Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Vestibular e Enem

Atualidades Enem: Crise de 1929 x Crise de 2008

por Giovana Murça em 20/05/20

A pandemia do novo coronavírus obrigou quase todo o mundo a parar suas atividades. Com o isolamento social, o faturamento de diversas empresas despencou e, consequentemente, o mercado financeiro desestabilizou. Alguns especialistas dizem que a crise econômica e social gerada pela pandemia do novo coronavírus pode ser igual ou até pior que as crises econômicas de 1929 e 2008

crise de 1929 e 2008
Crianças durante uma manifestação em 1929. Seus cartazes dizem "A criança de Rarig (um empresário da época) não passa fome. Por que deveríamos?" e “Por que não pode dar um emprego para o meu pai?” (Reprodução/Internet)

Para Augusto Neto, autor e professor de Geografia do Sistema de Ensino pH, com certeza há semelhanças entre as crises. “A crise atual nos lembra como a questão econômica e comercial global necessita de um ajuste fino, impactado por muitos fatores diferentes. Seja uma guerra, uma bolha imobiliária ou uma pandemia, grandes eventos desestabilizadores geram o famoso efeito dominó nos mercados globais”, opina.

Veja também: Teste: O que você sabe sobre a Covid-19?

Mas, você sabe o que foram as crises de 1929 e de 2008? Nesta matéria, você entende mais sobre essas crises e como elas podem aparecer no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Confira!

Crise de 1929

Após a Primeira Guerra Mundial, os Estados Unidos se consolidaram como a maior economia do mundo. Isso porque os EUA lucraram muito com a venda de suprimentos e armas durante a guerra. E, com o fim do conflito, forneceram produtos e crédito para a reconstrução da Europa.

Os anos 1920 foram de grande euforia econômica para os EUA. Nesse período, se estabeleceu o “American Way of Life”, expressão que sintetiza o estilo de vida americano, baseado no bem-estar e no consumo, e utilizado como propaganda do país.

crise de 1929 e 2008
Fila de sopa para desempegados durante a Crise de 1929 em frente a uma propaganda do American Way of Life: "O melhor padrão de vida do mundo. Não há jeito melhor que o jeito americano" (Margaret Bourke-White/Wikimedia Commons)

O sentimento otimista aliado ao liberalismo econômico quase irrestrito implantado pelo governo, intensificou os investimentos na produção industrial e agrícola, assim como a especulação no mercado financeiro. Com o ritmo de produção do fordismo, as mercadorias eram produzidas em larga escala. 

O período de crescimento econômico ainda favoreceu a popularização do mercado de ações. Muitos americanos começaram a comprar ações com objetivo de vendê-las com lucro, o que criava uma sensação de prosperidade, aumentando a especulação financeira. 

Entretanto, o aumento na produção não foi acompanhado pelo aumento dos salários e a concentração de renda, estabelecida principalmente com a formação de grandes monopólios e oligopólios, era cada vez maior. Além disso, a mecanização dos processos de produção e as dificuldades vividas na agricultura aumentavam o desemprego.

Superprodução

Gradativamente, o processo de boom na produção encontrou obstáculos no consumo, pois as famílias americanas não conseguiam consumir a grande quantidade de mercadorias produzidas. Ao mesmo tempo, a Europa retomava sua economia e também não conseguia absorver os produtos americanos.

Esse processo gerou uma crise de superprodução na economia americana, ou seja, a produção de bens superou - em muito - a capacidade de consumo pelo mercado, principalmente a partir de 1929.

crise de 1929 e 2008
Fila de famílias americanas esperando por ajuda financeira (Dorothea Lange/Wikimedia Commons)

Crash da Bolsa de Valores

Com o acúmulo de estoques e prejuízos, milhares de investidores passaram a ficar receosos em relação a seus investimentos. A supervalorização da bolsa estava baseada em uma bolha de concessão de crédito desregulado, superprodução e especulação.

Então, o clima de pessimismo se espalhou e provocou a venda em massa de ações. A grande oferta culminou na desvalorização e quebra ou crash da Bolsa de Valores de Nova Iorque, no dia 24 de outubro de 1929, conhecida como Black Thursday (quinta-feira negra).

crise de 1929 e 2008
Multidão em frente à Bolsa de Valores de Nova Iorque em outubro de 1929 (US-Gov/Wikimedia Commons)

A quebra da bolsa levou à falência de milhares de empresas e bancos. Se iniciava a Grande Depressão, período que se estendeu até 1933. Nesse período, empresários perderam todo seu patrimônio e o desemprego disparou, o que culminou em uma onda de suicídios, pobreza e alcoolismo. Já o PIB, as exportações e importações, a concessão de crédito, os salários e a produção despencaram.

Reflexos no mundo

Devido à interdependência da economia capitalista, logo a crise se espalhou pelo mundo. Os países da América Latina, que dependiam fortemente da exportação de produtos primários para os EUA, foram muito abalados, pois não havia mais quem comprasse seus produtos. No Brasil, houve uma crise sem precedentes na indústria do café.

A crise nos países europeus, principalmente na Alemanha, contribuiu para a ascensão do fascismo e nazismo ao poder. O único país que escapou relativamente ileso da crise foi a União Soviética, que já havia iniciado a transição para o socialismo.

