Info Icon Help Icon Como funciona Ajuda
Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue
História Geral

Criação do Estado de Israel

Gabriela Bertelli
Publicado por Gabriela Bertelli
Última atualização: 11/4/2019

Introdução

Bandeira de Israel

A criação do Estado de Israel ocorreu em maio de 1948 através de um plano proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU). Esse acontecimento favoreceu os israelenses em detrimento dos palestinos. Dessa forma, diversos conflitos ocorreram em consequência da criação do Estado de Israel, como a Guerra dos Seis Dias, a Guerra do Yom Kippur e as crises do petróleo. Vale ressaltar que alguns desses conflitos decorrentes da criação do Estado de Israel acontecem até os dias atuais. 

Sionismo

O sionismo surge no final do século XIX, em uma Europa repleta de movimentos nacionalistas. Esse movimento baseia-se na teoria desenvolvida por Theodor Herzl que consiste na criação de um Estado próprio para os judeus, a fim de garantir a sobrevivência desse grupo, já que eles estavam dispersos pelo mundo. 

Sendo assim, através de uma justificativa bíblica, a região na qual deveria ser criado o Estado judaico era a da Palestina. Na época, essa região estava sob o domínio do Império Otomano, com predomínio de árabes e muçulmanos. 

Contexto histórico

Em 1918, ao final da Primeira Guerra Mundial, os britânicos passam a dominar a região da Palestina. Eles possuíam uma posição ambígua, vide a Declaração Balfour de 1917 (apoiando o sionismo) e o Livro Branco de 1939 (restringindo o povo judeu). 

Durante o período da Segunda Guerra Mundial, os judeus foram perseguidos, violentados e mortos. Dessa forma, ocorreu a imigração de judeus para a Palestina. Sendo assim, os árabes se revoltaram com a imigração judaica e essa tensão gerou conflitos entre eles. 

A Criação do Estado de Israel

Em 1947, após a Segunda Guerra Mundial e a saída dos britânicos, a Organização das Nações Unidas (ONU) criou um plano de partilha do território palestino entre árabes e judeus. Esse plano consistia na criação de dois Estados independentes e um regime internacional para administrar Jerusalém (cidade sagrada para judeus, muçulmanos e cristãos). Vale ressaltar que a sessão da assembleia geral foi presidida por Osvaldo Aranha, um brasileiro. Em maio de 1948 foi declarada a Independência do Estado de Israel por David Ben Gurion. 

Consequências da Criação do Estado de Israel

As lideranças judaicas aceitaram essas medidas, enquanto as lideranças árabes e palestinas não aceitaram. Assim que a decisão foi tomada, a Síria, a Jordânia, o Líbano e o Egito atacaram o recém formado Estado de Israel. 

Em 1949, houve uma trégua nesses conflitos. Após essa trégua, foi delimitada uma linha divisória no mapa que estabelecia os limites do território de Israel, conhecida como linha verde. No entanto, o Estado Palestino não foi criado de fato. 

Durante esse período, a Faixa de Gaza estava sob domínio egípcio, enquanto a Cisjordânia e o leste de Jerusalém estavam sob domínio da Jordânia. Além disso, Israel ocupou um território maior do que o esperado. Em consequência disso, diversos árabes foram expulsos de seus territórios e se refugiaram em países vizinhos. 

Após a Segunda Guerra Mundial, judeus sobreviventes do holocausto nazista migraram para Israel. 

Em 1964, a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) foi criada.

Em 1967 houve a Guerra dos Seis Dias entre Israel contra Jordânia, Egito e Síria. Israel vence esse conflito e domina a Faixa de Gaza, as Colinas de Golã, a Península do Sinai e o leste da Cisjordânia.

Em 1973, ocorreu a Guerra do Yom Kippur, conflito entre Egito e Síria contra Israel. Israel vence essa guerra. 

Ocorreram crises do petróleo após a criação do Estado de Israel.

Em síntese, diversos conflitos, alguns que acontecem até os dias atuais, foram travados após a criação do Estado de Israel, envolvendo outros países e grupos fundamentalistas. Os principais conflitos foram listados acima.


Exercícios

Exercício 1
(ENEM/2007)

Em 1947, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou um plano de partilha da Palestina que previa a criação de dois Estados: um judeu e outro palestino. A recusa árabe em aceitar a decisão conduziu ao primeiro conflito entre Israel e países árabes.

A segunda guerra (Suez, 1956) decorreu da decisão egípcia de nacionalizar o canal, ato que atingia interesses anglo-franceses e israelenses. Vitorioso, Israel passou a controlar a península do Sinai. O terceiro conflito árabe-israelense (1967) ficou conhecido como Guerra dos Seis Dias, tal a rapidez da vitória de Israel.

Em 06 de outubro de 1973, quando os judeus comemoravam o Yom Kippur (Dia do Perdão), forças egípcias e sírias atacaram de surpresa Israel, que revidou de forma arrasadora. A intervenção americano-soviética impôs o cessar-fogo, concluído em 22 de outubro.

Com base no texto, assinale a opção correta.

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, shorts e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...