Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Redação

Tipologia textual

Davi Silva
Publicado por Davi Silva
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

Os textos estão presentes em toda parte no nosso cotidiano. Seja uma propaganda em um outdoor, seja uma notícia na TV, cada um deles possui uma finalidade e é construído segundo uma estrutura característica.

De acordo com essas normas em torno das quais um texto é organizado, ele pode ser classificado em uma tipologia textual, isto é, um grupo de textos que seguem a mesma lógica gramatical e estrutural.

Os principais tipos textuais são cinco:

É importante não confundir tipologia textual com gênero do discurso.

Enquanto a tipologia é um conceito mais amplo, que diz respeito às características fundamentais a partir das quais um texto é estruturado, os gêneros do discurso ou gêneros textuais se referem à finalidade de um texto.

Eles levam em consideração a situação do discurso: quem são os interlocutores, como se dará a comunicação.

Além disso, existem inúmeros gêneros textuais (notícia, conto, relato, romance, receita, palestra etc.), ao passo que os tipos textuais podem ser reduzidos a cinco, como visto anteriormente.

Narração

Os textos narrativos são estruturados em torno de um objetivo: apresentar um enredo (O que acontece? Como acontece?), construído em torno personagens bem definidas (Quem participa da história?), que se passa em um tempo (Quando?) e um espaço (Onde?) determinados.

Para construir esse enredo, os textos classificados nessa tipologia geralmente utilizam verbos nos pretéritos do indicativo (passado) e, por vezes, fazem uso de diálogos, sempre adequando o nível de formalidade da linguagem empregada ao público-alvo.

As personagens e o enredo de uma narração podem ser reais ou imaginários, bem como o tempo e o espaço em que ocorrem as ações podem ser físicos ou psicológicos.

ilustração simbólica de texto narrativoilustração simbólica de texto narrativo

Exemplo de narração:

"A cachorra Baleia estava para morrer. Tinha emagrecido, o pelo caíra-lhe em vários pontos, as costelas avultavam num fundo róseo, onde manchas escuras supuravam e sangravam, cobertas de moscas. As chagas da boca e a inchação dos beiços dificultavam-lhe a comida e a bebida.

Por isso Fabiano imaginara que ela estivesse com um princípio de hidrofobia e amarrara-lhe no pescoço um rosário de sabugos de milho queimados. Mas Baleia, sempre de mal a pior, roçava-se nas estacas do curral ou metia-se no mato, impaciente, enxotava os mosquitos sacudindo as orelhas murchas, agitando a cauda pelada e curta, grossa na base, cheia de roscas, semelhante a uma cauda de cascavel.

Então Fabiano resolveu matá-la. Foi buscar a espingarda de pederneira, lixou-a, limpou-a com o saca-trapo e fez tenção de carregá-la bem para a cachorra não sofrer muito.

Sinhá Vitória fechou-se na camarinha, rebocando os meninos assustados, que adivinhavam desgraça e não se cansavam de repetir a mesma pergunta:

— Vão bulir com a Baleia?

Tinham visto o chumbeiro e o polvarinho, os modos de Fabiano afligiam-nos, davam-lhes a suspeita de que Baleia corria perigo.

Ela era uma pessoa da família: brincavam juntos os três, para bem dizer não se diferençavam, rebolavam na areia do rio e no estrume fofo que ia subindo, ameaçava cobrir o chiqueiro das cabras."

Fonte: (Baleia, em Vidas Secas, de Graciliano Ramos)

Injunção

Os textos injuntivos são aqueles que dão instruções ao leitor, seja em tom de conselho, seja em tom de ordem.

Para orientar o receptor da mensagem a alcançar um determinado fim, essa tipologia textual utiliza principalmente verbos no imperativo (verbos conjugados de modo a expressar orientação ou ordem, como em: “faça” e “pegue”) e geralmente se organiza em uma estrutura com instruções claras e objetivas.

É possível diferenciar duas formas principais de texto injuntivo:

  • O texto instrucional é aquele em que as instruções são apresentadas em tom de conselho, orientação, indicação (exemplos: receitas culinárias, manuais de instrução, bulas de remédios, rótulos de embalagens etc.);
  • já o texto prescritivo é aquele no qual as instruções são transmitidas por meio de ordens, imposições, e, portanto, devem ser seguidas à risca (exemplos: cláusulas contratuais, constituições, editais de concursos etc.).

