Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
Literatura

Humanismo

Laisa Ribeiro
Publicado por Laisa Ribeiro
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

Você conhece essa obra abaixo, chamada “A Criação de Adão”?

A Criação de Adão, de Michelangelo.A Criação de Adão, de Michelangelo.

Ela foi feita por Michelangelo, em 1512. Não é um quadro como todos os outros, uma vez que é uma pintura feita em um teto. Mais precisamente: no teto da Capela Sistina, a capela oficial da residência de todos os papas que já passaram pelo Vaticano.

Você percebeu como Adão está relaxado, tranquilo e mal se esforça para tocar na mão da figura que representa Deus? Na verdade, a impressão que temos é que Deus e os anjos é que estão se esforçando para tocar o ser humano.

Essa exaltação do homem é muito frequente no Humanismo, como explicamos a seguir.

Teocentrismo e antropocentrismo

Uma das principais características do movimento literário denominado Humanismo é a passagem do teocentrismo medieval para o antropocentrismo.

Achou as palavras difíceis? Calma que a gente explica!

Teocentrismo é uma ideia que diz que Deus está no centro de tudo. Era muito comum durante a Idade Média, em que a Igreja Católica tinha um poder político muito forte.

Mas e o antropocentrismo? Ele vê que a figura divina já não está no centro de tudo e sim o ser humano!

Contexto histórico

Entre os séculos XIV e XV, uma mudança muito importante ocorria na Europa: a sociedade começou a se libertar do poder da igreja e focou no ser humano e nos sentimentos terrenos.

O comércio estava progredindo cada vez mais. As pessoas passaram a morar em burgos – cidades que possuíam muralhas ao seu redor para se sentirem mais seguras. Dali, surgiu uma nova classe social: a burguesia.

Os burgueses não tinham nada a ver com a nobreza. Eles eram pessoas que adquiriam dinheiro a partir das atividades mercantis.

Como dissemos, o comércio estava progredindo e, com isso, os burgueses ganhavam cada vez mais dinheiro. Com o dinheiro, também vinha poder político.

Com esse poder, eles começaram a investir em cultura. Muitos burgueses se tornaram mecenas, ou seja, pessoas que investiam dinheiro em artistas e na arte.

O Humanismo surgiu na Itália, berço de intensomovimento cultural, no final da Idade Média. O apogeu desse movimento literário foi durante a época do Renascimento.

O rompimento com o pensamento de que Deus era o centro de tudo fez com que os artistas começassem a se espelhar nas obras da Antiguidade Clássica. Eles começaram a ler Aristóteles Platão e admirar as estátuas feitas com base em deuses pagãos, como Atena, por exemplo.

Deusa AtenaDeusa Atena

A Divina Comédia

Havia uma transição entre o mundo medieval e o mundo moderno sendo feita. Logo, o velho e o novo conviviam.

Um exemplo disso é a obra “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri. Esse poema conta a história de um homem que, vivo, vai para o inferno. Lá, ele é guiado por Virgílio, um poeta clássico. Tudo o que ele anseia é encontrar sua amada Beatriz, que havia morrido.

Pela viagem no inferno, ele conhece vários personagens famosos que morreram e foram para lá, como Cleópatra. Até o demônio ele chega a conhecer. Após o inferno, ele vai para o purgatório e, de lá, vai para o paraíso, onde revê sua amada e conhece Deus e os anjos.

Onde está o velho e o novo nessa obra?

O velho está presente no tema de caráter religioso, como o inferno e o paraíso católicos. Por outro lado, o novo está presente no fato de que Dante está sendo guiado por um poeta que representa a Antiguidade Clássica, que os humanistas admiravam tanto.

Dante e Virgílio no infernoDante et Virgile, 1850, por William Bouguereau

Características literárias

Algo que os humanistas também trouxeram da Antiguidade é o uso da razão para analisar sentimentos e comportamentos humanos.

Além disso, havia o auxílio da ciência e, agora, o ser humano era visto como um ser capaz de controlar o seu próprio destino. Todas essas características, mais uma vez, rompiam com os pensamentos religiosos.

O público, como no Trovadorismo, continuava sendo a corte, a nobreza e a aristocracia.

Contudo, as trovas - literatura oral - foram substituídas por uma forma fixa de poesia, chamada soneto - literatura escrita -. Outra diferença com o movimento literário anterior é que o amor passou a ser menos idealizado.

Fernão Lopes

Em Portugal, quem iniciou o Humanismo foi Fernão Lopes, escolhido como cronista-mor do reino em 1434.

Sua função era escrever sobre a vida dos reis portugueses por meio das crônicas, como a “Crônica de el-rei Dom Pedro I” e a “Crônica de el-rei D. Fernando”, por exemplo.

