Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Português

Oração Subordinada Substantiva

Bianca Ferraz
Publicado por Bianca Ferraz
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

As orações subordinadas substantivas são aquelas que apresentam o valor de um substantivo.

Sintaticamente, elas podem exercer a função de:

Elas podem aparecer em sua forma desenvolvida ou reduzida de infinitivo. Uma das maneiras mais simples de identificá-las e classificá-las é substituindo-as pelo pronome demonstrativo “isso”. Feita a substituição, basta verificar qual é a função exercida pelo pronome e, consequentemente, saberemos a classificação da oração em questão.

Exemplo:

“Não sabemos se elas foram sinceras.” → “Não sabemos isso.”

Fazendo a substituição da oração subordinada pelo pronome “isso”, vê-se claramente que a oração atua como objeto direto em relação à principal. Sendo assim, sua classificação é de oração subordinada substantiva objetiva direta.

Exemplo:

“Ela percebeu que eu tinha esperança de que ele voltasse.”

O exemplo acima é um pouco mais completo, pois o período é composto por três orações. A primeira gira em torno do verbo “percebeu”; a segunda, em torno do verbo “tinha”, e a terceira, por fim, gravita em torno do verbo “voltasse”.

Perceba que, nesse exemplo, a oração “que eu tinha esperança” é subordinada à oração “ela percebeu”. Mas, ao mesmo tempo, é uma oração principal em relação a “de que ele voltasse”.

Assim, é importante notar que a análise das orações deve ser feita separadamente. Para facilitar a análise, considere que:

  • Oração 1: “Ela percebeu”
  • Oração 2: “que eu tinha esperança”
  • Oração 3: “de que ele voltasse”

A oração 2, em relação à oração 1, é uma subordinada substantiva objetivo direta. A oração 3, por sua vez, é subordinada à oração 2, estabelecendo uma relação de complementar o nome “esperança”, sendo classificada, portanto, como oração subordinada substantiva completiva nominal.

📝 Você quer garantir sua nota mil na Redação do Enem? Baixe gratuitamente o Guia Completo sobre a Redação do Enem! 📝

Classificação das orações subordinadas substantivas

A classificação das orações subordinadas substantivas se dá a partir do reconhecimento da função sintática por elas exercida em relação à oração principal do período. Veja a denominação dada a cada uma das orações subordinadas substantivas conforme a função que elas assumem:

  • Orações subordinadas substantivas subjetivas: exercem função sintática de sujeito. Exemplo: “Nota-se que é inteligente” → “Nota-se isso”.
  • Orações subordinadas substantivas objetivas diretas: exercem função de objeto direto. Exemplo: Quero que ela seja feliz” → “Quero isso”.
  • Orações subordinadas substantivas objetivas indiretas: exercem função sintática de objeto indireto. Exemplo: “Tudo depende de você se esforçar” → “Tudo depende disso”.
  • Orações subordinadas substantivas completivas nominais: exercem função sintática de complemento nominal. Exemplo: “Tenho necessidade de que me ajudes” → “Tenho necessidade disso”.
  • Orações subordinadas substantivas predicativas: exercem função sintática de predicativo do sujeito. Exemplo: “O grande problema é que sou desastrada” → “O grande problema é isso”.
  • Orações subordinadas substantivas apositivas: exercem função sintática de aposto. Exemplo: “Peço-lhe uma coisa: que siga seu coração” → “Peço-lhe uma coisa: isso”.

📚 Você vai prestar o Enem 2020? Estude de graça com o Plano de Estudo Enem De Boa 📚

Orações subordinadas substantivas justapostas

São chamadas de justapostas as orações subordinadas substantivas que não vêm introduzidas pelas conjunções integrantes “que” e “se”.

Em geral, essas orações são iniciadas com pronomes indefinidos ou advérbios interrogativos, tais como “quem”, “quando”, “como” etc.

Exemplo:

“Quem tudo quer tudo perde.”

Note que a oração subordinada, nesse caso, é “quem tudo quer” e que essa oração pode ser classificada normalmente, como as outras orações subordinadas substantivas, de acordo com a função sintática que exerce em relação à oração principal. A oração em questão, por exemplo, exerce o papel de sujeito e, por isso, é classificada como subjetiva.

Observação: As conjunções “que” e “se”, ao introduzir orações subordinadas substantivas, classificam-se como conjunção integrante, exceto nos casos das orações com valor sintático de aposto, pois, nesse caso, as conjunção adquirem valor expletivo, visto que servem apenas como realce.


Exercícios

Exercício 1
(MACKENZIE)

Assinale a alternativa em que “se” é conjunção integrante.

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

PORTUGUÊS
Acentuação Gráfica
Acentuação Gráfica
PORTUGUÊS
Adjetivos
Adjetivos
PORTUGUÊS
Advérbios
Advérbios
PORTUGUÊS
Agente da Passiva
Agente da Passiva
PORTUGUÊS
Aposto
Aposto
PORTUGUÊS
Artigo
Artigo
PORTUGUÊS
Classes Gramaticais
Classes Gramaticais
PORTUGUÊS
Colocação Pronominal
Colocação Pronominal
PORTUGUÊS
Complemento Nominal
Complemento Nominal
PORTUGUÊS
Concordância Nominal
Concordância Nominal
PORTUGUÊS
Concordância Verbal
Concordância Verbal
PORTUGUÊS
Conjunção
Conjunção
PORTUGUÊS
Crase
Crase
PORTUGUÊS
Interjeição
Interjeição
PORTUGUÊS
Numeral
Numeral
PORTUGUÊS
Objeto Direto
Objeto Direto
PORTUGUÊS
Objeto Indireto
Objeto Indireto
PORTUGUÊS
Orações Coordenadas
Orações Coordenadas
PORTUGUÊS
Ortografia
Ortografia
PORTUGUÊS
Predicativo do Sujeito e do Objeto
Predicativo do Sujeito e do Objeto
PORTUGUÊS
Pretérito Imperfeito
Pretérito Imperfeito
PORTUGUÊS
Pronomes
Pronomes
PORTUGUÊS
Pronomes Pessoais
Pronomes Pessoais
PORTUGUÊS
Regência Nominal
Regência Nominal
PORTUGUÊS
Regência Verbal
Regência Verbal
PORTUGUÊS
Sinais de Pontuação
Sinais de Pontuação
PORTUGUÊS
Substantivo
Substantivo
PORTUGUÊS
Verbo Ser
Verbo Ser
PORTUGUÊS
Vocativo
Vocativo
PORTUGUÊS
Vozes Verbais
Vozes Verbais