Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Vestibular e Enem

Atualidades Enem: A questão indígena no Brasil

por Giovana Murça em 05/09/19 2,6 mil visualizações

Na maioria das escolas, os estudantes começaram a aprender sobre os povos indígenas nas aulas sobre o Descobrimento do Brasil, em 1500. Isso acontece porque a história estudada nos livros é contada a partir da visão europeia. 

Os diversos povos indígenas já viviam nessas terras milênios antes dos europeus chegarem. Até as denominações “índios” e “indígenas” são herança do colonizador, na verdade eles se chamavam Karajá, Suyá, Kamayurá, Xavante, etc. 

atualidades indígenas
(Reprodução/Articulação dos Povos Indígenas do Brasil)

Hoje, quinhentos anos após a chegada dos portugueses, a realidade dos povos indígenas é bem diferente, com uma série de desafios. A questão indígena no Brasil é um tema pertinente nos dias atuais e muito presente nas provas do Enem

Entretanto, o professor de História, Vinícius Araújo, do Anglo Vestibulares acredita que, na prova desse ano, a questão indígena será tratada de forma mais direta e técnica, “analisando os processos históricos sem discussões mais aprofundadas sobre injustiças, necessidade de inclusão social e cidadania”.

Descobrimento e colonização 

Antes dos portugueses chegarem, estima-se que haviam cerca de 5 milhões de pessoas nativas no território, divididos em mais de mil tribos, com caráter comunitário, agricultura complementar à caça e a coleta e rituais antropofágicos. “Havia uma enorme pluralidade entre essas tribos”, explica Vinícius.

atualidades indígenas
Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro em 1500 (Oscar Pereira/Wikimedia Commons)

O encontro com os europeus e a submissão ao processo de colonização dizimou os indígenas. “Não havia possibilidade alguma de uma coexistência pacífica e sem alterações culturais entre eles e por isso ocorreu uma dominação de uma cultura sobre a outra. No entanto, mesmo que essa dominação tenha sido unilateral e violenta, houve trocas culturais significativas”, comenta Vinícius. 

Plano de Estudo Enem 2019: Baixe gratuitamente o plano desse mês

Milhares de indígenas foram mortos por conflitos armados, violências dos portugueses, doenças trazidas pelos estrangeiros e pela escravização. Em meados de 1600, o número de indígenas já havia caído de 5 milhões para 700 mil

Bandeirantes

A atuação dos bandeirantes também levou a morte de milhares de indígenas. As bandeiras eram expedições para explorar o interior do Brasil em busca de ouro, pedras preciosas, capturar indígenas para o trabalho escravo e combater rebeliões indígenas. As bandeiras foram proibidas em 1750 para dar lugar ao tráfico de escravos africanos. 

atualidades indígenas
Vitral ilustrando os bandeirantes sequestrando indígenas (Pixabay)

Missões jesuítas

Além disso, os povos indígenas também foram obrigados a aprender o português, se converter ao catolicismo e aderir às vestimentas e costumes europeus, principalmente por meio das missões jesuítas. As missões jesuítas eram aldeias indígenas administradas por padres jesuítas, com o objetivo de catequizar os nativos, entre o século XVI e XVIII.

atualidades indígenas
Primeira Missa no Brasil (Victor Meirelles/Wikimedia Commons)

Indígenas na Literatura

O Romantismo brasileiro, no Segundo Reinado, começa a se preocupar com a identidade nacional. A primeira fase do Romantismo foi a indianista, representada por romances nacionalistas que enfatizavam as figuras indígenas e a natureza, como os livros Iracema e O Guarani, de José de Alencar.

“Na prova podem aparecer questões interdisciplinares de História e Literatura, que abordem a figura do indígena no Romantismo brasileiro”, destaca Vinícius.

atualidades indígenas
Iracema (José Maria de Medeiros/Wikimedia Commons)

Pós-colonização

Do período colonial até o Brasil República, os conflitos e massacres de povos indígenas continuavam na medida em que o desenvolvimento se expandia para o Norte do país. Somente em 1910 foi criado o primeiro órgão do governo destinado a assistências à população indígena, o Serviço de Proteção ao Índio (SPI). Em 1967, o órgão foi substituído pela Fundação Nacional do Índio (Funai), atuante até hoje.

Marcha para o Oeste

Durante a ditadura do Estado Novo, Getúlio Vargas colocou em prática o programa “Marcha para o Oeste”, que visava promover a integração econômica e povoamento do Norte e Centro-Oeste do Brasil. 

Entre os sertanistas que promoveram as expansões, se destacam os irmãos Villas-Bôas. Eles implantaram uma nova política em relação aos indígenas que consiste na preservação dos valores culturais indígenas como única forma desses povos sobreviverem. Com ajuda deles, em 1961, foi fundado o Parque Nacional do Xingu, uma das mais importantes reservas indígena das Américas.

atualidades indígenas
Luta esportiva dos indígenas do Parque do Xingu (Marcello Casal/Agência Brasil)

Transamazônica

No período da Ditadura Militar, ficaram marcadas as obras faraônicas, como a Rodovia Transamazônica e a Rodovia Perimetral Norte que tiveram obras desastrosas e custaram a vida de cerca de 10 mil indígenas, com expulsão dos povos, conflitos e transmissão de doenças. Além de abrir espaço para o desmatamento da Floresta Amazônica, com a chegada de garimpos, pecuária e madeireiras ilegais. 

Os povos indígenas em números

Em 1992 foi a primeira vez que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) incluiu a categoria indígenas como raça. Nesse censo, 294 mil pessoas se autodeclararam indígenas, cerca de 0,2% da população brasileira.

