Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
História do Brasil

Era Vargas

Maria Clara Cavalcanti
Publicado por Maria Clara Cavalcanti
Última atualização: 1/10/2018

Introdução

A Era Vargas foi o período entre os anos de 1930 e 1945, onde Getúlio Vargas permaneceu ininterruptamente no poder como presidente da República do Brasil. Foi marcada por intensas transformações no âmbito político, econômico, social e cultural.

Nesse momento do século XX, houve o fortalecimento das indústrias, a criação das leis trabalhistas, o investimento na construção de uma identidade nacional mestiça, entre outras mudanças fundamentais na história do Brasil.

Antecedentes

A década de 1920, ainda na Primeira República, foi marcada por uma forte crise política. As insatisfações com as políticas ruralistas por parte das elites urbanas industriais e do exército e o tenso cenário político e econômico delineado na década de 1920 foram fatores que contribuíram na Revolução de 1930.

Esta revolução que teve início no dia 3 de outubro de 1930, levou Getúlio Vargas ao poder e deu início à chamada Era Vargas. O movimento foi liderado por representantes dos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba, que tinham por objetivo pôr fim à República Oligárquica no Brasil.

Tropas do exército e da marinha de diversas regiões do país se direcionaram para o Rio de Janeiro, onde foi formada uma junta militar que depôs Washington Luís, impediu a posse de Júlio Prestes e transferiu o poder para Getúlio Vargas.

Getúlio Vargas chega ao poder

Governo Provisório

Entre 1930 e 1934, Getúlio Vargas foi presidente do Brasil no chamado Governo Provisório. Foi nesse período que Vargas criou o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, responsável pelas políticas trabalhistas do período.

Já a partir do governo provisório foram intensos os investimentos da produção industrial e na centralização e fortalecimento do governo a partir da figura de Getúlio Vargas.

Vários conflitos internos marcaram os primeiros anos de Vargas no poder. Em 1932, a população paulista promove a Revolução Constitucionalista, que pedia o fim do governo provisório e a convocação de uma Assembléia Constituinte. Em três meses a Revolução foi abafada, mas a Assembléia foi convocada no ano seguinte. Nela, Getúlio Vargas foi eleito por mais quatro anos.

Governo Constitucional

O Governo Constitucional de Vargas foi marcado pela criação de um Código Eleitoral que previa a participação eleitoral feminina, direito conquistado após anos da luta feminista sufragista.

Em 1935, Getúlio Vargas enfrentou a oposição dos comunistas, liderados por Luís Carlos Prestes. Posteriormente, inspirados no fascismo italiano, foi a vez dos integralistas tentarem depor Getúlio Vargas.

Em 1937, o governo Vargas divulgou um suposto plano comunista para a tomada do poder. O Plano Cohen serviu como argumento para a implantação da ditadura varguista, marcando o princípio do Estado Novo.

Estado Novo

O Estado Novo foi marcado por políticas corporativistas, desenvolvimentistas e nacionalistas. Somente o poder judiciário ligado ao presidente resistiu e partidos políticos e o parlamento foram fechados.

Foi durante o Estado Novo que Vargas consolidou as Leis Trabalhistas ao mesmo tempo em que proibiu a pluralidade de sindicatos, limitando a existência de apenas uma força sindical, atrelada ao governo varguista.

Getúlio Vargas foi o presidente que concedeu os principais direitos trabalhistas, como o salário mínimo, a carteira de trabalho, férias remuneradas, descanso semanal e a estabilidade após 10 anos de serviço.

As políticas trabalhistas de Vargas, associadas a um intenso investimento na construção da figura do político como “pai dos pobres”, garantiu uma legião de apoiadores populares para seu governo.

Nesse período, Vargas criou uma nova moeda e estabeleceu novas fronteiras territoriais internas entre os Estados do país.

Durante seu período de existência, o governo Vargas criou e ocupou inúmeras instâncias públicas a fim de fortalecer o regime. O símbolo desse fortalecimento era a Constituição do Brasil a partir de uma identidade nacional baseada na valorização do país, ou seja, da criação de um “espírito nacional” e de uma “história do povo”.

