Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Português

Substantivo concreto

Alice Martins
Publicado por Alice Martins
Última atualização: 11/10/2018

Introdução

Definição

Substantivo concreto é uma classe dos substantivos que nomeia tudo aquilo que é possível “ver” ou “pegar” concretamente, seja um ser existente no mundo real ou não. Em outras palavras, o substantivo concreto dá nome a todo ser que seja passível de imaginar uma figura concreta a partir do nome.

Exemplos:       cachorro

mesa

anjo

fada

Perceba que o substantivo concreto não tem a ver com a existência de um ser no mundo real, mas com a existência da imagem concreta desse ser. “fada”, por exemplo, é um ser que não existe no mundo real, mas é um substantivo concreto uma vez que é uma figura possível de imaginar concretamente.

Como saber se um substantivo é concreto?

Para não se confundir, aqui vai uma dica: imagine que você abra o “Google imagens” e pesquise por “fada”. Certamente o site mostrará imagens de fadas e será possível ver concretamente uma fada, como imaginamos uma. “Fada” é, portanto, um substantivo concreto, assim como todos os demais nomes que resultarão em uma imagem concreta se buscados na internet. Imagine agora que você busque por “amor”; não há uma imagem concreta desse substantivo, não é possível “ver” concretamente o amor e por isso ele é um substantivo chamado abstrato.

Substantivo concreto e substantivo abstrato

A diferença entre o substantivo concreto e o substantivo abstrato é que o abstrato não tem uma imagem possível de imaginar ou de ver concretamente. Para saber o que é um substantivo abstrato, imagine em sua cabeça o amor. Você pode pensar em corações ou qualquer outra coisa que lembre “amor”, mas é impossível pensar em uma imagem que por si só signifique “amor”; não é possível “ver” esse substantivo, já que ele é abstrato.

Exemplos:       Meu coração está alegre.                 (coração = substantivo concreto)

Você é o amor da minha vida.         (amor = substantivo abstrato)

Qual é o motivo do seu sorriso?      (sorriso = substantivo concreto)

Qual é a razão da sua felicidade?   (felicidade = substantivo abstrato)

*Observação: Por convenção, a palavra “Deus”, tanto com letra maiúscula quanto com letra minúscula, é considerada um substantivo concreto.

Classificação dos substantivos

Além dos substantivos concretos e abstratos, existem ainda outras classes de substantivo. São elas:

  • Substantivo simples: tem apenas um radical em sua estrutura, pois é formado por apenas uma palavra, por exemplo: criança, mesa, fada, cadeira
  • Substantivo composto: tem mais de um radical em sua estrutura, é formado por mais de uma palavra. Exemplos: guarda-chuva, pé-de-moleque
  • Substantivo próprionomeia determinados seres de uma espécie de forma específica, como fazem os nomes de pessoas, lugares e coisas, por exemplo: Ana, São Paulo, Ásia, Organização das Nações Unidas
  • Substantivo comum: nomeia qualquer ser de uma espécie sem especificá-lo, por exemplo: menina, mulher, criança, estado, país, cidade
  • Substantivo primitivo: é aquele que forma outros substantivos, por exemplo: pedra, jornal, dia
  • Substantivo derivado: aquele que é formado a partir de outro radical da língua que já existia na língua, por exemplo: pedreira, jornalista, diária.
  • Substantivo coletivo: dá nome a um conjunto de seres da mesma espécie, por exemplo: manada (conjunto de elefantes), colméia (conjunto de abelhas).

Imagem de um tablet com o Google aberto na tela principal.Imagem de um tablet com o Google aberto na tela principal.


Exercícios

Exercício 1
(FGV/2009)

Texto I


 Voltou dali a duas semanas, aceitou casa e comida sem outro estipêndio, salvo o que quisessem dar por festas. Quando meu pai foi eleito deputado e veio para o Rio de Janeiro com a família, ele veio também, e teve o seu quarto ao fundo da chácara. Um dia, reinando outra vez febres em Itaguaí, disse-lhe meu pai que fosse ver a nossa escravatura. José Dias deixou-se estar calado, suspirou e acabou confessando que não era médico. Tomara este título para ajudar a propaganda da nova escola, e não o fez sem estudar muito e muito; mas a consciência não lhe permitia aceitar mais doentes.
  - Mas, você curou das outras vezes.
  - Creio que sim; o mais acertado, porém, é dizer que foram os remédios indicados nos livros. Eles, sim, eles, abaixo de Deus. Eu era um charlatão... Não negue; os motivos do meu procedimento podiam ser e eram dignos; a homeopatia é a verdade, e, para servir à verdade, menti; mas é tempo de restabelecer tudo.
 Não foi despedido, como pedia então; meu pai já não podia dispensá-lo. Tinha o dom de se fazer aceito e necessário; dava-se por falta dele, como de pessoa da família.
 Quando meu pai morreu, a dor que o pungiu foi enorme, disseram-me; não me lembra. Minha mãe ficou-lhe muito grata, e não consentiu que ele deixasse o quarto da chácara; ao sétimo dia, depois da missa, ele foi despedir-se dela.
 - Fique, José Dias.
 - Obedeço, minha senhora.
 Teve um pequeno legado no testamento, uma apólice e quatro palavras de louvor.
 Copiou as palavras, encaixilhou-as e pendurou-as no quarto, por cima da cama.
 "Esta é a melhor apólice", dizia ele muita vez. Com o tempo, adquiriu certa autoridade na família, certa audiência, ao menos; não abusava, e sabia opinar obedecendo. Ao cabo, era amigo, não direi ótimo, mas nem tudo é ótimo neste mundo. E não lhe suponhas alma subalterna; as cortesias que fizesse vinham antes do cálculo que da índole. A roupa durava-lhe muito; ao contrário das pessoas que enxovalham depressa o vestido novo, ele trazia o velho escovado e liso, cerzido, abotoado, de uma elegância pobre e modesta. 6 Era lido, posto que de atropelo, o bastante para divertir ao serão e à sobremesa, ou explicar algum fenômeno, falar dos efeitos do calor e do frio, dos polos e de Robespierre. Contava muita vez uma viagem que fizera à Europa, e confessava que a não sermos nós, já teria voltado para lá; tinha amigos em Lisboa, mas a nossa família, dizia ele, abaixo de Deus, era tudo.
 - Abaixo ou acima? Perguntou-lhe tio Cosme um dia.
 - Abaixo, repetiu José Dias cheio de veneração. E minha mãe, que era religiosa, gostou de ver que ele punha Deus no devido lugar, e sorriu aprovando. José Dias agradeceu de cabeça. Minha mãe dava-lhe de quando em quando alguns cobres. Tio Cosme, que era advogado, confiava-lhe a cópia de papéis de autos.

(Machado de Assis, Dom Casmurro. http://www.bibvirt.futuro.usp.br/content/view/full/1429
 Acesso em 08/09/08)

Na primeiro parágrafo, escravatura é exemplo de recurso de estilo em que:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...