Em 2010, o IBGE incluiu a língua e localização desses povos. Nesse censo mais recente, O Brasil totalizou 896,9 mil pessoas indígenas, distribuídas em 305 etnias e 274 línguas, uma das maiores diversidades do mundo. São povos diferentes entre si em relação à cultura, crenças, hábitos e idiomas. 

Mais de 70% dessa população se concentra na região Norte, principalmente na Amazônia Legal. A maioria (63,8%) mora em área rural e 36,2% em área urbana. Atualmente são cerca de 700 terras indígenas oficialmente reconhecidas, 13,8% do território brasileiro, onde moram 57,7% dos indígenas. 

Direitos dos indígenas

Para preservar sua própria cultura, os indígenas se veem obrigados a assimilar a língua e cultura dominante para que possam reivindicar seus direitos junto ao Estado brasileiro. Por isso, hoje é comum manifestações indígenas no Congresso e indígenas na política.

atualidades indígenas
Manifestação indígena em frente ao Palácio do Planalto em 2016 (Antonio Cruz/Agência Brasil)

O primeiro avanço nesse sentido foi em 1973, quando surgiu o Estatuto do Índio. O estatuto afirmava que os indígenas deviam ser tutelados pelo Serviço de Proteção ao Índio, e posteriormente pela Funai, até que se integrassem à sociedade brasileira. 

Leia: Participação indígena no Ensino Superior aumenta mais de 500% em seis anos; mulheres são a maioria

A Constituição de 1988 reconheceu oficialmente os direitos dos indígenas à cidadania e às suas terras, e respeito à sua identidade, organização social, cultura, costume, crenças e tradições.

Demarcação de terras indígenas

Para ter direito oficialmente sobre suas terras de origem, é necessário haver a demarcação de terras, ou seja, a delimitação legal das áreas indígenas. O órgão responsável por identificar, demarcar e monitorar as terras indígenas é a Funai. A decisão final é feita pela presidência da República.

atualidades indígenas
Manifestação indígena no Congresso Nacional em 2017 (Marcos Oliveira/Agência Senado)

Para os indígenas, suas terras não são apenas moradia e meio de subsistência, também representam seu modo de vida e cultura, sendo essenciais para que eles e sua cultura sobrevivam. Eles também têm papel fundamental na preservação da fauna e flora local e no combate ao desmatamento.

atualidades indígenas
Representantes indígenas acompanham julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a demarcação contínua da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima (Agência Brasil)

Sobre as demarcações de terras, o professor Vinícius acredita o Enem possa cobrar questões interdisciplinares entre História e Geografia sobre: “a formação territorial brasileira e seus conflitos; fluxos migratórios internos, suas motivações e contextos; demarcação de terras indígenas e áreas de preservação natural”.

PEC 215

A demarcação das terras não vem tendo um aumento gradual em cada novo mandato presidencial e nem foi concluída em cinco anos, como previsto na Constituição Federal. 

Em 2000, a PEC 215 gerou ainda mais discussões sobre o tema. A PEC 215 propõe que o poder de demarcação de terras indígenas e quilombolas passe do Executivo para o Congresso. A medida está pronta para votação em plenário e os contrários temem que a demarcação seja influenciada por interesses políticos.

atualidades indígenas
(Reprodução/Latuff/D'Incao)

No atual governo, o assunto ainda é polêmica após algumas declarações negativas do presidente sobre a quantidade de terras indígenas demarcadas no Brasil e que elas poderiam inviabilizar o país.

Conflitos indígenas hoje

A demora no processo de demarcação de terras e as invasões nas terras já demarcadas geram conflitos com fazendeiros, grileiros e extrativistas ilegais, e até mortes indígenas.

atualidades indígenas
(Reprodução/Latuff/D'Incao)

O avanço do agronegócio, queimadas na Amazônia, desmatamento e inundações em decorrência da construção de barragens e hidrelétricas, faz com que muitos indígenas percam seus territórios. Hoje, o Parque do Xingu, por exemplo, é considerada uma “ilha verde” em meio a plantações de soja.

Leia: Desmatamento da Amazônia: Tudo o que você precisa saber para o Enem

Além disso, a população indígena também sofre com a pobreza, miséria, desnutrição, violência e aumento nos casos de alcoolismo e suicídio, principalmente entre jovens. Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), os casos de suicídio entre indígenas brasileiros cresceram 20% entre 2016 e 2017.

Pode cair na Redação?

A questão dos indígenas no Brasil pode ser também um tema de redação no Enem desse ano. O professor de Redação Thiago Braga, do Sistema de Ensino pH, pressupõe que, caso caia o tema, o enfoque pode ser a demarcação de terras indígenas pelo estado, de modo a garantir que os indígenas possam manter seus hábitos e costumes.

“Para algumas tribos, a terra tem um caráter de ancestralidade e não é um elemento que pode ser comercializado, como é para nós. No caso dessas tribos, existe uma série de questões ligadas à ancestralidade e à ritualística. Um exemplo é a  tribo dos Guarani Kaiowá, que ameaçou suicídio coletivo caso fosse tirada da sua terra. Eles alegaram que precisavam viver ali, onde os antepassados viveram e estavam enterrados”, enfatiza Thiago.

atualidades indígenas
(Reprodução/Internet)

Outro ponto relevante para contextualizar a redação são os atuais confrontos no Norte do país, “principalmente envolvendo mineradores e agricultores que têm invadido as terras e ameaçado ou assassinado líderes indígenas”, conclui o professor.

banner image banner image

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
ALERTA DE VAGAS i-close
Descubra qual profissão mais se encaixa com você.

Não fique na dúvida sobre o seu futuro. Faça o Teste Vocacional do Quero Bolsa.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você compare vagas com bolsa em mais de 1.000 faculdades

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54