Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Profissões

Professores esbarram em falta de estrutura e formação para uso da tecnologia no ensino

por Mathias Sallit em 15/10/20

Uma folha de papel frente e verso. Esse é o espaço que a professora Laura Miranda possui para enviar o conteúdo das aulas de Educação Física de todo o bimestre para os alunos da escola municipal em que leciona, em uma cidade com cerca de 44 mil habitantes no interior de São Paulo.

Para ela, o ensino remoto não se trata de videochamadas, lives e apostilas virtuais. A solução encontrada para que os alunos da rede municipal que não possuem acesso à internet acompanhem as matérias da escola durante a pandemia foi reunir planos de aula de cada disciplina e formar um caderno com blocos de atividades.

Assim, os estudantes ou seus responsáveis buscam o material na escola, realizam a atividade em casa, devolvem no colégio e, enfim, os professores recebem e corrigem as atividades para acompanhar o desenvolvimento dos alunos.

(Foto: Arquivo Pessoal)
3º bloco de atividades elaborados por Laura; hoje, ela já enviou o 6º

Foi dessa maneira que 62% das escolas do Brasil disponibilizaram o material de suas aulas aos estudantes, segundo pesquisa sobre as atividades remotas utilizadas na Educação Básica durante a pandemia realizada pela Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), em outubro.

"Como estamos tratando de um ensino público, é tudo muito limitado. Nós temos quantidade de folhas muito limitadas, qualidade de impressão muito limitada, não é uma impressão colorida, é uma impressão preto e branco", relata Laura.

Desde que a pandemia forçou todas as fases da educação a recorrerem ao ensino remoto, a ausência de recursos para que os alunos tenham acesso a todo o conteúdo das aulas foi escancarada e tem dificultado o processo de ensino-aprendizagem.

Laura lembra que o único contato virtual com os alunos é feito por WhatsApp e, mesmo assim, encontra diversas dificuldades de comunicação com pais e alunos, como falta de interesse, internet, aparelho celular e de acesso à leitura e escrita das mensagens pelos responsáveis.

Essa falta de infraestrutura e conectividade dos estudantes foi apontada como um desafio para 79% dos professores que responderam a terceira etapa da pesquisa "Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do Coronavírus no Brasil”, realizada pelo Instituto Península no final de agosto.

"Com a ajuda da tecnologia, a pandemia vem mostrar que a escola pode acontecer onde as pessoas estiverem e onde for possível existir o diálogo entre aprendentes e objeto do conhecimento. A tecnologia vem ajudar a descentralizar a escola. Mas ela, infelizmente, ainda não é acessível a todos", afirma a diretora executiva do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), Cláudia Santa Rosa.

A necessidade de aulas remotas revelou o problema de exclusão digital de parte da população de muitos países ao redor do mundo. No Brasil, a pandemia apenas evidenciou o cenário desigual de acesso à educação e à ferramentas digitais já enfrentado por alunos e professores em condições normais.

"Independente de pandemia, nós temos uma realidade em que o digital não foi democratizado e ainda estamos muito analógicos. Temos escolas pelo país que o laboratório de informática ainda não chegou, escolas com muitos laboratórios de informática obsoletos, escolas com máquinas quebradas há anos. Não existe uma política sistemática para democratizar esse acesso, toda escola ter o seu laboratório de informática, e nem temos políticas de manutenção, de recuperação [de equipamentos]", explica Cláudia, que também é coordenadora pedagógica na Rede Estadual de Ensino do Rio Grande do Norte, onde atua há 30 anos.

(Foto: Arquivo Pessoal)
educação física tecnologia professores
Com uma camiseta estampada com a frase "Lute como uma professora", Laura dá aulas de Educação Física na escola antes da pandemia

As principais dificuldades que o cenário de crise sanitária refletiu no trabalho de Laura foram a falta de embasamento e de apoio para lidar com a situação. "O professor sente essa sensação de impotência, de não conseguir fazer com que o aluno aprenda do jeito que ele gostaria, de não ter condições de oferecer o que ele acredita e o que ele sabe que seria o melhor para esse momento", desabafa a professora.

Leia também:
Desafios do ensino remoto impactam na saúde mental dos professores
EaD facilita acesso ao Ensino Superior para pessoas de baixa renda e expõe carência de políticas públicas no setor

Tecnologias digitais em aulas também é desafio para professores

Outro fator de problemas apontado por quase metade dos educadores (49%) no levantamento do Instituto Península foi a falta de formação para lidar com os desafios do ensino remoto. Além disso, 46% relataram falta de conhecimento de ferramentas virtuais que pudessem agregar ao ensino remoto.

