Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Literatura

Carlos Drummond de Andrade

Laisa Ribeiro
Publicado por Laisa Ribeiro
Última atualização: 11/9/2018

Introdução

No meio do caminho tinha uma pedra? Tinha uma pedra no meio do caminho? Como Drummond afirma em seus versos inesquecíveis, às vezes, pode até ter uma pedra no caminho, mas vamos tirá-las para você entender um pouco mais sobre esse poeta tão importante para a literatura brasileira!

Quem foi Carlos Drummond de Andrade?

Ele foi um poeta mineiro da segunda geração do Modernismo Brasileiro. Além da poesia, ele também se dedicou aos contos e às crônicas.

Drummond é visto por muitos como o maior poeta brasileiro que já existiu. Seus poemas já estão na memória coletiva do povo brasileiro. Se alguém perguntar “E agora, José?”, muitos já entendem a referência à obra de Drummond.

Estilo literário

Drummond foi o grande precursor da Poesia de 30. Seu estilo era tipicamente modernista: escrevia versos livres, sem preocupações com métrica e sem pedantismo e erudições. Sua poesia era sofisticada, mas, ao mesmo tempo, também era livre e popular.

O poeta conseguiu abranger os dois lados do conflito humano: o individual e o coletivo. Ao mesmo tempo em que ele soube falar com maestria sobre os sentimentos internos do ser humano, ele também escrevia sobre os conflitos que aconteciam ao redor do mundo. Drummond viveu em um período conturbado, vivenciando a Primeira e a Segunda Guerra Mundial.

Veja como ele soube dosar esses dois lados no poema “Sentimento do mundo”:

Tenho apenas duas mãos

e o sentimento do mundo,

mas estou cheio de escravos,

minhas lembranças escorrem

e o corpo transige

na confluência do amor.

Quando me levantar, o céu

estará morto e saqueado,

eu mesmo estarei morto,

morto meu desejo, morto

o pântano sem acordes.

Os camaradas não disseram

que havia uma guerra

e era necessário

trazer fogo e alimento.

Sinto-me disperso,

anterior a fronteiras,

humildemente vos peço

que me perdoeis.

Quando os corpos passarem,

eu ficarei sozinho

desfiando a recordação

do sineiro, da viúva e do microcopista

que habitavam a barraca

e não foram encontrados

ao amanhecer

esse amanhecer

mais noite que a noite.

Primeiras obras

Em 1928, Drummond publica em uma revista o famoso poema “No meio do caminho”.

No meio do caminho tinha uma pedra

Tinha uma
 pedra no meio do caminho

Tinha uma
 pedra

No meio
 do caminho tinha uma pedra.

Nunca me
 esquecerei desse acontecimento

Na vida
 de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me
 esquecerei que no meio do caminho

Tinha uma
 pedra

Tinha uma
 pedra no meio do caminho

No meio
 do caminho tinha uma pedra.

Em 1930, seu primeiro livro de poesia é lançado. O título é “Alguma Poesia”. Já na estreia, Drummond eterniza sua obra poética com poemas inesquecíveis.

No poema “Quadrilha”, ele mostra sua visão interessante sobre o amor não correspondido:

João amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes

que não tinha entrado na história.

Em “Poema de sete faces”, Drummond vai eternizar sua figura como gauche, como alguém que está excluído da narrativa, um outsider. Ele também eterniza a figura do anjo torto que aparece para ditar seu caminho. Esse poema foi referenciado por muitos poetas no futuro.

Quando nasci, um anjo torto

desses que vivem na sombra

disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens

que correm atrás de mulheres.

A tarde talvez fosse azul,

não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:

pernas brancas pretas amarelas.

Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.

Porém meus olhos

não perguntam nada.

O homem atrás do bigode

é sério, simples e forte.

Quase não conversa.

Tem poucos, raros amigos

o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste

se sabias que eu não era Deus

se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,

se eu me chamasse Raimundo

seria uma rima, não seria uma solução.

Mundo mundo vasto mundo,

mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer

mas essa lua

mas esse conhaque

botam a gente comovido como o diabo.

Sentimento do mundo

Em 1940, Drummond lança uma de suas obras mais notáveis: “Sentimento do mundo”. É apenas seu terceiro livro, mas o poeta já consegue demonstrar uma maior maturidade em sua obra poética.

Aqui, Drummond mostra as fragilidades humanas. Tanto as dos outros, como as de si mesmo.

Em “Confidência do Itabirano”, ele se lembra, de forma saudosista, da cidade em que nasceu: Itabira – MG. No poema, Drummond mostra, com dor, a forma como a cidade ia sendo esquecida em um Brasil dominado pelo progresso e pelas tecnologias que chegavam.

Alguns anos vivi em Itabira.

Principalmente nasci em Itabira.

Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.

Noventa por cento de ferro nas calçadas.

Oitenta por cento de ferro nas almas.

E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação.