(...) o mui virtuoso Rei de boa memoria D. João, cujo regimento e reinado se segue, houve com o nobre e poderoso rei D. João de Castella, pondo parte de seus bons feitos fóra do louvor, que merecia, e evadindo em alguns outros de guisa que não aconteceram atrevendo-se a publicar esto em vida de taes que lhe foram companheiros bem veadores de todo o contrario.

Gil Vicente

Outro grande nome do Humanismo português foi o de Gil Vicente, primeiro dramaturgo do país. Ele escrevia peças teatrais moralizantes, ou seja, com temas que condenavam comportamentos considerados errôneos e que enalteciam as atitudes consideradas boas pela época.

Os autos eram peças teatrais acerca de temas religiosos e as farsas eram peças cômicas curtas.

O autor usava diversos tipos de personagens, como pobres, ricos, plebeus, nobres... Tudo por meio de alegorias. Ou seja, o personagem Sapateiro, por exemplo, transmitiria todas as características e estereótipos desse tipo de profissão. Os personagens representavam tipos sociais, mostrando as falhas dos indivíduos.

O enredo era construído com muito humor, para que a conscientização fosse passada para as pessoas de uma forma divertida e de fácil identificação.

Uma de suas obras mais famosas é a peça “Auto da Barca do Inferno”, representada pela primeira vez em 1531.

Nele, várias pessoas morreram e, após a morte, se encontram em um porto. Há dois navios em que podem entrar: um vai para o Céu, guiado pelo Anjo; já o outro vai para o Inferno, guiado pelo Demônio, personagem muito irônico.

Imagine-se você nessa situação: em qual navio você gostaria de entrar?

A seguir, um trecho da peça. A leitura pode parecer de difícil compreensão, mas você pode se propor um exercício interessante: ler como se fosse um leitor do século XVI!

DIABO À barca, à barca, houlá!

que temos gentil maré!

- Ora venha o carro a ré!

COMPANHEIRO Feito, feito!

Bem está!

Vai tu muitieramá,

e atesa aquele palanco

e despeja aquele banco,

pera a gente que virá.

Aqui, como na obra de Dante Alighieri, vemos uma leitura dos temas religiosos, mas com uma nova abordagem. A de Gil Vicente possui a visão de fazer uma crítica social com o uso do humor.

Humanismo na atualidade

A utilização da crítica feita por meio da diversão não parou em Gil Vicente.

Um exemplo está presente no cinema feito por Charlie Chaplin, ator que usou as comédias para criticar a sociedade em que vivia. Em “Tempos Modernos”, ele atua, de uma forma muito engraçada, no papel de um operário, mostrando como a classe proletária era explorada nas fábricas.

O Humanismo mostra como a Literatura consegue demonstrar mudanças tão importantes que aconteceram na sociedade. Ler essas obras permite entender melhor qual era a ideologia daqueles seres humanos, que eram iguais a nós. Todavia, viviam em um período tão diferente!


Exercícios

Exercício 1
(FUVEST)

Aponte a alternativa correta em relação a Gil Vicente:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

HISTÓRIA GERAL
Absolutismo
Absolutismo
LITERATURA
Abstracionismo
Abstracionismo
LITERATURA
Arcadismo
Arcadismo
LITERATURA
Barroco
Barroco
LITERATURA
Classicismo
Classicismo
HISTÓRIA GERAL
Colonialismo
Colonialismo
LITERATURA
Condoreirismo
Condoreirismo
HISTÓRIA GERAL
Cruzadas
Cruzadas
LITERATURA
Cubismo
Cubismo
LITERATURA
Dadaísmo
Dadaísmo
LITERATURA
Expressionismo
Expressionismo
LITERATURA
Fauvismo
Fauvismo
HISTÓRIA GERAL
Feudalismo
Feudalismo
LITERATURA
Futurismo
Futurismo
LITERATURA
Gêneros Literários
Gêneros Literários
HISTÓRIA GERAL
Idade Média
Idade Média
HISTÓRIA GERAL
Idade Moderna
Idade Moderna
HISTÓRIA GERAL
Mercantilismo
Mercantilismo
LITERATURA
Modernismo
Modernismo
LITERATURA
Naturalismo
Naturalismo
LITERATURA
Parnasianismo
Parnasianismo
LITERATURA
Prosa
Prosa
LITERATURA
Quinhentismo
Quinhentismo
LITERATURA
Realismo
Realismo
LITERATURA
Romantismo
Romantismo
LITERATURA
Trovadorismo
Trovadorismo
LITERATURA
Ultrarromantismo
Ultrarromantismo