Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Português

Regência Verbal

Bianca Ferraz
Publicado por Bianca Ferraz
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

A regência é um processo da língua pelo qual um elemento determinante subordina outro elemento, chamado, consequentemente, de subordinado. A marca dessa subordinação aparece explicitamente nas construções linguísticas por meio da preposição.

A regência verbal, por sua vez, refere-se ao modo como os verbos pedem ou não preposição para ligar-se a seus complementos, que podem ser, por exemplo, objetos indiretos ou diretos, isto é, com ou sem a necessidade de preposição, respectivamente.

Há, portanto, dentro das orações, termos que regem e outros que são regidos. Os termos que regem, ou regentes, são aqueles que pedem complemento, enquanto os termos regidos se referem aos termos que complementam os regentes.

Veja exemplos:

  • Eu fui ao centro da cidade.

Perceba que o verbo ir precisa que seu complemento seja introduzido pela preposição a, portanto, essa é a sua regência.

  • Informaram a aprovação ao aluno.

No exemplo acima, tem-se o caso de um verbo (informar) que possui regência dupla, pois se trata de um verbo transitivo direto e indireto (ou bitransitivo). Assim, o verbo pede dois complementos: um objeto direto (a aprovação) e um objeto direto (ao aluno).

Regência de alguns verbos

Alguns verbos apresentam várias regências ou mesmo apresentam, de acordo com a modalidade padrão culta da língua, uma regência diferente daquela utilizada no dia a dia, em um registro menos formal da língua. Por isso, é importante conhecê-las.

  • Abraçar: pede objeto direto.
  • Abdicar: pode ser intransitivo, transitivo direto ou transitivo indireto.
  • Acudir: se estiver no sentido de “socorrer”, “ajudar”, exige complemento preposicionado ou lhe.
  • Adorar: o complemento pedido pelo verbo é o objeto direto.
  • Agradar: no sentido de “acariciar”, pede objeto direto. No entanto, no sentido de “ser agradável”, sua regência exige objeto preposicionado pela preposição a.
  • Ansiar: No sentido de “causar ânsia” é transitivo direto. Quando utilizado no sentido de “almejar”, pode ser usado como transitivo direto ou, ainda, como transitivo indireto regendo a preposição por.
  • Ajudar: objeto direto ou indireto.
  • Aspirar: quando no sentido de “chupar”, pede objeto direto. Quando usado como sinônimo de “desejar”, deve ter complemento preposicionado.
  • Assistir: No sentido de “ver”, é transitivo indireto, regendo a preposição a. No sentido de “ajudar”, “prestar assistência”, pode ser transitivo direto ou transitivo indireto. No sentido de “caber”, “pertencer” é transitivo indireto. Por fim, quando utilizado no sentido de “morar” é intransitivo e rege a preposição em.
  • Esquecer: Pode ser transitivo direto ou transitivo indireto, quando estiver na 3ª pessoa e vier acompanhado de pronome.
  • Lembrar: Segue a mesma regência do verbo “esquecer”, ou seja, pode ser transitivo direto ou transitivo indireto, quando estiver na 3ª pessoa e vier acompanhado de pronome.
  • Implicar: Quando empregado com o sentido de “acarretar”, é transitivo direto. No sentido de “ter implicância”, é transitivo indireto. Por fim, no sentido de “envolver-se”, é transitivo direto e indireto.
  • Obedecer: De acordo com a modalidade padrão culta da língua, esse verbo é transitivo indireto. Entretanto, é muito comum que ele seja utilizado, na atualidade, como transitivo direto.
  • Desobedecer: Assim como seu antônimo, “obedecer”, é um verbo transitivo indireto. Vale a mesma observação a respeito de seu uso como transitivo direto na atualidade.
  • Preferir: É transitivo direto e indireto.
  • Renunciar: No sentido de “abrir mão de”, a regência é facultativa, podendo ter ou não preposição introduzindo o complemento verbal.
  • Responder: Quando utilizado no sentido de “dar resposta”, é transitivo indireto. No entanto, pode ser, também, transitivo direto e indireto, quando no sentido de “responder algo a alguém”.
  • Visar: Se estiver sendo utilizado no sentido de “apontar arma”, é transitivo direto, assim como ocorre quando no sentido de “vistar”. Por outro lado, no sentido de “pretender”, “objetivar”, é verbo transitivo indireto.

Exercícios

Exercício 1
(FGV/2007)

Assinale a alternativa em que a regência verbal está de acordo com a norma culta.

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

PORTUGUÊS
Acentuação Gráfica
Acentuação Gráfica
PORTUGUÊS
Adjetivos
Adjetivos
PORTUGUÊS
Advérbios
Advérbios
PORTUGUÊS
Agente da Passiva
Agente da Passiva
PORTUGUÊS
Aposto
Aposto
PORTUGUÊS
Artigo
Artigo
PORTUGUÊS
Classes Gramaticais
Classes Gramaticais
PORTUGUÊS
Colocação Pronominal
Colocação Pronominal
PORTUGUÊS
Complemento Nominal
Complemento Nominal
PORTUGUÊS
Concordância Nominal
Concordância Nominal
PORTUGUÊS
Concordância Verbal
Concordância Verbal
PORTUGUÊS
Conjunção
Conjunção
PORTUGUÊS
Crase
Crase
PORTUGUÊS
Interjeição
Interjeição
PORTUGUÊS
Numeral
Numeral
PORTUGUÊS
Objeto Direto
Objeto Direto
PORTUGUÊS
Objeto Indireto
Objeto Indireto
PORTUGUÊS
Orações Coordenadas
Orações Coordenadas
PORTUGUÊS
Oração Subordinada Substantiva
Oração Subordinada Substantiva
PORTUGUÊS
Ortografia
Ortografia
PORTUGUÊS
Predicativo do Sujeito e do Objeto
Predicativo do Sujeito e do Objeto
PORTUGUÊS
Pretérito Imperfeito
Pretérito Imperfeito
PORTUGUÊS
Pronomes
Pronomes
PORTUGUÊS
Pronomes Pessoais
Pronomes Pessoais
PORTUGUÊS
Regência Nominal
Regência Nominal
PORTUGUÊS
Sinais de Pontuação
Sinais de Pontuação
PORTUGUÊS
Substantivo
Substantivo
PORTUGUÊS
Verbo Ser
Verbo Ser
PORTUGUÊS
Vocativo
Vocativo
PORTUGUÊS
Vozes Verbais
Vozes Verbais