A vontade de amar, que me paralisa o trabalho,

vem de Itabira, de suas noites brancas, sem mulheres e sem horizontes.

E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,

é doce herança itabirana.

De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereço:

esta pedra de ferro, futuro aço do Brasil,

este São Benedito do velho santeiro Alfredo Duval;

este couro de anta, estendido no sofá da sala de visitas;

este orgulho, esta cabeça baixa...

Tive ouro, tive gado, tive fazendas.

Hoje sou funcionário público.

Itabira é apenas uma fotografia na parede.

Mas como dói!

Maturidade literária

Após atingir uma fase mais experiente como poeta, Drummond lança “A rosa do povo”, entre 1943 a 1945. Dentro de um contexto histórico que envolvia a Segunda Guerra Mundial e a ditadura de Getúlio Vargas, a obra possui forte apelo social.

Drummond mostra todas as dores e sofrimentos de um povo que vivia uma guerra. Todavia, acima de toda a dor, havia a vontade de ser expressar, simbolizada pela rosa do título.

Em 1951, Drummond lança um livro mais metafísico, escrito de forma sublime: “Claro enigma”. O paradoxo é proposital e já indica o mistério que abrangerá todos os poemas da obra – como um enigma, algo tão nublado e misterioso, pode ser nítido e claro?

Veja o poema “Remissão”:

Tua memória, pasto de poesia,

tua poesia, pasto dos vulgares,

vão se engastando numa coisa fria

a que tu chamas: vida, e seus pesares.

Mas, pesares de quê? perguntaria,

se esse travo de angústia nos cantares,

se o que dorme na base da elegia

vai correndo e secando pelos ares,

e nada resta, mesmo, do que escreves

e te forçou ao exílio das palavras,

senão contentamento de escrever,

enquanto o tempo, em suas formas breves

ou longas, que sutil interpretavas,

se evapora no fundo do teu ser?

Conclusão

Ler a obra de Drummond é essencial, uma vez que sua colaboração com a lírica brasileira é aclamada por críticos e por leitores. Seus poemas ainda persistem na memória do povo brasileiro, desde a figura da pedra do caminho, como a do anjo torto. Assim como também persiste a memória de Drummond no espaço público brasileiro, uma vez que, em Cobacabana, há uma estátua do poeta.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM/2009)

Leia o seguinte poema de Carlos Drummond de Andrade:

Confidência do Itabirano 

Alguns anos vivi em Itabira. 

Principalmente nasci em Itabira. 

Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro. 

Noventa por cento de ferro nas calçadas. 

Oitenta por cento de ferro nas almas. 

E esse alheamento do que na vida é porosidade e 

[comunicação. 

A vontade de amar, que me paralisa o trabalho, 

vem de Itabira, de suas noites brancas, sem mulheres e 

[sem horizontes. 

E o hábito de sofrer, que tanto me diverte, 

é doce herança itabirana. 

De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereço: 

esta pedra de ferro, futuro aço do Brasil, 

este São Benedito do velho santeiro Alfredo Duval; 

este couro de anta, estendido no sofá da sala de visitas; 

este orgulho, esta cabeça baixa... 

Tive ouro, tive gado, tive fazendas. 

Hoje sou funcionário público. 

Itabira é apenas uma fotografia na parede. 

Mas como dói! 

(ANDRADE, C. D. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003)

Carlos Drummond de Andrade é um dos expoentes do movimento modernista brasileiro. Com seus poemas, penetrou fundo na alma do Brasil e trabalhou poeticamente as inquietudes e os dilemas humanos. Sua poesia é feita de uma relação tensa entre o universal e o particular, como se percebe claramente na construção do poema Confidência do Itabirano.

Tendo em vista os procedimentos de construção do texto literário e as concepções artísticas modernistas, conclui-se que o poema acima

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

LITERATURA
Abstracionismo
Abstracionismo
LITERATURA
Cecília Meireles
Cecília Meireles
LITERATURA
Clarice Lispector
Clarice Lispector
LITERATURA
Cubismo
Cubismo
LITERATURA
Dadaísmo
Dadaísmo
LITERATURA
Euclides da Cunha
Euclides da Cunha
LITERATURA
Expressionismo
Expressionismo
LITERATURA
Fauvismo
Fauvismo
LITERATURA
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
LITERATURA
Futurismo
Futurismo
LITERATURA
Gonçalves Dias
Gonçalves Dias
LITERATURA
Gregório de Matos
Gregório de Matos
LITERATURA
Guimarães Rosa
Guimarães Rosa
LITERATURA
José de Alencar
José de Alencar
LITERATURA
Lima Barreto
Lima Barreto
LITERATURA
Machado de Assis
Machado de Assis
LITERATURA
Manuel Bandeira
Manuel Bandeira
LITERATURA
Modernismo
Modernismo
LITERATURA
Oswald de Andrade
Oswald de Andrade