Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Filosofia

Filosofia moderna

Natália Cruz
Publicado por Natália Cruz
Última atualização: 27/6/2019

Introdução

A filosofia moderna é a corrente filosófica que tem início no século XV e vai até o século XVIII. O seu fim é marcado pelo início da Idade Contemporânea.

Muitos autores, no entanto, consideram o marco inicial da filosofia moderna os pensamentos produzidos por René Descartes, no século XVII, e o fim é marcado pelos trabalhos de Ludwig Wittgenstein, no século XX. Nesse modelo de classificação, o pensamento feito entre os séculos XV e XVII é chamado de Filosofia Renascentista.

📚 Você vai prestar o Enem 2020? Estude de graça com o Plano de Estudo Enem De Boa 📚

Contexto Histórico

A filosofia moderna surge juntamente com o final da Idade Média e com a queda do sistema feudal. O fim do período medieval e a diminuição do domínio da Igreja Católica marcam a busca dos cientistas por novas formas de saber e pensar racionalmente, desvinculando-se cada vez mais das influências religiosas, que foram a marca da Idade Média.

  • Durante o surgimento da filosofia moderna, o mundo passava por diversas transformações: as grandes navegações;
  • a reforma e a contra-reforma religiosas;
  • o início do Renascentismo;
  • a formação dos primeiros Estados Nacionais modernos;
  • a consolidação dos regimes absolutistas;
  • o surgimento da burguesia;
  • a invenção da imprensa;
  • a chegada a novos continentes.

As novas descobertas nas áreas da Física, Astronomia e outras ciências naturais foram marcadas pelo antropocentrismo - o homem no centro de produção científica e da busca de respostas racionais.

A renovação dos métodos, a nova maneira de realizar pesquisas, encontrar soluções e construir argumentos, foi também influenciada pelo Renascimento e Humanismo, que possibilitaram a maior ação dos indivíduos na sociedade.

O homem passa a ser encarado como um ser pensante, racional e capaz de responder por suas escolhas e ações.

Caravela, Grandes navegações

Características

Algumas características marcam a Filosofia no período do século XV ao XX com maior ou menor intensidade, dependendo do momento e da escola filosófica que está sendo analisada. Dentre as principais características, vale a pena destacar as seguintes:

  • Antropocentrismo e humanismo, com o homem como centro de todas as pesquisas e responsável por suas próprias escolhas;
  • Valorização de novas técnicas científicas e da pesquisa para encontrar as soluções dos problemas levantados;
  • Racionalismo;
  • Empirismo, ou seja, o uso de experimentos para provar as afirmações e encontrar soluções aos problemas;
  • Liberdade de pensamento a partir da menor influência religiosa;
  • Surgimento de escolas laicas de Filosofia.
  • Negação religiosa.

O homem vitruviano, Leonardo da Vinci, 1492

Problemas

Dentre os principais problemas levantados pelos filósofos modernos, principalmente os da primeira geração, estão os problemas ligados ao corpo e a mente, a metafísica e a epistemologia.

Posteriormente, os filósofos dedicam-se a pensar as questões políticas ligadas aos governos absolutistas, aos governos liberais e aos anarquistas. É, também durante a filosofia moderna, que são levantadas questões ligadas às novas relações sociais e econômicas, principalmente no período Pós-Revolução Industrial, e ao papel da burguesia nesse novo modelo social.

🎓 Você ainda não sabe qual curso fazer? Tire suas dúvidas com o Teste Vocacional Grátis do Quero Bolsa 🎓

Principais Autores e Correntes

    Dentre os principais filósofos e escolas merecem destaque:

  • Nicolau Maquiavel (1469-1527) - Considerado pai do pensamento político moderno, Maquiavel desenvolveu sua filosofia no período renascentista. É autor de “O Príncipe”, obra que aponta as diretrizes de como os rei devem governar seus países.
  • Jean Bodin (1530-1596) - Filósofo francês, Bodin apresenta visões que contribuem para a evolução do pensamento político moderno. Faz a análise da teoria do direito divino dos reis em sua obra, composta por seis livros e denominada “A República”.
  • Francis Bacon (1561-1626) - Bacon colaborou com a criação do método indutivo de investigação científica que preza as observações e depois apresenta induções para os fenômenos naturais.
  • Galileu Galilei (1564-1642) - Astrônomo, físico e matemático, Galileu é considerado o pai da Física e da Ciência Moderna. Criador do método matemático experimental, que aplica a matemática a fenômenos naturais, e defensor das ideias heliocêntricas de Copérnico, Galileu contraria as crenças e dogmas católicos que acreditavam no geocentrismo.
  • René Descartes (1596-1650) - Criador do pensamento cartesiano, apresentado na obra “O discurso sobre o método”, de 1637, e que influenciou pensadores e filósofos modernos.
  • Baruch Spinoza (1634-1677) - É um filósofo holandês que critica e combate todo tipo de superstição, pois seriam criadas pela imaginação. Spinoza acredita e defende a existência de um Deus transcendental que está ligado a natureza.

São também importantes nomes da filosofia moderna: Thomas Hobbes, John Locke, David Hume, Montesquieu, Voltaire, Diderot, Rousseau, Adam Smith e Immanuel Kant, Isaac Newton e Pascal.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM/2013)

Leia os textos abaixo:

TEXTO I

Há já algum tempo eu me apercebi de que, desde meus primeiros anos, recebera muitas falsas opiniões como verdadeiras, e de que aquilo que depois eu fundei em princípios tão mal assegurados não podia ser senão mui duvidoso e incerto. Era necessário tentar seriamente, uma vez em minha vida, desfazer-me de todas as opiniões a que até então dera crédito, e começar tudo novamente a fim de estabelecer um saber firme e inabalável.

(DESCARTES, R. Meditações concernentes à Primeira Filosofia. São Paulo: Abril Cultural, 1973 (adaptado))

TEXTO II

É o caráter radical do que se procura que exige a radicalização do próprio processo de busca. Se todo o espaço for ocupado pela dúvida, qualquer certeza que aparecer a partir daí terá sido de alguma forma gerada pela própria dúvida, e não será seguramente nenhuma daquelas que foram anteriormente varridas por essa mesma dúvida.

(SILVA, F. L. Descartes: a metafísica da modernidade. São Paulo: Moderna, 2001 (adaptado))

A exposição e a análise do projeto cartesiano indicam que, para viabilizar a reconstrução radical do conhecimento, deve-se:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...