Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
Vestibular e Enem

Primavera Árabe: pode cair no Enem?

por Giovana Murça em 11/08/20

No fim do ano de 2010 e começo de 2011, em pleno inverno no hemisfério Norte, acontecia a chamada Primavera Árabe: uma onda revolucionária de manifestações por melhores condições de vida e contra governos ditatoriais em diversos países do Norte da África e do Oriente Médio

primavera arabe
Manifestação com milhares de pessoas no Bahrein, em 2011 (Lewa'a Alnasr/Wikimedia Commons)

O nome Primavera Árabe faz referência à Primavera de Praga, um movimento político que ocorreu na Tchecoslováquia, em 1968, contra o regime autoritário e burocrático da União Soviética

As manifestações da Primavera Árabe eclodiram na Tunísia, em 2010, quando o jovem tunisiano Mohamed Bouazizi ateou fogo no próprio corpo em protesto à corrupção e repressão policial do país. Mohamed era vendedor de frutas e teve sua mercadoria confiscada pelas autoridades quando se recusou lhes pagar propina.

primavera arabe
Charge em homagem a Mohamed Bouazizi, que se tornou um símbolo de resistência na Tunísia (Reprodução/Latuff)

A autoimolação de Bouazizi gerou revolta na população tunisiana, que tomou as ruas em protestos. Em poucos dias, o presidente Zine el-Abdine Ben Ali fugiu para a Arábia Saudita, encerrando seus mais de 20 anos de governo ditatorial.

Logo, os movimentos se espalham para outros países da região, como Egito, Iêmen, Líbia, Argélia, Jordânia, Síria, Bahrein, Djibuti, Iraque, Omã,  Kuwait, Líbano, Mauritânia, Marrocos, Arábia Saudita, Sudão e Saara Ocidental.

primavera arabe
Mapa da Primavera Árabe (Ian Remsen/Wikimedia Commons)

As causas da Primavera Árabe

A Primavera Árabe é considerada a primeira grande onda de protestos democráticos do mundo árabe no século XXI. De modo geral, a população de todos os países envolvidos protestavam contra os governos ditatoriais estabelecidos desde a década de 1970, no contexto da Guerra Fria.

Ainda vivendo as consequências da Crise Mundial de 2008, as populações árabes sofriam com altos índices de desemprego, péssimas condições de vida, injustiça política e social, repressão e corrupção dos governos.

Ciberativismo

Um elemento primordial para que as revoluções se espalhassem pelo tantos países foi a internet. Pelas redes sociais, os manifestantes - em sua maioria, jovens - criticavam o governo, se mobilizavam e organizavam atos, como protestos, comícios, passeatas e greves.

primavera arabe
Mais de um milhão de egípcios na Praça Tahrir exigindo a remoção do regime e a renúncia de Mubarak, em 2011 (Jonathan Rashad/Wikimedia Commons)

Os revoltosos também se utilizaram das redes sociais para sensibilizar a população, atrair mais pessoas aos protestos e denunciar a opressão e censura dos governos à comunidade internacional.

Leia também: Atualidades Enem: Ciberativismo

Mais governos depostos

Após sucesso das manifestações na Tunísia, o movimento em massa contra o governo tomou as ruas do Egito, onde o presidente Hosni Mubarak renunciou dias depois, após 30 anos de mandato.

primavera arabe
Charge mostra Hosni Mubarak, ex-presidente do Egito, enfrentando o efeito dominó da revolução na Tunísia (Reprodução/Latuff)

Na Líbia, a revolta e violência dos rebeldes culminou no assassinato do presidente Muammar al-Gaddafi, que ficou 42 anos no poder. Além das renúncias e demissões, diante de toda instabilidade e manifestações populares na região, líderes de países como Iêmen, Iraque e Sudão, que estavam há décadas no poder, anunciaram que não tentariam reeleição.

Guerra Civil na Síria

Na Síria, a Primavera Árabe resultou numa guerra civil que perdura até hoje. Lá, o governo de Bashar al-Assad, cuja família está no poder desde a década de 1970, reagiu com violência às manifestações por mais liberdade política, massacrando a população revoltosa.

Primavera arabe
Cidade de Aleppo destruída por bombas durante Guerra Civil na Síria (Foto: Basma/Wikimedia Commons)

Para resistir à repressão, civis e militares desertores formaram exércitos rebeldes. Os conflitos se intensificam pela interferência e financiamento de países estrangeiros, com destaque para a Rússia e o Irã, a favor de Bashar al-Assad, e Estados Unidos, do lado dos rebeldes. A guerra se agravou ainda mais com o surgimento grupo terrorista Estado Islâmico.

Veja: Saiba quais são os principais grupos terroristas do mundo

Inverno Árabe

Apesar da queda de diversos ditadores, os movimentos da Primavera Árabe resultaram em instabilidade política, crise econômica, violência, calamidade social e guerras civis no mundo árabe, num período denominado Inverno Árabe.

O Inverno Árabe, sobretudo devido à Guerra Civil da Síria e atuação do Estado Islâmico, já vitimou milhões de pessoas e levou outras milhões a buscaram asilo em países vizinhos, gerando a maior crise migratória pós-Segunda Guerra Mundial.

Leia também: Crise Imigratória: Tudo o que você precisa saber sobre o tema

A Primavera Árabe pode cair no Enem?

A resposta é: sim! O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) já abordou sobre a Primavera Árabe em 2011 e, para Lucas Paulino, professor de Geografia e fundador da iniciativa Geo nas Redes, o tema pode se repetir. 

Primavera Árabe
Questão sobre Primavera Árabe no Enem de 2011 (Reprodução/Inep)

“O principal enfoque utilizado pelo Enem para a Primavera Árabe é o acesso a internet e como ele possibilita novas formas de manifestação das identidades e necessidades políticas. Porém, isso não impede que o exame relacione o tema com o aumento de tensões na região, processos como a onda migratória de 2010, diversidade étnica, dentre outras abordagens”, explica o professor.

Para mandar bem no tema, a dica do professor Lucas é se atentar às causas estruturais e consequências políticas, econômicas e sociais desse processo: “As questões abordadas no Enem, geralmente, trabalham com relações de causa e consequência. Então, é importante prestar atenção em fenômenos como a morte de ditadores na região, a busca por democracia, as guerras internas e as intervenções e interesses estrangeiros no mundo árabe”.

Veja também:
Plano de Estudo Enem de Boa: Baixe gratuitamente 
150 anos do fim da Guerra do Paraguai: Pode cair no Enem?

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
ALERTA DE VAGAS i-close
Descubra qual profissão mais se encaixa com você.

Não fique na dúvida sobre o seu futuro. Faça o Teste Vocacional do Quero Bolsa.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você compare vagas com bolsa em mais de 1.000 faculdades

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2021 CNPJ: 10.542.212/0001-54