Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
História Geral

Período Clássico e Helenístico

Otávio Spinace
Publicado por Otávio Spinace
Última atualização: 4/9/2018

Introdução

Os períodos Clássico e Helenístico são os dois últimos períodos em que se costuma dividir a história da Grécia Antiga.

O período Clássico corresponde aos séculos V e IV a.C., e foi marcado pelo apogeu da democracia em Atenas, o desenvolvimento da filosofia e das artes, mas também por diversas guerras que contribuíram para a decadência grega.

O período Helenístico, por sua vez, se estendeu pelos séculos IV a II a.C., quando a Grécia esteve sob domínio da Macedônia, e a cultura grega entrou em contato com a cultura oriental, dando origem ao que foi chamado de helenismo.

Os outros períodos em que é dividida a história grega são Pré-Homérico (XX – XII a.C.), Homérico (XII – VIII a.C.) e Arcaico (VIII – VI a.C.).

Período Clássico

O período Clássico foi marcado, em especial, pelo apogeu da democracia em Atenas, então principal cidade-estado grega.

Embora já estivesse se desenvolvendo desde o período Arcaico, é sob o governo de Péricles, no período Clássico, que a democracia ateniense se consolida plenamente como a conhecemos.

Contudo, cabe destacar que a democracia na Grécia Antiga possuía diferenças em relação à atual. Para possuir direitos políticos, era necessário ser cidadão ateniense, e apenas homens, filhos de atenienses, livres e maiores de idade reuniam as condições necessárias para isso. Ou seja, escravos, mulheres, crianças e estrangeiros estavam excluídos das decisões políticas.

Segundo algumas estimativas, a taxa de cidadãos atingia cerca de 15% da população ateniense. Além do desenvolvimento da democracia, nesse período também houve o auge da filosofia e das artes, o que incluía a pintura, a escultura e o teatro gregos, que se tornariam referência para o mundo ocidental.

No campo político e militar, o período Clássico foi marcado por diversas guerras envolvendo os gregos. Em 499 a.C. tiveram início as Guerras Médicas, entre o Império Persa e a Grécia. O conflito recebeu esse nome porque os persas eram conhecidos pelos gregos como “medos”. As Guerras Médicas duraram até 449 a.C., consagrando os gregos como vencedores e limitando a expansão do Império Persa.

A vitória consolidou a posição de Atenas como principal cidade-estado, centro comercial e cultural da Grécia. Contudo, a hegemonia de Atenas também provocou o acirramento das disputas com as póleis rivais, como Esparta e Corinto.

Naquele momento, Atenas liderava uma confederação de cidades chamada Confederação de Delos, que havia sido formada durante as Guerras Médicas, enquanto Esparta liderava a Liga do Peloponeso.

Entre 431 e 404 a.C. as cidades-estados estiveram em conflito. Em um primeiro momento, os espartanos conseguiram a vitória e impuseram sua hegemonia sobre a Grécia, dissolvendo a Liga de Delos. Essa posição chegou a ser contestada novamente por Atenas, que conseguiu, mais uma vez, se impor como dominante por um breve período, e posteriormente foi a vez da cidade-estado de Tebas. Contudo, o cenário na Grécia com os sucessivos conflitos internos permaneceu extremamente instável, o que facilitou a ação de invasores.

Período Helenístico

Com o enfraquecimento das cidades-estados, a Grécia foi conquistada por Filipe II, rei da Macedônia, durante o século IV a.C. Os macedônios, por sua vez, eram um povo que vivia a nordeste da Grécia, e também descendiam dos indo-europeus.

O filho de Filipe II, que ficaria conhecido como Alexandre, o Grande, havia sido aluno de Aristóteles em Atenas, e compartilhava da cultura grega. Ao expandir os domínios do pai sobre extensas regiões da Ásia e do norte da África, Alexandre não apenas conquistou vastas áreas e impérios, como também difundiu a cultura grega pelo Oriente. Sua política procurava colocar os macedônios não como invasores, mas como libertadores dos territórios ocupados.

Dessa maneira, além de espalhar a cultura grega pelas áreas que conquistou, Alexandre permitia a incorporação de elementos das culturas orientais. Essa fusão entre a cultura grega e a cultura oriental, promovida pelas expedições de Alexandre, ficou conhecida como Helenismo, um período marcado pelo grande desenvolvimento cultural, filosófico, científico e artístico.

Após a morte de Alexandre, em 323 a.C., seu império não resistiu e foi dominado pelos romanos, que também incorporaram diversos elementos da cultura grega.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM/2012)

“No contexto da polis grega, as leis comuns nasciam de uma convenção entre cidadãos, definida pelo confronto de suas opiniões em um verdadeiro espaço público, a ágora, confronto esse que concedia a essas convenções a qualidade de instituições públicas. “

(MAGDALENO, F. S. A territorialidade da representação política: vínculos territoriais de compromisso dos deputados fluminenses. São Paulo: Annablume, 2010.)

No texto, está relatado um exemplo de exercício da cidadania associado ao seguinte modelo de prática democrática:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...