(Reprodução/Instituto Península)
professores tecnologia
Pesquisa: “Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do Coronavírus no Brasil”, do Instituto Península

Caroline Lima é professora de redação em uma escola de Ensino Fundamental particular de Paulínia (SP) e dá aulas de inglês em uma escola de idiomas de Campinas (SP), além de ser corretora de redação em um cursinho pré-vestibular na região. As aulas remotas quebraram as expectativas para o seu primeiro ano de carreira como formada em Letras.

"Quando as escolas começaram a sinalizar que seria necessário pensar aulas remotas e um período de fechamento, fiquei me sentindo muito insegura e frustrada", ela conta. "Por serem as primeiras experiências, eu estava a milhão pensando em como fazer o melhor possível com o que eu sabia, não reproduzir as coisas que eu acredito estarem ultrapassadas ou descontextualizadas em termos de educação."

Com o isolamento social, cada uma das instituições em que leciona abriu diferentes possibilidades de adaptação das aulas.

"Uma das escolas estava mais preparada no sentido de ferramentas clássicas, Google Institucional, treinamentos do Google for Education, mas que ainda assim estavam sendo pensados e implementados para o uso presencial. Já outra escola tinha um foco no uso das tecnologias com um aspecto menos formal. Os treinamentos envolviam uso de ferramentas que fossem criar aulas mais lúdicas, interativas, que atendessem a uma espécie de gamificação do aprendizado para os alunos", diz Caroline.

(Foto: Arquivo Pessoal)
professores tecnologia
Caroline durante aula remota na escola de Idiomas em que leciona

Mesmo já com alguma preparação, todo o esforço necessário para adaptar as aulas remotas às ferramentas virtuais demandou muito tempo, e a urgência fez com que as horas de ofício se estendessem muito além das horas trabalhadas presencialmente.

"O ritmo era insano. Gravar aula, montar exercício, reuniões e mais reuniões pensando em adaptação de prova, atividade em grupo, treinamento sobre as plataformas de ligação online", ela relata. "Foi uma rotina extenuante que, agora, meses depois, está sendo melhor organizada."

O cenário emergencial imposto pelo novo coronavírus também transformou a percepção dos professores sobre o uso da tecnologia, de acordo com o Instituto Península. Enquanto antes da pandemia 43% dos professores consideravam nada ou pouco importante, agora 94% dos educadores enxergam o uso da tecnologia como muito ou completamente importante no processo de aprendizagem.

(Reprodução/Instituto Península)
Pesquisa: “Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do Coronavírus no Brasil

"O professor, por não ter sido preparado e não ter sido imerso no meio digital ainda no seu processo formativo, não conseguiu levar ainda para a escola, com toda a carga, o uso dessa tecnologia a favor do processo de ensino-aprendizagem", explica Cláudia Santa Rosa, diretora executiva do IDE.

"Com a pandemia ele passa a perceber a importância da tecnologia e essa convocação para o ensino híbrido. A pandemia traz esse movimento de repensar a escola, a relação de ensino-aprendizagem, a importância de potencializar os estudantes para acessarem informações de forma mais construtiva e mais eficiente. E o professor é estratégico. Ele é parte importante desse processo, porque continua a ser um grande orientador, um grande mediador desse processo todo", Cláudia completa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A formação e o incentivo ao uso da tecnologia em Licenciaturas

Além do treinamento nas escolas, a professora Caroline Lima conta que sua experiência acadêmica ajudou na fase de adaptação de suas aulas. Formada em Letras pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), seu campo de pesquisa em Linguagem Aplicada na universidade estudou o uso de mídias sociais, especificamente o YouTube, na escola, com o apoio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

"Por isso, eu estava um pouco mais confortável com aliar as mídias digitais, por exemplo, como um objeto em sala de aula. Isso está ajudando a pensar atividades de discussão e produção de texto nesse período", ela conta.

Em relação a outras universidades públicas, ela considera que a Unicamp aproxima os estudantes à tecnologia, mas afirma as disciplinas que tratavam o assunto ficavam muito no campo teórico e faltavam com a prática.

"Pensávamos sobre as implicações do uso de tecnologia, os impactos no ensino da linguagem, como os materiais didáticos pareciam lidar com gêneros textuais que não eram mais usuais para a geração de alunos que está na escola agora. Porém, imagino que se os usos e as ferramentas disponíveis para educação online tivessem sido discutidas durante a graduação eu poderia ter um uso mais proficiente delas", conta a professora.

(Foto: Arquivo Pessoal)
professores tecnologia
Mesmo com as dificuldades, Caroline recebe o carinho de seus alunos durante as atividades online

As diretrizes curriculares estipuladas pelo Ministério da Educação (MEC) para cursos de Licenciatura colocam o uso de tecnologias digitais durante a graduação nas faculdades como parte fundamental da formação de professores para que os recursos sejam aplicados de forma eficiente no processo de aprendizagem.

