Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Filosofia

Estética

Natália Cruz
Publicado por Natália Cruz
Última atualização: 14/11/2019

Introdução

A palavra estética vem do termo grego aisthetiké, que significa aquele que nota, aquele que percebe, aquele que possui percepção sobre algo. A estética é conhecida também por ser a ciência do belo, a filosofia da arte que dedica-se a estudar aquilo que é belo nas manifestações da natureza e também nas manifestações artísticas.

A estética é uma área da filosofia, é portanto, um ramo filosófico que dedica-se a estudar e investigar a essência da beleza. É tarefa da estética tentar compreender e questionar a natureza da arte em diversos meios, a causa de seus êxitos, seus mecanismos de atuação e influência, seus objetivos, seus meios de expressão, suas modalidades de produção, suas intenções e o significado do prazer estético.

📚 Você vai prestar o Enem 2020? Estude de graça com o Plano de Estudo Enem De Boa 📚

É também tarefa da estética se ocupar daquilo que não é belo, da ausência do belo, que é chamado de feio. Nos últimos anos, as pesquisas concretizadas no campo da estética buscaram atingir a natureza dos juízos ligados à percepção daquilo que é considerado belo e na compreensão de como atuam os sentimentos na interação com diversos estilos artísticos.

Essência natural daquilo que é considerado belo

A estética em Platão e Aristóteles

O filósofo grego Platão divide a realidade em dois universos distintos: o sensível e o inteligível. No universo inteligível, de acordo com Platão é que se encontram as formas puras, as essências e os fundamentos da existência dos seres existentes no mundo sensível. A partir dessa visão platônica, tanto os homens quanto os seres da natureza seriam cópias sensíveis dos originais modelos inteligíveis.

A partir da divisão dos dois mundos e da ideia de cópia e originalidade que Platão desenvolve sua crítica à arte. Para Platão o mundo como cópia do real caracteriza, portanto, a distinção, a dessemelhança daquilo existente de maneira original no mundo inteligível.

A arte para Platão seria, portanto, uma imitação capaz de enganar quem a vê. A arte por ser uma imitação de uma imitação contida no mundo sensível se afasta cada vez mais do real, daquilo que é, efetivamente, o original. Na visão platônica, a arte imita a cópia, o que Platão chama de simulacro. A partir da sua crítica sobre a filosofia, Platão rejeita a arte e afirma que a melhor substituição para a poesia é dada pela filosofia.

Aristóteles, por sua vez, entende o modelo platônico como sendo insustentável e, de certa maneira, inútil. Para Aristóteles, a realidade é o sensível e os seres que vivem na realidade sempre estabelecem sua denominação e a de nominação dos objetos a partir da relação de uma categoria com um gênero universal. De acordo com Aristóteles, os gêneros universais abstraem modelos dos seres particulares

Na visão aristotélica, a imitação seria então uma experiência benéfica, uma vez que permite a junção de narrativas e imagens que mostram que algumas experiências são, efetivamente, possíveis. A imitação para Aristóteles tem também caráter pedagógico pois seu efeito, chamado por Aristóteles de catarse, colabora com a identificação daquele que copia com a imagem daquele que é copiado. É nessa relação que surgem então, o respeito, a admiração e o aprendizado.

A partir da análise das artes, a experiência artística também se baseia na imitação, chamada nesse caso de verossimilhança. Não necessariamente a verossimilhança acontece relacionada a fotos reais, mas pode relacionar-se com acontecimentos ou fatos que são possíveis de acontecer ou que estão na iminência de acontecer. 

Na visão do filósofo, a tragédia seria a mais elevada forma de representação artística, uma vez que ela trata especificamente dos dramas humanos. Os seres humanos observando as tragédias podem ser então capazes de superar os dramas e aproximarem-se da felicidade.

De forma geral, é possível entender que a dessemelhança afasta-se do real enquanto que a verossimilhança representa a possibilidade de transformar algo em realidade. A dessemelhança deseduca os seres, enquanto que a verossimilhança poderia ser usada de forma pedagógica.

🎓 Você ainda não sabe qual curso fazer? Tire suas dúvidas com o Teste Vocacional Grátis do Quero Bolsa 🎓


Exercícios

Exercício 1
(UEL/2015)

Leia os textos a seguir.

A arte de imitar está bem longe da verdade, e se executa tudo, ao que parece, é pelo facto de atingir apenas uma pequena porção de cada coisa, que não passa de uma aparição.

Adaptado de: PLATÃO. A República. 7.ed. Trad. de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1993. p.457.

O imitar é congênito no homem e os homens se comprazem no imitado.

Adaptado de: ARISTÓTELES. Poética. 4.ed. Trad. De Eudoro de Souza. São Paulo: Nova Cultural, 1991. p.203. Coleção “Os Pensadores”.

Com base nos textos, nos conhecimentos sobre estética e a questão da mímesis em Platão e Aristóteles, assinale a alternativa correta.

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...