logo
Lista de faculdades Lista de cursos Lista de profissões Revista Quero Central de ajuda

banner image banner image
Curiosidades

9 de julho: entenda por que a data é feriado

O dia 9 de julho marcou o início da Revolução Constitucionalista de 1932, um movimento organizado pelo Partido Republicano Paulista (PRP), apoiado pelo Partido Democrático (PD) contra o presidente Getúlio Vargas. 

"Os dois partidos, no caso, formaram juntos a Frente Única Paulista (FUP)", explica o professor de História Marcus Vinícius de Moraes, do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante de Campinas (SP).

Leia: 12 fatos históricos que fazem aniversário redondo em 2022
+ Encontre bolsas de estudo de até 80%

Descubra a seguir por que 9 de julho é feriado. Saiba também o que foi esse movimento, quais resultados ele teve e como o tema pode cair no Enem e em outros vestibulares! 

Reprodução/Wikimedia Commons
feriado 9 de julho

Leia mais: 7 HQs para estudar fatos históricos
7 revoltas da história do Brasil que podem cair no Enem

O que é o feriado de 9 de julho?

O dia 9 de julho tornou-se feriado no Estado de São Paulo em 1997. A concretização da data aconteceu quando o Projeto de Lei nº 710/1995, do deputado estadual Guilherme Gianetti, foi aprovado pela Assembleia Legislativa. Com a sanção do então governador Mário Covas, o dia 9 de julho foi oficializado como feriado por meio da Lei Estadual nº 9.497.

A Revolução Constitucionalista de 1932 foi um movimento armado contra o então presidente, Getúlio Vargas, que estava no poder desde 1930. As manifestações ocorreram entre os meses de julho e outubro, sendo que o dia 2 de outubro marcou a derrota dos revolucionários, de acordo com o Governo do Estado de São Paulo.

O feriado de 9 de julho é nacional?

Não! O feriado do dia 9 de julho só é válido para as cidades do Estado de São Paulo. Vale lembrar também que, por lei, a data é considerada feriado e não ponto facultativo.

O professor de história Marcus explica que o feriado é somente paulista por “resgatar um certo orgulho paulista e trabalhar com uma memória bem específica a respeito desses eventos.”

Qual foi o motivo da Revolução Constitucionalista de 1932?

A população do Estado esperava que Francisco Morato, líder do Partido Democrático (PD), fosse indicado como interventor militar de São Paulo. Porém, Getúlio Vargas colocou nesse cargo João Alberto, um militar e nordestino, o que desagradou grande parte dos paulistas. 

Segundo o professor de história, essa insatisfação foi um dos motivos que provocaram o movimento, juntamente com outros pontos: “Havia um ressentimento do Partido Republicano Paulista (PRP), a medida em que Vargas, em 1930, havia derrubado dois de seus membros da presidência da República: Washington Luís, deposto, e Júlio Prestes, impedido de tomar posse”.

Além disso, os revolucionários que lutavam contra o governo de Getúlio Vargas tinham as seguintes razões:

  • Reivindicação de novas eleições;

  • Reivindicação pela promulgação de uma nova constituição;

  • Insatisfação com o autoritarismo de Vargas;

Todos esses fatores vieram à tona quando quatro estudantes foram mortos numa manifestação contra o governo de Vargas, em 23 de maio de 1932. Esse acontecimento teve um grande impacto, tanto que as iniciais dos sobrenomes dos estudantes viraram um símbolo da revolução: M.M.D.C (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo).

Além disso, a comoção gerada pelo fato foi utilizada para atrair apoiadores para a causa. E a ideia realmente funcionou: a prova disso foi que a população doou ouro e dinheiro para bancar o armamento das tropas.

Reprodução/Wikimedia Commons
feriado 9 de julho

Veja também: 7 revoltas da história do Brasil que podem cair no Enem
Dicas de História e Geografia

O que significou a Revolução de 1932?

O episódio pode ser visto de várias formas, dependendo de quem está o analisando. O professor de história explica que, na década de 1930, o evento significou uma vitória política sobre Getúlio, pois o movimento acabou conseguindo o que queria: a elaboração de uma nova Constituição para o Brasil. 

"Já para os getulistas, a revolução representou uma vitória militar das forças do Estado federal sobre São Paulo e uma demonstração de que Getúlio não era um ditador, como diziam os paulistas, na medida em que fez a Constituição, manteve as leis trabalhistas e estendeu o voto para as mulheres, em diálogo com o movimento feminista e sufragista brasileiro”, afirma o professor Marcus Vinícius.

Quais foram os resultados da Revolução de 1932?

A Revolução Constitucionalista de 1932 deixou impactos na história do Brasil. Confira algumas consequências do movimento:

  • Em 1934, uma nova Constituição foi promulgada;

  • Partidos políticos voltaram a atuar;

  • Congresso foi reaberto.

Reprodução/Wikimedia Commons
feriado 9 de julho

O professor de história Marcus ressalta ainda outros resultados do movimento: “A criação de um sentimento de superioridade paulista em relação ao resto do Brasil; a valorização de uma narrativa racial, que via o paulista como civilizado, urbano, trabalhador e corajoso; e a ênfase contra a presença dos nordestinos, vistos e narrados como a barbárie”.

Além disso, a Revolução Constitucionalista de 1932 teve como saldo muitas mortes: mais de 800 soldados do lado paulista e cerca de 400 aliados do governo perderam a vida, segundo o portal do Estado de São Paulo.

Qual o legado da Revolução Constitucionalista de 1932?

Pela capital do Estado de São Paulo encontram-se diversas homenagens a esse momento histórico. O "Obelisco do Ibirapuera" é um exemplo, assim como as avenidas “9 de julho” e “23 de maio” e as ruas “MMDC” e “Pedro de Toledo”.

Rovena Rosa/Agência Brasil
feriado 9 de julho
Obelisco do Ibirapuera é um símbolo da Revolução Constitucionalista de 1932

Revolução Constitucionalista de 1932: como cai no Enem?

Por ser um momento histórico importante para o Brasil, a Revolução Constitucionalista de 1932 pode cair no Enem.

Segundo o professor de história Marcus Vinícius, os vestibulandos devem prestar atenção nas questões que motivaram o movimento: “Sobretudo, ao uso que a Frente Única Paulista (FUP) fez do mito do bandeirante, símbolo do movimento".

Cartazes e propagandas utilizados durante o episódio também costumam ser cobrados. Confira a questão a seguir, que caiu no Enem 2012:

revolução constitucionalista de 1932
A resposta da questão é a alternativa D

Há, ainda, outro ponto que pode ser abordado nos vestibulares: o das teorias raciais. O professor detalha: “De acordo com o discurso do movimento, os paulistas seriam herdeiros dos bandeirantes e dos imigrantes europeus e, por isso, seriam corajosos e trabalhadores. Essa narrativa também cria um outro lado, invertido: os nordestinos, descendentes de indígenas e africanos seriam, então, narrados como indolentes e selvagens”.

Saiba mais: 10 alusões históricas coringas para usar na redação do Enem
7 podcasts brasileiros para estudar História

Como estudar para o Enem?

O Enem cobra conteúdos vistos ao longo de todo o ensino médio. Pensando em organizar todos os temas que caem na prova, a Quero Bolsa montou o Plano de Estudo Enem de Boa. Trata-se de um cronograma com indicações diárias do que estudar.

Baixar Plano Enem de Boa

O material é totalmente gratuito e tem como objetivo ajudar os estudantes a terem uma rotina de estudo organizada e prática.

banner image banner image

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2022 CNPJ: 10.542.212/0001-54