Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Universidades

Universidades exercem papel inclusivo e de combate ao racismo e à desigualdade racial

por Mathias Sallit em 25/11/19 130 visualizações

Os dados da pesquisa "Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil", do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) baseada na Pnad Contínua mostraram que o número de estudantes autodeclarados pretos ou pardos foi superior aos brancos em universidades públicas pela primeira vez na história.

No total, mais de 1,14 milhão de universitários da rede pública de ensino superior são negros, número equivalente a 50,3% do total de alunos em instituições federais, estaduais e municipais. A pesquisa do IBGE mostra que a Lei de Cotas, promulgada em 2012, teve papel importante nessa evolução ao longo dos últimos anos.

Além da inclusão no ensino superior, há universidades que exercem papéis que vão além do meio acadêmico e têm importante atuação e impacto no combate à desigualdade e ao racismo.

Há 15 anos, em São Paulo, a Faculdade Zumbi dos Palmares estimula a participação do público negro no espaço do Ensino Superior. "A Zumbi dos Palmares tem um recorte e tem um propósito". "De trabalhar no sentido de promover um ambiente de equalização, acessos e de oportunidades para os jovens negros. E, a partir dos jovens negros, disponibilizando essa possibilidade para todos", afirma o professor José Vicente, fundador e reitor da universidade.

(Divulgação/Faculdade Zumbi dos Palmares)
Reitor e fundador, José Vicente comenta os diferentes papeis da Zumbi dos Palmares

Por ter caráter comunitário, a faculdade, que carrega o nome do líder do Quilombo dos Palmares, não tem fins lucrativos e se estrutura em ações que auxiliem seu entorno a construir soluções e estimular debates para a busca da resolução de questões e problemas sociais. "Tem uma ação bastante intensa de debater as causas e os reflexos da discriminação, do racismo e da intolerância na sociedade brasileira e mundial", afirma o reitor.

Veja cursos disponíveis na Faculdade Zumbi dos Palmares

Integração internacional é foco de instituição federal

Acompanhando a linha que atua diretamente nas questões raciais, no interior do Nordeste brasileiro a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) possui uma representatividade de 82,2% de estudantes de graduação pretos e pardos. Fundada em 2010, a instituição federal possui campus em três cidades fora das principais regiões metropolitanas do Ceará e da Bahia.

(Divulgação/Unilab)
20,5% dos alunos da Unilab são estrangeiros, em sua maioria vindos da África

"A Unilab é uma universidade cheia de simbolismos", diz o professor Arilson dos Santos Gomes, chefe do Setor de Promoção da Igualdade Racial (Sepir) da Unilab.

Ele conta que a cidade de Redenção, no interior do Ceará, foi escolhida como sede por ser a primeira cidade brasileira a abolir a escravidão, no ano de 1883. Já o Campus dos Malês está situado em São Francisco do Conde, na Bahia, município que concentra o maior percentual de negros no Brasil, conforme Censo Demográfico de 2010, do IBGE, destacado por estudos dos pesquisadores Deolindo de Barros e Silvia Garcia Nogueira.

Além de brasileiros, a universidade conta com estudantes da Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Por isso, a principal missão da instituição é fortalecer a integração internacional entre o Brasil e os países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Segundo dados do MEC consultados pela Revista Quero, 20,5% dos estudantes da Unilab são estrangeiros, o segundo maior número de universidades brasileiras"Os recursos humanos e materiais da Unilab foram pensados e estão sendo desenvolvidos e consolidados para formar indivíduos e coletivos no enfrentamento e superação das desigualdades sociais em níveis regional, nacional e internacional", afirma o professor.

Leia também:
+ 9 países que possuem a Língua Portuguesa como idioma oficial
+ Universidades com maior representatividade de professores negros, segundo MEC
+ Qual é o perfil do cotista racial no Brasil, segundo o Enem?

Pesquisas vão além da produção de conhecimento

Colocar em evidência a necessidade do debate e discussão de temas referentes aos negros no Brasil é um propósito em comum dessas universidades. Assim, as instituições deixam de ser exclusivamente um espaço de produção de conhecimento baseado em pesquisas científicas e acadêmicas e exerce também o papel social.