Exemplo de texto instrucional:

Receita de arroz de forno

Ingredientes

4 xícaras (chá) de arroz cozido

100 gramas de queijo mussarela ralada

100 gramas de açaí cortado em cubos pequenos

cenoura ralada

2 colheres (sopa) de salsa (ou salsinha) picada

2 unidades de ovo

1 xícara (chá) de leite

1/2 copo de requeijão

1 xícara (chá) de queijo parmesão ralado

Sal a gosto

Pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo

Em uma tigela, misture o arroz, a mussarela, o presunto, a cenoura e a salsa. Coloque em um refratário untado com margarina. No liquidificador, bata os ovos, o leite, o requeijão, o queijo ralado, o sal e a pimenta. Despeje sobre o arroz e asse no forno, preaquecido, a 200 °C durante 30 minutos ou até dourar. Fonte: (https://mdemulher.abril.com.br/receitas/arroz-de-forno/)

Exemplo de texto prescritivo:

“1.3 No Enem 2018, a solicitação de isenção da taxa de inscrição será anterior à inscrição. Todos os interessados em fazer o Enem 2018, isentos ou não, deverão fazer a inscrição.

1.3.1 O participante que teve concedida a isenção da taxa de inscrição no Enem 2017 e que não tenha comparecido aos dois dias de prova deverá justificar a ausência para solicitar a isenção da taxa de inscrição no Enem 2018. A solicitação de isenção não significa que a inscrição foi realizada.

1.3.2 A justificativa de ausência no Enem 2017, para obtenção de isenção da taxa de inscrição do Enem 2018, deverá ser feita das 10h (Horário de Brasília-DF) de 2 de abril de 2018 às 23h59 (Horário de Brasília-DF) de 11 de abril de 2018. A justificativa de ausência deve ser feita, exclusivamente, pelo endereço <http://enem.inep.gov.br/participante>. ” Fonte: (Edital ENEM 2018)

Dissertação

Dissertar significa debater, discorrer sobre determinado assunto. Dessa forma, os textos dissertativos são aqueles que expõem, analisam e defendem um ponto de vista acerca de determinado aspecto da realidade.

São os textos mais cobrados em redações de vestibulares e concursos brasileiros, visto que permitem analisar a fundo o conhecimento do escritor sobre o tema abordado.

Nessa tipologia textual, há exposição de informações acerca do assunto analisado e uso de argumentos baseados em fatos e opiniões de autoridade para defender determinado ponto de vista relacionado ao assunto.

A linguagem utilizada é geralmente objetiva, sem marcas de oralidade, com o mínimo de pessoalidade possível, pois busca-se um foco na questão abordada e não no autor do texto.

A estrutura básica de uma dissertação argumentativa é:

  • Introdução: Há apresentação do tema em questão, bem como delimitação do ponto de vista a ser defendido (tese).
  • Desenvolvimento: Há fundamentação e defesa do ponto de vista apresentado por meio de argumentos sólidos. Busca-se convencer o leitor acerca da opinião central, visando a aderi-lo ao texto.
  • ConclusãoRetoma-se o tema e o ponto de vista apresentados para encerrar o texto de forma persuasiva, por meio de um resumo ou afirmação que sintetize as ideias centrais abordadas.

Exemplo de texto dissertativo:

“Todos os homens são intelectuais – pode-se dizer, mas nem todos os homens têm na sociedade a função de intelectuais. Não se pode separar o homo faber do homo sapiens. Todo homem, fora de sua profissão, exerce alguma atividade intelectual, é um “filósofo”, um artista, um homem de gosto, participa de uma concepção de mundo, tem uma linha de conduta moral: contribui para manter ou para modificar uma concepção do mundo, isto é, para suscitar novos modos de pensar. ”

(Antonio Gramsci, filósofo italiano, 1891-1937)

Exposição

Textos expositivos são totalmente impessoais, objetivos e neutros, ou seja, não trazem um posicionamento acerca do tema abordado.

Seu objetivo é informar, explicar, expor o assunto, sem que haja interferência da opinião do autor sobre como o leitor será atingido pelo texto.

A linguagem utilizada nessa tipologia textual é clara e objetiva, e o tempo verbal predominantemente empregado é o presente do indicativo.

Alguns textos expositivos presentes no cotidiano são o verbete de dicionário e de enciclopédia, a notícia, a entrevista e o seminário.

