Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Biologia

Origem da Vida

William Mira
Publicado por William Mira
Última atualização: 10/9/2018

Introdução

O Planeta Terra surgiu há, aproximadamente, 4,5 bilhões de anos e, até o momento, a teoria mais aceita para o surgimento do planeta é a Teoria do Big Bang. Segundo essa teoria, uma grande explosão gerou uma massa incandescente que, após inúmeras tempestades, foi se resfriando e formando a crosta terrestre.

A água das tempestades se acumulava em depressões, formando os oceanos. E, além das tempestades, intensas atividades vulcânicas e chuvas de meteoritos liberaram gases na atmosfera.

Essa teoria, embora aceita para explicar a origem do planeta, não é o bastante para explicar a origem da vida na Terra.

Estudos que tentam explicar essa origem necessitam de um campo interdisciplinar que envolva, além da Biologia, conceitos químicos, físicos e até geológicos. Ao longo da História, diferentes pesquisadores propuseram hipóteses para o assunto.

📚 Você vai prestar o Enem 2020? Estude de graça com o Plano de Estudo Enem De Boa 📚

Abiogênese

Os primeiros estudos a respeito da origem da vida surgiram na Era Clássica, com Aristóteles. Ao examinar larvas que surgiam em alimentos expostos ao ar livre, ou girinos e pequenos animais de vida aquática que surgiam em águas paradas, propôs que a vida surgia espontaneamente a partir da matéria presente no ambiente.

Todos os indivíduos, dessa forma, eram dotados de um “princípio vital” - ou “princípio ativo” - presente no ambiente e essencial para a sua formação. Essa teoria é conhecida como "Geração Espontânea", ou abiogênese.

A hipótese da abiogênese foi refutada por diversos pesquisadores, principalmente por Redi e Pasteur, que realizaram diversos experimentos que comprovaram que a vida não surge espontaneamente.

Um dos experimentos consistia em colocar um pedaço de carne em um vidro vedado e outro pedaço de carne em um vidro aberto. Ficou comprovado que apenas no vidro aberto surgiram as larvas. Posteriormente, observou-se que moscas pousavam sobre a carne no vidro aberto e depositavam seus ovos, de onde surgiam as larvas.

Dessa forma, além de se comprovar que a vida não surge espontaneamente, notou-se que ela sempre descende de uma vida anterior.

Essa nova hipótese, conhecida como Biogênese, foi mais aceita. É, inclusive, aceita até nos dias de hoje e auxilia a compreender alguns fatores e conceitos evolutivos. Porém, essa teoria ainda não explica como surgiu a primeira vida no planeta.

🎓 Você ainda não sabe qual curso fazer? Tire suas dúvidas com o Teste Vocacional Grátis do Quero Bolsa 🎓

Hipótese da Panspermia

Essa hipótese, muito defendida pelo químico Arrhenius, supõe que a vida no planeta seja procedente do espaço.

A hipótese defende que os meteoritos que se colidiram com a crosta terrestre carregavam consigo micro-organismos que colonizaram o planeta. A teoria se apoia na existência de seres procariotos, como arqueas. Este tipo de organismo vive em locais de temperatura extrema e realiza quimiossíntese, metabolizando compostos inorgânicos para sobreviver.

Outra informação que corrobora com essa teoria é a quantidade de aminoácidos encontrados em rochas provenientes de meteoros que caíram no planeta, o que comprova a existência de matéria orgânica no universo.

Hipótese de Oparin

No século XX, o bioquímico Aleksandr Oparin sugeriu outra teoria para a origem da vida. Segundo ele, a vida teria surgido dentro do próprio planeta Terra, através das condições climáticas e atmosféricas da crosta terrestre.

Há bilhões de anos, o Planeta Terra possuía:

  • altas temperaturas;
  • elevada quantidade de radiação ultravioleta;
  • intensas tempestades;
  • composição atmosférica a base de vapor de água, amônia, metano e gás hidrogênio.