"[As universidades cumprem] esse papel de ser uma referência e um espaço qualificado para debater esse tema e uma ferramenta política importante", afirma o reitor da Zumbi dos Palmares, José Vicente. "Seja para dar visibilidade a essas questões, seja para oferecer em grande medida as possíveis soluções e encaminhamentos de forma elaborada, qualificada e viável."

Na Unilab, o Sepir atua pela igualdade étnico-racial no ensino, na pesquisa e na extensão e envolve a comunidade universitária na discussão de situações e combate a problemas. "Além do Sepir, a Unilab agrega inúmeros grupos de pesquisas e de estudos que desenvolvem pesquisas e ações em torno das temáticas de gênero, da igualdade racial, das ações afirmativas, de combate a pobreza, de estudos com os povos indígenas e também contra a intolerância religiosa", conta o professor Arilson.

As pesquisas científicas também costumam ser trabalhadas em temas que priorizam as discussões raciais.

"Para nós que conhecemos minimamente as dificuldades e a complexidade da resolução dos problemas da exclusão, do não pertencimento, da não participação e da não interação normal e tranquila do negro na sua vivência cultural, a gente não tem dúvida de que é indispensável que, principalmente o ambiente do conhecimento, se debruce para produzir as soluções teóricas e acadêmicas que um tema dessa natureza precisa", diz José Vicente.

"Promover o desenvolvimento regional e o intercâmbio cultural, científico e educacional, além do combate às desigualdades, compõem os escopos das pesquisas realizadas na Unilab", aponta Arilson, que destaca que as áreas da pesquisa atendem interesses mútuos entre o Brasil e demais países de língua portuguesa. Ele cita a formação de professores, desenvolvimento agrário, gestão e saúde pública.

Conscientização e mudanças

Segundo José Vicente, fundador da Faculdade Zumbi dos Palmares, o Brasil e o mundo passam por uma mudança em aspectos culturais, sociais, tecnológicos e profundos. Por isso, a Zumbi pensa em rumos que influenciem o lado externo à instituição. "Nós precisamos ajudar a mudar as mentes e a mudar os corações", afirma o reitor.

Assim, a instituição mobiliza eventos para que compartilhem a mensagem da igualdade e do combate aos preconceitos. Para o Dia da Consciência Negra, a faculdade realizou a "Virada da Consciência" e envolveu quatro dias de celebração da cultura da comunidade negra. A programação contou com mais de 400 eventos com mais de cem parceiros. Esportes, samba e a tradicional "Fejuca da Zumbi" foram alguns dos destaques.

(Divulgação/@patriciaribeirofotos/@vanessacorrea_fotografia)
Tradicional "Fejuca" foi um dos eventos com a comunidade durante a "Virada da Consciência"

Para José Vicente, é a oportunidade de colocar na prática todos os valores da instituição. "Criamos essa Virada da Consciência com o propósito de que em algum tempo, lá no ano 2320, ter contribuído de forma significativa pra que a gente auxilie e ajude as mentes e os corações tenham uma atitude definitiva e inegociável com qualquer outra que represente o desvalor, o desrespeito, a agressão, a hostilização e a subjugação do outro, seja por conta da sua raça, da sua cor ou da sua sexualidade."

"Acho que a Zumbi também, em alguma medida, ainda que seja no ponto de vista simbólico e metafórico, ela é uma luzinha no final do túnel de que há um caminho para ser trilhado", completa o fundador da Zumbi.

banner image banner image

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Quer ficar sabendo das melhores vagas antes de todo mundo?
ALERTA DE VAGAS i-close
Sabia que dependendo do seu período é melhor começar de novo?Thinking face f5c039d3e92b0c131b3780cdbc1ee3d7966cc05cafc35064b70df0e0e049c24d

Caso você ainda esteja no primeiro ou segundo período da faculdade, você pode economizar começando o curso novamente com bolsa de estudo.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você encontra as melhores vagas em diversos turnos, até mesmo ensino a distância.

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Quer ficar sabendo das melhores vagas antes de todo mundo?
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54