Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue

Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Literatura

Barroco

Laisa Ribeiro
Publicado por Laisa Ribeiro
Última atualização: 21/8/2018

Introdução

Sabe quando você era criança, aprontava alguma e seus pais falavam “Deus tá vendo”? Essa situação sintetiza muito bem a ideia da literatura barroca.

Como já dizia o filme “O rei leão”, a vida é um ciclo sem fim. A sua forma cíclica faz com que tudo retorne.

Após movimentos como o humanismo e o classicismo que utilizavam o antropocentrismo, os artistas começaram a ter um sentimento de culpa religiosa e tentam conciliar as ideias religiosas com as ideias antropocêntricas.

Contexto histórico

O barroco surgiu em um período de muitas incertezas e instabilidade, durante o final do século XVI e o início do século XVII. Na Europa, Lutero criava as 95 teses, que eram contra a Igreja católica e certas atitudes tomadas por ela na época – dali, surgiu a Reforma Protestante.

Calvino, por sua vez, começara a dizer que o trabalho e o lucro eram manifestações da bondade de Deus, o que agradou muito os burgueses.

Os católicos, para impedir que os fiéis se convertessem aos pensamentos dos dois, iniciou o processo da Contrarreforma, e é aí que o barroco se manifesta com intensidade.

Esse movimento literário surgiu na Itália e também chegou ao Brasil. Seu objetivo era unir as ideias renascentistas de que o homem era o centro de tudo às ideias teocêntricas da Contrarreforma. É uma arte marcada pela angústia da tentativa dessa união.

Ao unir duas ideologias contrárias, eles também passaram a colocar ideias contrárias na mesma obra.

São relações marcantes, por exemplo, o sagrado/profano, o uso de luz/sombra nas pinturas, o paganismo/cristianismo e o racional/irracional.

Havia um culto no contraste e nos fenômenos da natureza que demonstram isso, como o crepúsculo, em que o sol vai se pondo para dar lugar à noite.

Características literárias

Para unir essas ideias, os autores tinham que usar figuras de linguagem que lidam com esses contrastes, como a antítese e o paradoxo.

Nessa tentativa de aproximar o mundo terreno do divino, havia um pessimismo muito grande em relação à vida no planeta Terra.

Eles viam a vida como um lugar de sofrimento e acreditavam que a felicidade só seria alcançada, após a morte, no paraíso. A condição humana, para eles, era apenas miserável.

A realidade era retratada de uma maneira muito exagerada e real, o que deu origem ao hiper-realismo. A intenção era gerar um efeito teatral e chocar o público, criar uma reação.

Quadro Conversão de São Paulo, de Caravaggio, que traz o uso da luz e da sombra. Além disso, ele retrata um personagem bíblico para a felicidade da Contrarreforma.A Conversão de São Paulo, a caminho de Damasco, de Caravaggio.

O quadro “Conversão de São Paulo”, de Caravaggio, logo acima, é um exemplo. Note como o cavalo é pintado de uma forma extremamente realista.

Sabe aquelas pessoas que usam muitas palavras difíceis e formais? Você pode dizer que ela é uma pessoa barroca!

O motivo? Os textos barrocos tinham que ser muito sofisticados, com o uso da retórica clássica.

Eles precisavam ser rebuscados, ou seja, com muita ornamentação, com uma linguagem muito trabalhada nas imagens e nas metáforas. Tudo para convencer o público da glória divina.

Havia o uso de muitas figuras de linguagem, como a hipérbole, e jogos de palavras. A escolha do tema não era tão importante. O que era essencial era a forma como se escrevia.

Era necessário usar a agudeza, passar imagens de uma forma imprevista e inteligente, tudo com muito engenho. Era um trabalho minucioso.

Os textos falavam sobre a fragilidade humana, como o tempo é fugaz, como o amor é contraditório e faziam uma crítica à vaidade – afinal, a fugacidade do tempo faz com que a beleza seja algo passageiro, finito.

A moda, até hoje, usa o barroco como influência nas suas tendências. Roupas barrocas são as que têm muitas aplicações, bordados, uso da cor dourada, texturas rebuscadas e estampas. Tudo muito ornamentado, assim como a literatura barroca.

Mulher com roupas e acessórios barrocosMulher com roupas e acessórios barrocos

Cultismo e conceptismo

Há duas vertentes no barroco: o cultismo e o conceptismo.

O cultismo, também conhecido como gongorismo, era focado na poesia. Seu apreço era pelos jogos de palavras, jogos de imagens e os jogos de construção – havia uma estrutura determinada para os poemas. Todos esses artifícios deveriam levar o leitor a uma estimulação dos sentidos.

O conceptismo, por sua vez, também era conhecido como quevedismo. Seu foco era na prosa e sua preocupação era seduzir o leitor pelo conteúdo e não tanto pela escolha das palavras.

Esse conteúdo não deixava de ser passado de forma barroca: com muitas metáforas e outras figuras de linguagem. Um exemplo está presente na criação dos sermões feita pelo padre Antônio Vieira.

O barroco no Brasil

Antônio Cândido, importante sociólogo brasileiro, afirma que para que a literatura de um país exista é necessário a presença de três itens:

  • Escritores que produzam com frequência;
  • Meios para que as obras sejam produzidas e possam entrar em circulação;
  • Público leitor que consuma as obras.

Quando esses itens são preenchidos, surge o sistema literário.

No Brasil Colonial, durante o quinhentismo, não haviam tais itens, logo, não havia uma literatura nacional, e sim manifestações literárias.

