Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue

Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Literatura

Dadaísmo

Laisa Ribeiro
Publicado por Laisa Ribeiro
Última atualização: 13/9/2018

Introdução

Um mictório pode ser uma obra de arte? Pois para o dadaísmo pode ser sim! Em 1917, Marcel Duchamp apresentou “A fonte”, sua obra dadaísta que consistia em um mictório. Não faz sentido? Ainda bem! Essa era a intenção dos dadaístas!

O que foi o dadaísmo?

Em 1916, em plena guerra, surge a vanguarda europeia mais radical e menos compressível de todas: o dadaísmo, ou simplesmente Dadá, para os íntimos.

Seu lema consistia na crença de que a destruição também é uma forma de criação. Ou seja, a destruição do passado, do tradicionalismo, da razão e da lógica levaria à criação da arte.

Romeno Tristam Tzara surge como líder do movimento e deixa nítido que não apoiava nenhum tipo de manifesto ou princípios.

Características marcantes

O Dadá surge para acabar com a lógica, com a organização e com a razão. A arte tem que ser espontânea. A falta de sentido é transmitida até no nome: Tzara deixa claro que Dadá não significa nada:

Dadá não significa nada: Sabe-se pelos jornais que os negros Krou denominam a cauda da vaca santa: Dadá. O cubo é a mãe em certa região da Itália: Dadá. Um cavalo de madeira, a ama-de-leite, dupla afirmação em russo e em romeno: Dadá.

Para ele, o problema de todo os movimentos artísticos estava justamente em tentar fazer algo impossível: explicar o ser humano. Uma de suas frases mais famosas é a seguinte: “A obra de arte não deve ser a beleza em si mesma, porque a beleza está morta”.

Já que o Dadá negava todos os padrões estéticos e artísticos, eles usavam a incompreensão como arte de forma intencional – normalmente, pegavam objetos na rua, que haviam sido jogados fora, e utilizavam em suas obras de arte.

Eles queriam fazer um protesto, afinal, eram anarquistas e niilistas. O objetivo era criar o caos e a desordem. Sabe o filme do Batman, quando o Alfred diz que alguns homens só querem ver o mundo pegar fogo, se referindo ao Coringa? Pois é. Bem Dadá.

A arte dadaísta tinha um caráter fortemente irônico, agressivo e pessimista: a guerra, a burguesia e o materialismo tinham que acabar. Para eles, qualquer ideia de nacionalismo era uma farsa. O consumismo e o capitalismo eram altamente condenáveis.

Artistas dadaístas

  • Tristan Tzara
  • Marcel Duchamp
  • Hans Arp
  • Francis Picabia
  • Max Ernst
  • Raoul Hausmann
  • Hugo Ball
  • Richard Huelsenbeck
  • Sophie Täuber

Literatura dadaísta

Em 1916, Hugo Ball escreveu o Manifesto Dadaísta. Leia um trecho para entender como esses artistas realmente queriam o fim das regras, da razão e da lógica:

Como conquistar a eterna bem-aventurança? Dizendo Dadá. Como ser célebre? Dizendo Dadá. Com nobre gesto e maneiras finas. Até à loucura, até perder a consciência. Como desfazer-nos de tudo o que é enguia e dia-a-dia, de tudo o que é simpático e linfático, de tudo o que é moralizado, animalizado, enfeitado? Dizendo Dadá. Dadá é a alma-do-mundo, Dadá é o Coiso, Dadá é o melhor sabão-de-leite-de-lírio do mundo. Dadá Senhor Rubiner, Dadá Senhor Korrodi, Dadá Senhor Anastasius Lilienstein.

Quer dizer, em alemão: a hospitalidade da Suíça é incomparável, e em estética tudo depende da norma.

Leio versos que não pretendem menos que isto: dispensar a linguagem. Dadá Johann Fuchsgang Goethe. Dadá Stendhal. Dadá Buda, Dalai Lama, Dadá m'Dadá, Dadá m'Dadá, Dadá mhm'Dadá. Tudo depende da ligação e de esta ser um pouco interrompida. Não quero nenhuma palavra que tenha sido descoberta por outrem. Todas as palavras foram descobertas pelos outros. Quero a minha própria asneira, e vogais e consoantes também que lhe correspondam. Se uma vibração mede sete centímetros, quero palavras que meçam precisamente sete centímetros. As palavras do senhor Silva só medem dois centímetros e meio.

