Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Ensino Básico

Ensinando educação financeira para crianças em 10 passos

por Thales Valeriani em 05/03/21

Menino depositando moeda no porquinho. Essa é uma ótima maneira de ensinar a educação financeira para crianças.


A educação financeira é um dos principais aprendizados que a criança aplicará em sua vida adulta. Não se trata de apenas conseguir gastar menos do que se ganha, educação financeira envolve também a capacidade de se planejar e de executar tais planos. E não se engane: desde cedo devemos ensinar à criança a gerir o próprio dinheiro.

Claro, algumas regras mudam de acordo com a idade. A mesada, por exemplo, deve ser dada para crianças que tenham 7 anos ou mais; até então, é melhor dar alguma quantia de dinheiro de vez em quando, sem determinar uma periodicidade certa para receber.

+ Disciplina Positiva: educando através da gentileza
+ Saiba como identificar as habilidades do seu filho

Conheça 10 passos para ensinar educação financeira para a criança

  1. Dê um cofrinho
    Dê um cofrinho para que a criança tenha onde guardar dinheiro. Essa é uma dica que vale também para crianças bem pequenas, quando elas gostam de juntar moedas sem se dar conta do valor de cada uma.

    Explique que é importante poupar dinheiro e, juntos, decidam uma data para abrir o cofrinho e dar um bom uso para o dinheiro acumulado.
  2. Faça pagamento e ensine gestão do dinheiro
    Mesada, semanada ou quinzenada, o nome e a frequência variam de acordo com a idade da criança. O recomendado é que crianças mais novas não recebam todo o dinheiro de uma vez, pois são mais impulsivas e não têm noção de tempo.

    O importante é a criança entender que o dinheiro deve durar, pelo menos, até determinada data, que é quando ela receberá outra quantia novamente.
  3. Estabeleça metas de curto e médio prazo
    O dinheiro já está na mão e tem lugar para ficar guardado, agora é preciso decidir o que será feito com ele. Ensine a criança a necessidade de poupar uma quantia de todo pagamento que ela receber para atingir algum objetivo importante.

    Primeiro, pergunte o que ela gostaria de fazer com o dinheiro. Depois, ensine que é preciso anotar o montante que será necessário e a calcular em quanto tempo ele será juntado. Por exemplo, se a criança ganha R $10 por semana e quer um brinquedo que custa R $50, ela precisará poupar todo o dinheiro durante 5 semanas ou uma quantidade menor durante mais tempo. 

  4. Anote os gastos
    Na educação financeira para as crianças, tão importante quanto ganhar dinheiro é saber como gastá-lo. Então, ensine a criança a registrar todos os gastos que ela tiver, principalmente os não estavam previstos, já que são esses gastos são os que mais comprometem o planejamento financeiro. Mostre que existem várias ferramentas para esse tipo de anotação: planilhas em papel, aplicativos no celular, programas de computador, entre outros.

  5. Ensine a doar
    A doação, neste caso, funciona como um aprendizado para não acumular objetos, roupas e brinquedos, que podem ter um uso melhor do que ficar no fundo do armário. Esse hábito evita que a criança se torne um adulto egoísta e consumista, que junta sem necessidade e não sabe dividir. Mostre à criança quem irá se beneficiar da doação feita por ela e diga que essa ação terá valor e impacto positivo na vida de outra pessoa.
  6. Evite desperdício
    Mostre que desperdiçar é perder dinheiro, além de ser uma prática com alto custo ambiental e mesmo social. Por isso, ensine a criança a dizer “não” ao desperdício de energia, água e comida. A criança deve aprender a cuidar e a zelar de tudo o que tem, seja dinheiro ou não.
  7. Incentive o empreendedorismo
    Algumas crianças adoram vender objetos, brinquedos, revistinhas e tudo o que puderem para os amigos e colegas de classe! Se o seu filho tiver este espírito empreendedor, estimule-o! Mais importante do que a quantia de dinheiro adquirida, é o aprendizado e a postura de fazer algo para mudar determinada situação. 
  8. Forneça leitura sobre o tema
    Nas crianças, a educação financeira deve ser ensinada principalmente por meio de ações, com a criação de novos hábitos. Porém, algumas leituras também são importantes, afinal, trata-se de um conhecimento, que pode ser aprimorado tanto com a prática como por meio da teoria. Procure livros que sejam recomendados para a faixa etária do adolescente ou mesmo da criança.
  9. Fale sobre dinheiros e investimentos
    Quando a criança for mais velha e já tiver maturidade para entender um pouco sobre dinheiro e investimento, converse sobre isso com ela. Afinal, é importante ela ter algum exemplo em casa ou na família e alguém com quem ela se sinta segura para tirar dúvidas.

    Comece explicando os tipos de investimentos mais simples, como poupança ou mesmo aplicação em imóveis. O importante é que ela tenha interesse em cuidar do próprio dinheiro.
  10. Pague por algumas tarefas
    Por fim, mas não menos importante, está o passo 10: pague por algumas tarefas. Assim você ensinará que trabalhar dá resultados. Só tenha cuidado para não condicionar todas as tarefas e obrigações a algum ganho financeiro.

Arrumar a própria cama e não ficar de recuperação na escola, por exemplo, são obrigações e a criança não deve ser recompensada financeiramente por isso. Agora, se for para ajudar com alguma tarefa pontual ou algo em específico, por que não recompensar com algum dinheiro? 

Educação financeira para crianças é um assunto sério, mas pode e deve ser ensinado de modo lúdico. E como qualquer aprendizado, requer tempo, afinal, os hábitos não são formados de um dia para o outro. Converse com a criança, explique a ela a importância de saber gerir o próprio dinheiro e lembre-se: eduque pelo exemplo!

Leia também:
+ Como funcionam as bolsas de estudo nas escolas particulares?
+ Educação 4.0: o que é, como funciona e os principais desafios



banner image banner image

O que você achou deste artigo?

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2021 CNPJ: 10.542.212/0001-54