A literatura brasileira começa no barroco, no século XIX. Seu marco inicial é com o poema épico “Prosopopeia”, de Bento Teixeira, em 1601.

Os grandes nomes da literatura barroca foram padre Antônio Vieira e Gregório de Matos. Ambos são baianos e isso não é coincidência.

Naquela época, a economia brasileira estava focada na exploração da cana-de-açúcar, presente no nordeste brasileiro. Os centros urbanos estavam ali – Salvador era o grande centro cultural.

Padre Antônio Vieira

Nesse contexto de conflitos entre católicos e protestantes, Antônio Vieira surge com os seus sermões para defender a Igreja Católica. Sermões são discursos religiosos cujo objetivo é divulgar preceitos religiosos.

A argumentação e a retórica do padre eram tão impressionantes que ele acabou chamando a atenção da corte e do rei de Portugal.

Seus sermões mais famosos são:

  • Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as de Holanda, de 1640, em que o autor pede para que o povo baiano se proteja das invasões holandesas, cujos preceitos religiosos eram de cunho protestante.
  • Sermão da primeira dominga de Quaresma, de 1653, em que o padre tenta convencer os colonos portugueses de que o correto seria libertar os indígenas da escravidão.

Padre Antônio Vieira sabia como cativar seu público: misturava frases formais com muitas marcas da oralidade.

Para que o povo entendesse as passagens bíblicas mais difíceis, ele usava metáforas e alegorias para a compreensão. Sua posição moral cristã era bem definida e cada sermão versava sobre apenas um assunto referente ao tema.

O sermão, para o padre, tinha que ser como uma árvore. Aqui, ele usou uma metáfora, algo muito barroco. O tronco é o assunto; as folhas são as palavras que enfeitam o texto; as varas são as condenações dos vícios; as flores são as frases e os frutos, serão colhidos no final, quando os fiéis voltarem para suas casas e colocarem em prática o que foi ensinado. O sermão tem que ter todos esses itens para ser uma árvore completa.

Para entender um pouco mais sobre a figura de Antônio Vieira, uma dica é assistir ao filme “Palavras e utopia”. Esse filme nacional, de 2000, mostra importantes passagens da vida de autor.

Mas como construir um sermão?

Se você ficou interessado em escrever seu próprio sermão ou apenas quer saber um pouco mais como o padre Antônio Vieira escrevia suas obras, observe este passo-a-passo:

  • Primeiramente, o autor deveria escrever o exódio, no qual começa a apresentar o assunto uno que será tratado no sermão;
  • Logo após, vem a invocação, em que o orador pedia ajuda divina para poder passar suas ideias da melhor maneira possível;
  • A confirmação serviria para desenvolver e expor o tema tratado;
  • No final, na conclusão, o orador recapitulava tudo o que foi dito e fazia um desfecho impressionante para que o público fosse arrebatado, ficasse impressionado e colocasse em prática, em sua vida, os ensinamentos católicos.
  • Gregório de Matos

    Você já imaginou ganhar o apelido de Boca do Inferno? Pois esse era o apelido do senhor Gregório de Matos.

    Esse grande poeta barroco escreveu poemas líricos e sacros, mas ficou mais conhecido pelas suas poesias satíricas, em que criticava a sociedade baiana. Sem medo de atacar políticos e o clero, ele ganhou o apelido citado anteriormente.


    Exercícios

    Exercício 1
    (UNICAMP)

    A arte colonial mineira seguia as proposições do Concílio de Trento (1545-1553), dando visibilidade ao catolicismo reformado. O artífice deveria representar passagens sacras. Não era, portanto, plenamente livre na definição dos traços e temas das obras. Sua função era criar, segundo os padrões da Igreja, as peças encomendadas pelas confrarias, grandes mecenas das artes em Minas Gerais.

    (Adaptado de Camila F. G. Santiago, “Traços europeus, cores mineiras: três pinturas coloniais inspiradas em uma gravura de Joaquim Carneiro da Silva”, em Junia Furtado (org.), Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica. Europa, Américas e África. São Paulo: Annablume, 2008, p. 385.)

    Considerando as informações do enunciado, a arte colonial mineira pode ser definida como:

    Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

    Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

    Carregando...

    Veja também

    HISTÓRIA GERAL
    Absolutismo
    Absolutismo
    LITERATURA
    Abstracionismo
    Abstracionismo
    LITERATURA
    Arcadismo
    Arcadismo
    LITERATURA
    Classicismo
    Classicismo
    LITERATURA
    Condoreirismo
    Condoreirismo
    LITERATURA
    Cubismo
    Cubismo
    LITERATURA
    Dadaísmo
    Dadaísmo
    LITERATURA
    Expressionismo
    Expressionismo
    LITERATURA
    Fauvismo
    Fauvismo
    LITERATURA
    Futurismo
    Futurismo
    LITERATURA
    Gêneros Literários
    Gêneros Literários
    LITERATURA
    Gregório de Matos
    Gregório de Matos
    LITERATURA
    Humanismo
    Humanismo
    LITERATURA
    Modernismo
    Modernismo
    LITERATURA
    Naturalismo
    Naturalismo
    LITERATURA
    Parnasianismo
    Parnasianismo
    LITERATURA
    Prosa
    Prosa
    LITERATURA
    Quinhentismo
    Quinhentismo
    LITERATURA
    Realismo
    Realismo
    LITERATURA
    Romantismo
    Romantismo
    LITERATURA
    Trovadorismo
    Trovadorismo
    LITERATURA
    Ultrarromantismo
    Ultrarromantismo