Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Português

Objeto Indireto

Bianca Ferraz
Publicado por Bianca Ferraz
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

Objeto indireto (OI) é o complemento verbal que se liga ao verbo por meio de preposição.

Esse tipo de complemento aparece com verbos transitivos indiretos (VTI) ou verbos transitivos diretos e indiretos (VTDI).

Pode-se dizer que, de modo geral, o objeto indireto indica o paciente da ação verbal, isto é, o elemento ao qual se destina a ação verbal expressa.

Um exemplo pode ajudar a esclarecer essa definição:

O aluno respondeuà pergunta da professora.

Analisando essa oração, tem-se:

O aluno = sujeito

Respondeu = verbo transitivo indireto (VTI)

À pergunta da professora = objeto indireto (OI)

O ato de responder, que foi realizado pelo aluno, tem como alvo a pergunta da professora.

Por isso, considera-se que se trata de um objeto indireto, visto que a ação verbal se dirige a esse elemento, que vem, obrigatoriamente, introduzido por preposição.

Veja outro exemplo:

O diretor escreveu cartas aos pais.

Agora é uma situação diferente. O verbo em questão (escrever) possui dois complementos.

Um se liga diretamente ao verbo (cartas), cumprindo função sintática de objeto direto (OD).

O outro é regido por preposição (aos pais), assumindo o papel de objeto indireto (OI).

É importante perceber que o objeto indireto está indicando o direcionamento da ação expressa pelo verbo, ou ainda, o beneficiário ou destinatário da ação.  

Analisando sintaticamente a oração, tem-se:

O diretor = sujeito

Escreveu = verbo transitivo direto e indireto (VTDI)

Cartas = objeto direto (OD)

Aos pais = objeto indireto (OI)

Outros exemplos:

Optei pela roupa mais barata.

(eu) = sujeito desinencial

Optei = verbo transitivo indireto (VTI)

Pela roupa mais barata = objeto indireto (OI)

João acredita em fantasmas.

João = sujeito

Acredita = verbo transitivo indireto (VTI)

Em fantasmas = objeto indireto (OI)

Atenção! Nem todos os elementos introduzidos por preposição classificam-se como objeto indireto:

Ela saiu pela manhã.

Nesse exemplo, deve-se analisar a regência do verbo “sair”. É necessário perceber que o verbo sair é intransitivo, ou seja, ele não prescinde de complemento para que a ação expressa seja integralmente compreendida.

Assim, ainda que “pela manhã” seja uma expressão introduzida por preposição, ela não pode ser considerada objeto indireto, visto que não se trata de um complemento verbal.

Essa expressão está indicando a circunstância em que ocorreu a ação e, por isso, é classificada como adjunto adverbial.

Pronomes oblíquos atuando como objeto indireto

Os pronomes oblíquos átonos podem exercer função sintática de complementos verbais, tanto de objeto direto (OD) quanto de objeto indireto (OI).

Como objeto indireto, há os pronomes “lhe” e “lhes”.

Além deles, os pronomes “me”, “te”, “se”, “nos” e “vos” assumem função de objeto direto ou função de objeto indireto, a depender do verbo a que se referem. Alguns exemplos a seguir.

Os médicos lheasseguraram que não há nada.

O verbo assegurar é transitivo direto e indireto (VTDI) e, por isso, exige dois complementos.

O pronome “lhe” exerce o papel de objeto indireto (OI), visto que equivale à expressão “a ele”. Observe: “Os médicos asseguraram a ele que não há nada.”

Feita a substituição, o sentido da frase se mantém e a preposição fica evidenciada, demonstrando que o pronome oblíquo “lhe” possui a função sintática de objeto indireto (OI).

O pronome “me” pode assumir ambivalência:

Cumprimentou-me, sentou-se ao pé de mim, falou da lua e dos ministros e acabou recitando-me versos. (Machado de Assis)

O primeiro pronome destacado, referente ao verbo cumprimentar, tem papel de objeto direto (OD), visto que a ação verbal expressa por cumprimentar não exige uma preposição (cumprimentei Maria, ela cumprimentou João e assim por diante).

Por outro lado, na segunda ocorrência desse pronome, ligado ao verbo recitar, ele indica o alvo, o destinatário da recitação (os versos foram recitados a mim). Dessa forma, o “me” assume o papel de objeto indireto (OI).

Objeto pleonástico

O chamado objeto pleonástico pode ocorrer tanto com objetos diretos quanto com objetos indiretos.

Ele se refere à repetição do objeto com valor enfático, isto é, de realce. Trata-se, então, de um reforço da noção contida no objeto.

A ele, falta-lhe paciência.

Perceba que o verbo faltar é transitivo direto e indireto (VTDI).

O objeto direto é representado por “paciência”, enquanto o objeto indireto “a este” é reforçado pelo pronome “lhe”, que possui, portanto, valor de ênfase, classificando-se como objeto indireto pleonástico.


Exercícios

Exercício 1
(FMSCASA)

Há verbo transitivo indireto em:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

PORTUGUÊS
Acentuação Gráfica
Acentuação Gráfica
PORTUGUÊS
Adjetivos
Adjetivos
PORTUGUÊS
Advérbios
Advérbios
PORTUGUÊS
Agente da Passiva
Agente da Passiva
PORTUGUÊS
Aposto
Aposto
PORTUGUÊS
Artigo
Artigo
PORTUGUÊS
Classes Gramaticais
Classes Gramaticais
PORTUGUÊS
Colocação Pronominal
Colocação Pronominal
PORTUGUÊS
Complemento Nominal
Complemento Nominal
PORTUGUÊS
Concordância Nominal
Concordância Nominal
PORTUGUÊS
Concordância Verbal
Concordância Verbal
PORTUGUÊS
Conjunção
Conjunção
PORTUGUÊS
Crase
Crase
PORTUGUÊS
Interjeição
Interjeição
PORTUGUÊS
Numeral
Numeral
PORTUGUÊS
Objeto Direto
Objeto Direto
PORTUGUÊS
Orações Coordenadas
Orações Coordenadas
PORTUGUÊS
Oração Subordinada Substantiva
Oração Subordinada Substantiva
PORTUGUÊS
Ortografia
Ortografia
PORTUGUÊS
Predicativo do Sujeito e do Objeto
Predicativo do Sujeito e do Objeto
PORTUGUÊS
Pretérito Imperfeito
Pretérito Imperfeito
PORTUGUÊS
Pronomes
Pronomes
PORTUGUÊS
Pronomes Pessoais
Pronomes Pessoais
PORTUGUÊS
Regência Nominal
Regência Nominal
PORTUGUÊS
Regência Verbal
Regência Verbal
PORTUGUÊS
Sinais de Pontuação
Sinais de Pontuação
PORTUGUÊS
Substantivo
Substantivo
PORTUGUÊS
Verbo Ser
Verbo Ser
PORTUGUÊS
Vocativo
Vocativo
PORTUGUÊS
Vozes Verbais
Vozes Verbais