Getúlio Vargas assumiu o poder durante um momento de crise do Estado no Brasil. Afirmando que a consolidação do Estado foi um requisito para o crescimento econômico, o regime expandiu rapidamente os poderes do governo central e reprimiu os desafios apresentado por líderes locais e estaduais.

Além disso, foi nesse momento que foi criado o Departamento de Imprensa e Propaganda, que se consolidou como importante órgão que debatia os elementos constituidores da identidade nacional e grande investidor na figura de Vargas como um líder popular e capaz.

Para isso, investiram na construção da imagem da “República Velha” como um passado repleto de políticas a serem deixadas para trás, e no “Estado Novo” como símbolo do moderno e do progresso.

Em 1939, com a Segunda Guerra Mundial e o ataque alemão a navios brasileiros, Getúlio Vargas se aliou aos Estados Unidos e enviou 25 mil soldados brasileiros para o conflito. Em troca do apoio, os Estados Unidos ensinaram as técnicas de produção de aço aos brasileiros. Por isso, durante o governo Vargas, foi criada a Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda.

Foi também com Vargas ao poder que foram construídas a mineradora Vale do Rio Doce e a hidrelétrica do Rio São Francisco.

Após o fim da guerra, intelectuais, militares, estudantes e grupos políticos começaram a pressionar para que Getúlio Vargas deixasse o poder e novas eleições fossem feitas. É nesse momento que surgiu o movimento Queremista, de cunho popular, que defendia a transição democrática com Getúlio Vargas no poder. A possibilidade entretanto, não se sustentou.

Em 1945, ministros militares tomaram o poder e convocaram as eleições, pondo fim a chamada Era Vargas.

O fim da Era Vargas e o suicídio de Getúlio

Apesar de eleito em dois estados nas eleições de 1946, Vargas não assumiu os cargos. Em 1950, Getúlio foi reeleito Presidente da República com a grande maioria dos votos.

Em 1951, a proposta enviada por Getúlio Vargas ao Congresso, sobre a exploração de petróleo por uma empresa estatal, gerou divergências de opiniões. Depois de dois anos de debates, Vargas assinou a criação da Petrobrás.

Nesse período, a oposição a Getúlio Vargas - destacando-se a União Democrática Nacional (UDN) - se fortaleceu, principalmente após ao atentado contra o jornalista Carlos Lacerda. Lacerda ficou apenas ferido, mas o major da aeronáutica Rubens Vaz acabou morto.

O crime nunca desvendado gerou diversas mobilizações contra Getúlio. As investigações da aeronáutica apontaram que o chefe da guarda pessoal de Getúlio seria o mandante do crime.

Sendo assim, os ânimos se inflamaram e a oposição passou a pressionar cada vez mais veemente Getúlio Vargas. Na manhã de 24 de agosto de 1954, Vargas se suicidou com um tiro.

A morte do presidente gerou uma intensa mobilização popular e grupos políticos e jornais opositores foram atacados. O vice-presidente assumiu o poder e se evitou assim o golpe que a oposição preparava para Getúlio. Getúlio Vargas deixou uma carta-testemunha na ocasião de seu suicídio.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM-2017)

Nos primeiros anos do governo Vargas, as organizações operárias sob controle das correntes de esquerda tentaram se opor ao seu enquadramento pelo Estado. Mas a tentativa fracassou. Além do governo, a própria base dessas organizações pressionou pela legalização. Vários benefícios, como as férias e a possibilidade de postular direitos perante as Juntas de Conciliação e Julgamento, dependiam da condição de ser membro de sindicato reconhecido pelo governo.” FAUSTO, B. História concisa do Brasil. São Paulo: Edusp; Imprensa Oficial do Estado, 2002 (adaptado).

No contexto histórico retratado pelo texto, a relação entre governo e movimento sindical foi caracterizada

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...