Exemplo de texto expositivo:

“Significado de Medo (s.m.). Estado emocional provocado pela consciência que se tem diante do perigo; aquilo que provoca essa consciência. Sentimento de ansiedade sem razão fundamentada; receio: medo de tomar manga com leite. Grande inquietação em relação a algo desagradável, a possibilidade de um insucesso etc.; temor: tinha medo de perder o emprego. [Por Extensão] Comportamento repleto de covardia: correu por medo de apanhar. Etimologia do latim: metus.us. ” 

Fonte: (Dicionário Online de Português – Dicio.com)

foto de um dicionário. o dicionário possui um texto expositivoo dicionário possui um texto expositivo

Descrição

Os textos descritivos apresentam ascaracterísticas de uma determinada entidade presente no texto, como um objeto, um cenário e uma pessoa.

Essa apresentação pode ocorrer de forma subjetiva, quando há a presença da opinião, das observações ou dos sentimentos do autor a respeito da cena retratada, ou objetiva, quando a cena é simplesmente descrita de forma impessoal.

Geralmente acompanham outros tipos textuais, em especial a narração, como instrumento auxiliar para inserir o leitor em uma determinada situação.

As classes gramaticais predominantes em uma descrição são os adjetivos, as locuções adverbiais e os substantivos.

Os verbos empregados são predominantemente de ligação e geralmente são conjugados no presente ou nos pretéritos (passado) do indicativo.

Alguns recursos podem ser utilizados para auxiliar a descrição, como a enumeração, a comparação, o uso de metáforas (comparações implícitas) e a descrição dos efeitos do objeto da descrição sobre os cinco sentidos (cores, dimensões, sons produzidos, cheiros etc.).

Exemplo de descrição objetiva:

“As terras de Sor Eustace tinham três vilarejos pequenos, não mais do que um punhado de casebres, currais e porcos. O maior ostentava um septo de um cômodo e telhado de palha, com imagens imperfeitas dos Sete rabiscadas nas paredes com carvão. ”

Fonte: (A Espada Juramentada, em O Cavaleiro dos Sete Reinos, George R.R. Martin)

Exemplo de descrição subjetiva:

“O baixo-relevo era um tosco retângulo com menos de dois dedos de espessura e uns doze a quinze centímetros de comprimento, obviamente de origem moderna. O seu desenho, contudo, nada tinha de moderno na atmosfera e no que sugeria; pois, embora os caprichos do cubismo e do futurismo sejam muitos e desvairados, não reproduzem com frequência aquela regularidade críptica que se insinua na escrita pré-histórica. E a maior parte daqueles desenhos com certeza parecia algum tipo de escrita, ainda que a minha memória, bastante familiarizada com os papéis e coleções do meu tio, não conseguisse identificá-la ou sequer suspeitar de suas afiliações mais remotas.

Acima desses hieróglifos aparentes havia uma figura de evidente intenção pictórica, embora sua execução impressionista impedisse uma ideia muito clara de sua natureza. Parecia um tipo de monstro, ou de símbolo representando um monstro, cuja forma só uma mente doentia poderia conceber. Se eu disser que minha algo extravagante imaginação lhe atribuía ao mesmo tempo os traços de um polvo, de um dragão e de uma caricatura humana, não estarei sendo infiel ao espírito da coisa. Uma cabeça polpuda e tentaculada encimava um corpo grotesco e escamoso dotado de asas rudimentares; mas era o contorno geral do todo que chocava. Atrás da figura havia uma vaga sugestão de cenário de arquitetura ciclópica. ”

Fonte: (Horror na Argila, em O Chamado de Cthulu, de H.P. Lovecraft)


Exercícios

Exercício 1
(Universidade Estácio de Sá – RJ)

Preencha os parênteses com os números correspondentes; em seguida, assinale a alternativa que indica a correspondência correta.

1. Narrar

2. Argumentar

3. Expor

4. Descrever

5. Prescrever

(    ) Ato próprio de textos em que há a presença de conselhos e indicações de como realizar ações, com emprego abundante de verbos no modo imperativo.

(    ) Ato próprio de textos em que há a apresentação de ideias sobre determinado assunto, assim como explicações, avaliações e reflexões. Faz-se uso de linguagem clara, objetiva e impessoal.

(    ) Ato próprio de textos em que se conta um fato, fictício ou não, acontecido num determinado espaço e tempo, envolvendo personagens e ações. A temporalidade é fator importante nesse tipo de texto.

(    ) Ato próprio de textos em que retrata, de forma objetiva ou subjetiva, um lugar, uma pessoa, um objeto etc., com abundância do uso de adjetivos. Não há relação de temporalidade.

(    ) Ato próprio de textos em que há posicionamentos e exposição de ideias, cuja preocupação é a defesa de um ponto de vista. Sua estrutura básica é: apresentação de ideia principal, argumentos e conclusão.

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...