As licenciaturas na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) contam com a disciplina "Tecnologias Digitais na Formação de Professores" em suas grades. De acordo com Sônia Bonelli, coordenadora da graduação em Pedagogia da Escola de Humanidades da PUCRS, o tema já faz parte do currículo do curso desde 2007.

"Ela é trabalhada em uma relação teórico-prática. É preciso buscar um referencial que sustente a utilização das novas tecnologias como ferramentas na organização e sistematização do trabalho pedagógico, mas também é preciso instrumentalizar os alunos no uso dessas novas ferramentas e aplicativos para uso em sala de aula", explica a coordenadora.

Para ela, cada vez mais as licenciaturas vão contar com disciplinas assim, mas o desafio da formação de professores capacitados a utilizar a tecnologia em aulas não se resume apenas a um semestre de aulas. "É preciso um engajamento de todo o corpo docente trabalhando com propostas diferenciadas de ensino e aprendizagem", afirma Sônia.

"Nós, professores do Ensino Superior, devemos perceber o uso das tecnologias como nossa aliada e também precisamos de formação. Quanto mais estudarmos, quanto mais nos aprofundarmos, mais veremos a necessidade de mudança", completa a coordenadora da PUCRS.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Iniciativas de apoio de professores para professores

A pesquisa do Instituto Península ainda mostra que, durante a pandemia, 57% dos professores buscaram cursos de formação para utilizar ambientes e recursos virtuais de ensino e aprendizagem. Além disso, 53% dos docentes procuraram tutoriais e dicas existentes na internet para tentar se adaptar às ferramentas nos últimos meses.

Por isso, iniciativas de mentoria se popularizaram entre educadores que querem entender os recursos e aprender novas habilidades. Uma dessas iniciativas é o Papo de Profes, rede que se propõe a conectar e capacitar professores de Idiomas, nas áreas de metodologia e didática.

"Para preencher o gap entre o que esse professor não aprende na faculdade e é exigido dele na vida real, a gente criou o Papo de Profes", explica a idealizadora Daniele Pechi, jornalista e professora de Idiomas formada em Letras com habilitação em Português e Alemão na Universidade de São Paulo (USP).

"Além da gente fazer isso, nós temos na nossa proposta construir uma comunidade de professores que se ajudam, que estão em contato e se apoiam o tempo todo", completa Daniele.

O projeto possui cursos de apoio, materiais e conteúdos gratuitos disponibilizados no YouTube e Instagram, com dicas e sugestões para os educadores que lecionam idiomas. "Como agora estamos caminhando para um modelo híbrido de ensino, acho que cursos como esse são cada vez mais necessários, porque os professores ficam muito perdidos sem saber qual ferramenta priorizar e o que de fato eles precisam fazer", conta a professora.

"O importante é entender que se você souber algumas dessas ferramentas e masterizar essas ferramentas já está ótimo. Sabendo algumas que são estratégicas, você consegue ter diversos tipos de atividades super interativas e colaborativas, que vão deixar o professor muito seguro para seguir com as aulas online."

"Ele vai poder olhar novamente para o pedagógico, para prospectar mais alunos e para ter mais qualidade de vida, coisas que foram tiradas deles nos últimos meses", conclui Daniele.

Outra iniciativa que dá apoio aos professores e que tem sido aproveitada no período da covid-19 é o YouTube Edu, feito em parceria do YouTube com a Fundação Lemann, projeto onde os educadores podem publicar videoaulas ou utilizar os conteúdos submetidos em suas aulas. O programa ofereceu curadoria para que educadores pudessem produzir o conteúdo audiovisual, como explica João Luís Machado, especialista em educação e tecnologia que atuou como curador do projeto.

"O YouTube Edu teve como propósito realizar a curadoria de vídeos educacionais a partir da avaliação por especialistas de diferentes áreas do conhecimento, com conhecimento dos segmentos do Ensino Básico, em especial Ensino Médio e Ensino Fundamental II, áreas em que temos a concentração da maior parte desses materiais em vídeo", conta.

Veja mais:
Qual é o futuro das profissões mais tradicionais brasileiras no pós-pandemia?
À espera de condições sanitárias, universidades começam a planejar volta às aulas presenciais
banner image banner image

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Você pretende trabalhar e estudar ao mesmo tempo?
ALERTA DE VAGAS i-close
Para se dedicar integralmente aos estudos é sempre bom economizar.Money c94fde8014ac9b0d5ad05d244e1821fb246018cdc3570b09f72c25fde99f7b1a

Gostaria de ser avisado sempre que uma vaga estiver disponível aqui no site Quero Bolsa?

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você encontra as melhores vagas em diversos turnos, até mesmo ensino a distância.

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Você pretende trabalhar e estudar ao mesmo tempo?
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54