante do Brasil.

O anseio do povo era tão grande por uma identificação brasileira, que os primeiros poemas publicados do autor, em “Primeiros cantos”, foram decorados e eram cantados por diversas localidades, como se fossem músicas populares.

Características literárias

Uma das características dessa poética era a caracterização da natureza. Ela é o cenário dos acontecimentos. Como é típico do Romantismo, as imagens da natureza mostram como os personagens se sentem por dentro.

Apesar do Romantismo sugerir uma poesia com liberdade formal, a poesia indianista tinha rigor métrico e rimas.

Os temas mais usados na poesia de Dias são a natureza, a religião e a pátria.

É notável o fato de que algumas poesias usavam uma técnica incrível para aproximar os leitores dos costumes indígenas.

O autor trabalhava nos versos para que seu ritmo fosse parecido com o ritmo dos tambores usados pelos indígenas em suas cerimônias. Isso acontece no poema épico I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias.

I-Juca Pirama

Em fundos vasos d’alvacenta argila 

Ferve o cauim; 

Enchem-se as copas, o prazer começa, 

Reina o festim.

O prisioneiro, cuja morte anseiam, 

Sentado está, 

O prisioneiro, que outro sol no ocaso 

Jamais verá!

A dura corda, que lhe enlaça o colo, 

Mostra-lhe o fim 

Da vida escura, que será mais breve 

Do que o festim!

Contudo os olhos d’ignóbil pranto 

Secos estão; 

Mudos os lábios não descerram queixas 

Do coração.

Esse poema conta a história do último índio tupi que foi feito prisioneiro pela tribo dos timbiras. Seu destino já é conhecido: ele sabe que será morto e sua carne será devorada pelos timbiras em um ritual antropofágico.

Há a lenda de que tribos indígenas comiam a carne de seus inimigos acreditando que, ao comer, tomariam para si as qualidades do guerreiro morto, como a força, por exemplo.

Meu canto de morte, 

Guerreiros, ouvi: 

Sou filho das selvas, 

Nas selvas cresci; 

Guerreiros, descendo 

Da tribo tupi.

Da tribo pujante, 

Que agora anda errante 

Por fado inconstante, 

Guerreiros, nasci; 

Sou bravo, sou forte, 

Sou filho do Norte; 

Meu canto de morte, 

Guerreiros, ouvi.

Contudo, vendo-se próximo da morte e pensando no pai cego que ficaria sozinho na selva, o guerreiro tupi pede por clemência.

Os timbiras veem esse ato como uma fraqueza e desistem de matá-lo. Eles não querem comer a carne de um guerreiro covarde e adquirir sua fraqueza.

Ao encontrar-se novamente com o pai, ele se envergonha do fato de que o filho pediu por clemência e demonstrou fraqueza. O resultado: ele o renega e o amaldiçoa.

Tu choraste em presença da morte? 

Na presença de estranhos choraste? 

Não descende o cobarde do forte; 

Pois choraste, meu filho não és! 

Possas tu, descendente maldito 

De uma tribo de nobres guerreiros, 

Implorando cruéis forasteiros, 

Seres presa de via Aimorés.

O guerreiro tupi retorna para a tribo dos timbiras pronto para se entregar para a morte. Nesse momento, entendemos o que significa o título do poema. I-Juca Pirama é uma frase em tupi que, em português, significa “o que é digno de morrer”.

Os timbiras ao vê-lo, percebem que apenas um homem muito corajoso voltaria para aquela situação. O chefe da tribo percebe que ele é corajoso demais para morrer e o liberta novamente.

Nesse poema indianista, vemos que o povo indígena era visto como um povo cheio de virtudes, como força, valentia e honra.

Poesia lírica

Na poesia lírica, Gonçalves Dias também é essencialmente romântico. Ele fala sobre a beleza da mulher amada, a natureza, o sofrimento, a solidão e a morte. Seus versos transbordam sentimentos.

Se se morre de amor

Se se morre de amor! – Não, não se morre,

Quando é fascinação que nos surpreende

De ruidoso sarau entre os festejos;

Quando luzes, calor, orquestra e flores

Assomos de prazer nos raiam n’alma,

Que embelezada e solta em tal ambiente

No que ouve e no que vê prazer alcança!

Ele também continua idealizando a natureza em seus versos líricos. Aqui, a natureza se torna um lugar acolhedor para o amante que sofre de amor.

Leito de folhas verdes

Por que tardas, Jatir, que tanto a custo 

À voz do meu amor moves teus passos? 

Da noite a viração, movendo as folhas, 

Já nos cimos do bosque rumoreja.

Eu sob a copa da mangueira altiva

Nosso leito gentil cobri zelosa

Com mimoso tapiz de folhas brandas,

Onde o frouxo luar brinca entre flores.

Aqui, no começo, o leito de folhas verdes é um símbolo de esperança de que a amada chegará. Quando ele sofre uma desilusão, o leito se torna um símbolo tristeza. A natureza se transfigura para corresponder às emoções do eu lírico.

Importância atual

A influência de Gonçalves Dias é enorme até os dias de hoje. Com ele, a imagem do indígena como símbolo nacional foi consolidada. Sua poesia lírica começou a construir a visão romântica que temos em nossa cultura até os dias de hoje. 

Além disso, “Canção de exílio” continua sendo o poema mais parodiado e reconhecido. É olhar nacionalista que continua a reverberar não importa quantos anos passem.

Uma boa dica para continuar nesse mundo é assistir ao filme nacional Amélia, de 2000, disponível no YouTube, que conta a história de uma artista francesa que vem ao Brasil naquele período. 

O choque de culturas gera muitas situações engraçadas e há a presença da poesia de Gonçalves Dias no filme.


Exercícios

Exercício 1
(UEL)

Gonçalves Dias se destaca no panorama da primeira fase romântica pelas suas qualidades superiores de artista. Nele:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

LITERATURA
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
LITERATURA
Cecília Meireles
Cecília Meireles
LITERATURA
Condoreirismo
Condoreirismo
LITERATURA
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
LITERATURA
Gregório de Matos
Gregório de Matos
LITERATURA
José de Alencar
José de Alencar
LITERATURA
Machado de Assis
Machado de Assis
LITERATURA
Manuel Bandeira
Manuel Bandeira
LITERATURA
Oswald de Andrade
Oswald de Andrade
LITERATURA
Romantismo
Romantismo
LITERATURA
Ultrarromantismo
Ultrarromantismo