Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
Sociologia

Ação Social

Natália Cruz
Publicado por Natália Cruz
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

Max Weber implementa em suas obras a teoria da ação social.

A ação social pode ser definida como qualquer ação que um sujeito realiza no meio social em que ele vive, essa ação deve possuir sentido para quem a pratica.

A ação social está também ligada ao outro, ou seja, ela tem como objetivo uma intenção que é orientada para o outro.

Em outras palavras, podemos definir a ação social como uma ação intencional de um indivíduo que por sua vez, espera uma resposta do outro.

A ação social somente se estabelece quando entramos em contato com o outro e, de alguma maneira, afetamos o seu comportamento.

Para Weber, o sociólogo tem como uma de suas principais atribuições compreender os sentidos das ações sociais, encontrar aspectos e informações que sejam capazes de determinar tais ações.

O pensador alemão não considera as imitações como sendo ações sociais, já que não estabelece nesse tipo de comportamento as ligações do indivíduo com o outro. As imitações também não são consideradas intencionais ou com finalidade de alcançar um objetivo.

O objeto de estudo da sociologia

Weber define que o objeto de estudo da sociologia é dado por uma realidade infinita e para que seja possível analisar os objetos é preciso construir tipos ideais.

Os tipos ideais não existem de fato, são modelos criados que colaboram para nortear as pesquisas e observações.

Pensando nos métodos sociológicos adotados por Weber, eles diferem daqueles implantados por Durkheim, pois na medida em que a realidade é infinita, o pesquisador precisa fazer um recorte a fim de estudar com mais atenção um determinado fato.

Para Weber, esse recorte é definido a partir dos juízos de valor do pesquisador, que é portanto, próximo ao objeto de estudo escolhido.

Durkheim, ao definir que os fatos sociais, objetos da pesquisa sociológica, devem ser tratados como coisas, propõe que o cientista social deve abandonar juízos de valores ao definir o objeto de estudo.

O pesquisador deve sempre manter a neutralidade e afastamento dos seus objetos de estudo. A ideia de aproximação weberiana é contrária à ideia defendida por Durkheim. Weber aponta ainda que somente após a escolha do tema é que o pesquisador consegue ser objetivo e imparcial.

As noções de metodologia weberianas não se apoiam nos modelos usados pelos pesquisadores das ciências naturais, como biologia ou quimica. Weber não apresenta a intenção de desenvolver leis gerais que sejam capazes de explicar todos os fenômenos e acontecimentos sociais.

Weber também rejeita as pesquisas feitas a partir da mera descrição dos fatos. O pouco aprofundamento não caracteriza uma pesquisa sociológica.

Ao rejeitar apenas as descrições, a ciência social weberiana segue em busca de leis causais, que tem seu entendimento garantido levando em consideração a racionalidade científica e as particularidades históricas, sociais e culturais de cada grupo ou sociedade estudada.

Os modelos de ação social

Os tipos ideais que devem ser modelos criados com o intuito de colaborar nas pesquisas e observações servem também como modelos para a definição das quatro ações sociais apresentadas por Weber. As ações sociais podem ser divididas em racionais ou irracionais e são:

Ações racionais

Ação social racional com relação a fins: Uma ação social pode ser considerada racional relativa a fins quando tem um objetivo estabelecido de maneira racional, no qual o autor da ação social procura atingir um objetivo. Para isso, o autor utiliza-se dos meios necessários que garantam esse objetivo final.

Ação social racional com relação a valores: Na ação relativa a valores o indivíduo orienta suas ações de acordo com seus valores e crenças pessoais. O indivíduo age de acordo com aquilo que considera correto levando em conta por exemplo valores familiares ou religiosos.

Ações irracionais

Ação social tradicional: O indivíduo pauta suas ações de acordo com as tradições, vivências e costumes da sociedade da qual faz parte. São consideradas irracionais pois o indivíduo está sujeito a costumes que já fazem parte da sociedade em que ele vive.

Ação social afetiva ou emocional: É baseada em questões de afinidade, afetividade e aspectos emocionais do indivíduo. Não necessariamente os objetivos a serem atingidos são levados em considerações.

Por serem tipos ideais, os modelos de ação social são mais facilmente explicados. No entanto, mais de um tipo de ação social pode aparecer de forma concomitante nas sociedades, não necessariamente eles aparecem de maneira isolada e estática.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM/2015)

A crescente intelectualização e racionalização não indicam um conhecimento maior e geral das condições sob as quais vivemos. Significa a crença em que, se quiséssemos, poderíamos ter esse conhecimento a qualquer momento. Não há forças misteriosas incalculáveis; podemos dominar todas as coisas pelo cálculo.

Tal como apresentada no texto, a proposição de Max Weber a respeito do processo de desencantamento do mundo evidencia o(a)

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

SOCIOLOGIA
Antropologia
Antropologia
SOCIOLOGIA
Cidadania
Cidadania
SOCIOLOGIA
Cultura
Cultura
SOCIOLOGIA
Declaração Universal dos Direitos Humanos
Declaração Universal dos Direitos Humanos
SOCIOLOGIA
Desigualdade Social
Desigualdade Social
SOCIOLOGIA
Direitos Humanos
Direitos Humanos
SOCIOLOGIA
Estado de Bem Estar Social
Estado de Bem Estar Social
SOCIOLOGIA
Estado Democrático de Direito
Estado Democrático de Direito
SOCIOLOGIA
Estigma Social
Estigma Social
SOCIOLOGIA
Estruturalismo
Estruturalismo
SOCIOLOGIA
Exclusão Social
Exclusão Social
SOCIOLOGIA
Feminismo
Feminismo
SOCIOLOGIA
Funcionalismo
Funcionalismo
SOCIOLOGIA
Max Weber
Max Weber
SOCIOLOGIA
Movimentos Sociais
Movimentos Sociais
SOCIOLOGIA
Neoliberalismo
Neoliberalismo
SOCIOLOGIA
Social-Democracia
Social-Democracia
SOCIOLOGIA
Sociedade
Sociedade