New Deal

Em 1933, o presidente americano Franklin Delano Roosevelt lançou o New Deal (novo acordo), um plano de recuperação econômico que propunha um novo papel para o Estado, regulamentando a atividade econômica para criar demanda e restabelecer o consumo. 

Apesar de crítico ao liberalismo, o new deal não rompia com o capitalismo, mas, ao contrário, procurava salvá-lo. O novo plano aumentava os investimentos em obras públicas e reduzia a jornada dos trabalhadores, procurando, assim, criar mais empregos. Também foram feitos investimentos para recuperar a produção agrícola e criados novos órgãos para resolução de conflitos trabalhistas. 

crise de 1929 e 2008
Obras públicas para gerar emprego era uma das medidas do departamento Works Progress Administration, criado no New Deal (Reprodução/Internet)

A recuperação completa dos EUA se dá durante a Segunda Guerra Mundial, com a reabilitação de indústria bélica e a ajuda aos países mais afetados.

Crise de 2008

Décadas depois, uma nova crise se espalhou pelo mundo. A crise de 2008 também começou nos EUA, mas, dessa vez, seu estopim não foi relacionado ao modelo produtivo industrial e sim ao modelo de crédito imobiliário. 

O professor Augusto explica que o setor de construção civil dos EUA se dinamizou muito após anos de conflitos no Oriente Médio, gerando um superaquecimento em seu mercado interno. 

Bolha imobiliária

Para manter a estabilidade do setor, a partir da década de 1990, se flexibilizaram os critérios para a obtenção de empréstimos. Assim, milhares de americanos, até mesmo pessoas sem renda, conseguiram empréstimos a juros baixos para financiar suas casas. Era o chamado sistema de hipotecas subprimes, ou seja, empréstimos de alto risco e taxas de juros variáveis. 

As condições de crédito aumentaram a procura por casas. A alta demanda, por sua vez, valorizou os imóveis e criou uma bolha imobiliária, pois as casas eram financiadas por um valor mais alto do que valiam. 

crise de 1929 e 2008
Charge sobre a supervalorização irreal dos imóveis (Reprodução/Internet)

Além disso, os bancos americanos lançaram títulos no mercado financeiro no valor das hipotecas. Sem a fiscalização do governo, esses títulos eram bem avaliados em classificações fraudulentas de agências de classificação de risco dos próprios bancos privados e, por isso, negociados pelo mundo todo.

Inadimplência em massa

Entretanto, a concessão de crédito a famílias que não tinham condições de pagá-los se unia aos baixos salários e concentração de renda. Em 2005, quando o governo aumentou a taxa de juros para conter a inflação, muitos americanos não conseguiram mais honrar ou refinanciar suas dívidas e houve uma inadimplência em massa.

crise de 1929 e 2008
"Eu achei que eu estava apenas comprando uma casa" - Charge sobre a fragilidade dos títulos baseados em hipotecas de alto risco (Reprodução/Internet)

Sem dinheiro para realizar suas operações, muitos bancos ficaram descapitalizados. A situação foi exposta somente em 2007 e culminou na crise de 2008, a mais grave desde a 1929. A falência do banco de investimentos Lehman Brothers, um dos maiores do país, abriu caminho para a quebra de diversos outros bancos e empresas.

crise de 1929 e 2008
Funcionários retiram placa do banco Lehman Brothers (Reprodução/Reuters)

A crise deixou milhões de americanos sem casa e sem emprego, reduziu o consumo e impactou no mercado financeiro internacional. Nos anos seguintes, a recessão se propagou pelo mundo. No Brasil, houve falência de empresas, desemprego, queda no valor das ações e aumento do dólar.

Para socorrer a economia, o governo americano liberou trilhões de dólares aos bancos e adotou medidas para dificultar a compra de imóveis e manter os preços estáveis.

Como pode cair no Enem?

Por ser um fato histórico, o professor Augusto afirma que a crise de 1929 é uma tema bastante abordado no Enem. Já a crise de 2008, por ser um assunto mais da atualidade, aparece em questões interpretativas. 

O professor destaca que, na prova, a crise de 1929 costuma estar ligada com temas como a Primeira Guerra Mundial e o Fordismo. A crise de 2008, por sua vez, geralmente é associada com a globalização e a consequente interdependência das economias globais.

Confira exercícios sobre a Crise de 1929 no Manual do Enem

Quais as semelhanças e semelhanças entre as crises de 1929 e 2008?

crise de 1929 e 2008
Ao comparar as crises de 1929 e 2008, o chargista critica que na última crise afetou mais a população que os empresários e investidores (Reprodução/Internet)

Apesar dos diferentes estopins que levaram às crises - uma superprodução e, outra, bolha imobiliária -, ambas tiveram como protagonista os Estados Unidos e afetaram a economia global.

Outra diferença apontada por Augusto é a velocidade de propagação dos impactos econômicos: “Estamos falando de crises com quase 100 anos de intervalo e muito desenvolvimento tecnológico nas comunicações entre elas. No caso da crise mais recente, seu potencial de propagação foi muito mais rápido que o da primeira”.

Leia também:
Coronavírus no Enem: como o assunto pode cair em cada disciplina?
Saúde Mental: pode cair na Redação do Enem?
banner image banner image

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
ALERTA DE VAGAS i-close
Descubra qual profissão mais se encaixa com você.

Não fique na dúvida sobre o seu futuro. Faça o Teste Vocacional do Quero Bolsa.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você compare vagas com bolsa em mais de 1.000 faculdades

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54