A energia resultante da radiação, temperatura elevada e da incidência de raios fez com que os constituintes atmosféricos reagissem entre si, gerando os primeiros aminoácidos. Estes aminoácidos foram levados pela água da chuva, se alojaram em oceanos e lagos e, quando em contato com as rochas quentes da crosta, formaram as primeiras proteínas.

As proteínas, por sua vez, começaram a interagir, nutridas pelos compostos orgânicos presentes nos oceanos e lagos. Formaram, assim, pequenos blocos chamados de coacervados.

Em algum momento da História Primitiva, surgiu o material genético e diversas reações químicas começaram a ocorrer no interior desses blocos protéicos, sendo mediadas pelos ácidos nucléicos.

Assim teria se originado o primeiro ser vivo, um organismo completamente primitivo e que utilizava os próprios compostos orgânicos presentes no oceano para sua nutrição.

A hipótese foi confirmada com experimentos realizados por vários pesquisadores em épocas posteriores. Simulando a atmosfera e a crosta terrestre primitiva, propostas por Oparin, comprovaram a formação de aminoácidos e outros compostos orgânicos nesse meio de condições extremas. Esta é a teoria mais aceita atualmente.

Características do primeiro ser vivo

Tendo como mais aceita a Hipótese de Oparin, os estudos que se seguiram pretendiam identificar as características desse organismo primitivo.

Já era possível deduzir que se tratava de um ser unicelular e procarioto (de composição celular mais simples).

Quanto à forma de nutrição, alguns pesquisadores acreditam que o ser era autótrofo e fotossintetizante. Porém, na atmosfera proposta por Oparin, não havia gás carbônico, invalidando essa hipótese. Outros cientistas acreditavam que o primeiro organismo era heterótrofo, se nutrindo de compostos presentes no próprio meio em que os coacervados estavam (oceanos e lagos).

Outra característica discutida era a forma com que o organismo gerava energia. Pela falta de oxigênio e pela complexidade da fotossíntese, foi entendido que o organismo realizava fermentação. Essa teoria ainda contribuiu para explicar o surgimento do gás CO2 na atmosfera, já que é um subproduto dos processos fermentativos.

Mutações ocorreram nos organismos primitivos descendentes desse primeiro ser, de modo que começaram a surgir os primeiros capazes de realizar a fotossíntese e liberar gás O2 na atmosfera. Isso possibilitou que os organismos descendentes, através de novas mutações, desenvolvessem a capacidade de gerar energia pela respiração celular.

Os seres eucariotos provavelmente surgiram no planeta há cerca de 1,5 bilhões de anos. Só bem depois teriam surgido os organismos pluricelulares.

esquema com teorias da origem da vida. Abiogênese, Panspermia e Teoria de Oparinteorias da origem da vida

A hipótese da Abiogênese dizia que a vida surge espontaneamente através de um princípio ativo presente no ambiente. Posteriormente, com experimentos de Redi e Pasteur, a teoria foi derrubada. A teoria da Panspermia propõe que a vida veio de algum lugar fora do planeta, através de meteoritos que caíram na Terra primitiva. A existência de arqueas, que sobrevivem em condições extremas, somada aos aminoácidos encontrados em meteoros fortalecem essa teoria. A teoria mais aceita atualmente é a de Oparin, a qual diz que as condições extremas no planeta primitivo formaram os primeiros aminoácidos com os gases presentes na atmosfera. Esses aminoácidos formaram proteínas que, por sua vez, se aglomeraram formando coacervados. O material genético surgiria posteriormente e, com isso, o primeiro organismo, um ser primitivo, unicelular, procarioto e que realiza fermentação.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM)

Nas recentes expedições espaciais que chegaram ao solo de Marte, e através dos sinais fornecidos por diferentes sondas e formas de análise, vem sendo investigada a possibilidade da existência de água naquele planeta.

A motivação principal dessas investigações, que ocupam frequentemente o noticiário sobre Marte, deve-se ao fato de que a presença de água indicaria, naquele planeta,

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

LITERATURA
Naturalismo
Naturalismo