Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Português

Vocativo

Bianca Ferraz
Publicado por Bianca Ferraz
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

O termo vocativo se origina da palavra vocare, que, em latim, significa “chamar”. Esse conceito se refere ao termo, geralmente exclamativo, utilizado, em língua portuguesa, para chamar, convocar alguém ou um elemento personificado (ou seja, a que se dá características humanas). Veja alguns exemplos:

  • João, onde está a chave do carro?

No exemplo anterior, o termo “João” é um vocativo. Perceba como ele está destacando, por meio de um chamamento, um alguém.

  • Querido diário, não conte meus segredos a ninguém.

Nesse exemplo, temos que o elemento destacado, aquele que é convocado, que é chamado pelo enunciador. Isto é, aquele com quem se fala. Na oração, é o “diário”, por meio da expressão “querido diário”. Note que a esse objeto é atribuída uma característica tipicamente humana: a de contar fatos a outras pessoas ou, ainda, a outros objetos personificados.

Em relação à estrutura sintática, é importante perceber que o vocativo não faz parte nem do sujeito nem do predicado de uma oração. Sendo assim, pode-se dizer que esse termo não estabelece uma relação sintática com a oração da qual participa, o que reforça seu caráter de termo acessório. Veja mais um exemplo:

  • Maria, por que não foste ao cinema ontem?

Note que a ligação que o vocativo estabelece com os outros elementos da oração é muito fraca e, por isso, pode-se, com certa facilidade, deslocar esse termo:

  • Por que não foste, Maria, ao cinema ontem?
  • Por que não foste ao cinema ontem, Maria?

O vocativo deve aparecer sempre acompanhado de vírgula, obrigatoriamente. A ausência de vírgulas pode comprometer o sentido da oração e até mesmo anular a função do vocativo. Veja:

  • Você viu o palhaço, Marcos?
  • Você viu o palhaço Marcos?

Em I, o termo Marcos aparece precedido de vírgula e é um vocativo, pois está colocando em destaque a pessoa a quem o enunciador se dirige. Tem-se, portanto, um chamamento, que destaca a figura de Marcos e questiona se ele havia visto o palhaço.

Já em II, a situação é completamente diferente. Perceba que a ausência de vírgulas altera totalmente o sentido da frase, que passa a ser um questionamento a respeito de o interlocutor, que não se sabe quem é especificamente, ter visto um palhaço em específico, o palhaço chamado Marcos. Nessa frase, não há a presença de um vocativo.

O vocativo pode aparecer, também, precedido da interjeição ó, que indica um chamado, como aparece, por exemplo, na letra do hino nacional brasileiro:

  • Entre outras mil, és tu Brasil, ó Pátria Amada!

Observação: Não confunda a interjeição de chamado ó com a interjeição de admiração oh. É necessário ter bem clara a distinção entre as duas para não confundi-las e, assim, evitar o uso inadequado dessas expressões.

Aposto e vocativo

É muito importante, também, não confundir aposto e vocativo.

Para evitar essa confusão, é necessário se lembrar de que o vocativo não possui relação sintática dentro da oração, sendo, portanto, um termo alheio a ela. O aposto, por sua vez, apresenta um sentido de explicação, de especificação, que torna um dos termos da oração mais claro, modificando seu sentido. Veja os exemplos a seguir:

  • Crianças, vamos comer!
  • Antônio, Marina e Pedrinho, as crianças, foram comer.

Na frase I, o termo “crianças” é uma evocação desse grupo de pessoas. O enunciador está chamando para realizar uma atividade, a de “comer”. A frase, portanto, está dirigida às crianças. Trata-se, assim, de um vocativo, e o termo que cumpre essa função não está relacionado sintaticamente a nenhum outro termo da frase.

Em II, por outro lado, “as crianças” funciona como aposto, pois retoma os termos “Antônio, Marina e Pedrinho”, que foram expressos anteriormente. Assim, há uma relação sintática estabelecida. Logo, não pode se tratar de um vocativo, mas sim de um aposto.


Exercícios

Exercício 1
(UFMG)

A propósito do trecho que seguem aponte a resposta correta.

Minha bela Marília, tudo passa/ A sorte deste mundo é mal segura/ Se vem depois dos males a ventura/ Vem depois os prazeres a desgraça/ Então os mesmos deuses/ Sujeitos ao poder do ímpio fado:/ Apolo já fugiu do céu brilhante,/ já foi pastor de gado. (T.A. Gonzaga)

Minha bela Marília é:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

PORTUGUÊS
Acentuação Gráfica
Acentuação Gráfica
PORTUGUÊS
Adjetivos
Adjetivos
PORTUGUÊS
Advérbios
Advérbios
PORTUGUÊS
Agente da Passiva
Agente da Passiva
PORTUGUÊS
Aposto
Aposto
PORTUGUÊS
Artigo
Artigo
PORTUGUÊS
Classes Gramaticais
Classes Gramaticais
PORTUGUÊS
Colocação Pronominal
Colocação Pronominal
PORTUGUÊS
Complemento Nominal
Complemento Nominal
PORTUGUÊS
Concordância Nominal
Concordância Nominal
PORTUGUÊS
Concordância Verbal
Concordância Verbal
PORTUGUÊS
Conjunção
Conjunção
PORTUGUÊS
Crase
Crase
PORTUGUÊS
Interjeição
Interjeição
PORTUGUÊS
Numeral
Numeral
PORTUGUÊS
Objeto Direto
Objeto Direto
PORTUGUÊS
Objeto Indireto
Objeto Indireto
PORTUGUÊS
Orações Coordenadas
Orações Coordenadas
PORTUGUÊS
Oração Subordinada Substantiva
Oração Subordinada Substantiva
PORTUGUÊS
Ortografia
Ortografia
PORTUGUÊS
Predicativo do Sujeito e do Objeto
Predicativo do Sujeito e do Objeto
PORTUGUÊS
Pretérito Imperfeito
Pretérito Imperfeito
PORTUGUÊS
Pronomes
Pronomes
PORTUGUÊS
Pronomes Pessoais
Pronomes Pessoais
PORTUGUÊS
Regência Nominal
Regência Nominal
PORTUGUÊS
Regência Verbal
Regência Verbal
PORTUGUÊS
Sinais de Pontuação
Sinais de Pontuação
PORTUGUÊS
Substantivo
Substantivo
PORTUGUÊS
Verbo Ser
Verbo Ser
PORTUGUÊS
Vozes Verbais
Vozes Verbais