Essa literatura fez questão de negar qualquer tipo de princípio ou relação. A obra tinha que ser espontânea e não ter lógica alguma. O Dadá chega a ser considerado um movimento antiartístico.

Veja a fórmula criada pelo próprio Tzara para criar uma obra literária digna do Dadá:

Para fazer um poema dadaísta

Pegue um jornal. 

Pegue uma tesoura. 

Escolha neste jornal um artigo que tenha o comprimento que você queira dar ao seu poema. 

Corte o artigo. 

Corte em seguida com cuidado cada palavra dele e ponha-as em um saco. 

Agite delicadamente. 

Pegue, depois, um recorte após outro. 

Copie as palavras rigorosamente na ordem em que saíram. 

O poema se parecerá com você.

E eis que você se tornará um escritor infinitamente original e de sensibilidade fascinante, mesmo que incompreendido pelo vulgo. 

Essa arte foi vista como infantil para muitos de sua época e pode ser vista até hoje dessa forma. Todavia, é importante ressaltar o seu lado crítico: a Europa estava dominada pelo caos da guerra, e a insistência do Dadá na falta de lógica e na gratuidade dos eventos faz com que uma crítica seja lançada a essa realidade incômoda.

Dadaísmo no Brasil

No Brasil, os grandes escritores influenciados pelo Dadá foram Mário de Andrade e Manuel Bandeira, autores com forte presença no movimento modernista brasileiro.

Toda a repulsa do Dadá pela burguesia pode ser vista nesse poema de Mário de Andrade:

Ode ao burguês

Eu insulto o burguês! O burguês-níquel,

o burguês-burguês!

A digestão bem feita de São Paulo!

O homem-curva! o homem-nádegas!

O homem que sendo francês, brasileiro, italiano,

é sempre um cauteloso pouco-a-pouco! (...)

Conclusão

O dadaísmo pode parecer infantil quando é visto pela primeira vez. Muitos olham para “A fonte” e dizem: “é apenas um mictório, apenas um urinol”, mas é muito mais do que isso.

O dadaísmo surge em um contexto onde a guerra dominava a sociedade com medo, angústia e caos. Pessoas morriam todos os dias. Com suas obras focadas na falta de lógica e da razão e na gratuidade dos eventos, o dadaísmo surge com o objetivo de criticar a realidade incômoda que assolava o mundo.


Exercícios

Exercício 1
(UNESP/2010)

A peça “A fonte” foi criada pelo francês Marcel Duchamp e apresentada em Nova Iorque em 1917.

A fonte - Marcel Duchamp. Questão UNESP 2010A fonte - Marcel Duchamp

A transformação de um urinol em obra de arte representou, entre outras coisas:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

LITERATURA
Abstracionismo
Abstracionismo
LITERATURA
Arcadismo
Arcadismo
LITERATURA
Barroco
Barroco
LITERATURA
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
LITERATURA
Cecília Meireles
Cecília Meireles
LITERATURA
Clarice Lispector
Clarice Lispector
LITERATURA
Classicismo
Classicismo
LITERATURA
Condoreirismo
Condoreirismo
LITERATURA
Cubismo
Cubismo
LITERATURA
Euclides da Cunha
Euclides da Cunha
LITERATURA
Expressionismo
Expressionismo
LITERATURA
Fauvismo
Fauvismo
LITERATURA
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
LITERATURA
Futurismo
Futurismo
LITERATURA
Gêneros Literários
Gêneros Literários
LITERATURA
Guimarães Rosa
Guimarães Rosa
LITERATURA
Humanismo
Humanismo
LITERATURA
Lima Barreto
Lima Barreto
LITERATURA
Manuel Bandeira
Manuel Bandeira
LITERATURA
Modernismo
Modernismo
LITERATURA
Naturalismo
Naturalismo
LITERATURA
Oswald de Andrade
Oswald de Andrade
LITERATURA
Parnasianismo
Parnasianismo
LITERATURA
Prosa
Prosa
LITERATURA
Quinhentismo
Quinhentismo
LITERATURA
Realismo
Realismo
LITERATURA
Romantismo
Romantismo
LITERATURA
Trovadorismo
Trovadorismo
LITERATURA
Ultrarromantismo
Ultrarromantismo