logo
Lista de faculdades Lista de cursos Lista de profissões Revista Quero Central de ajuda

banner image banner image
Vestibular e Enem

Varíola do macaco: veja como o assunto pode cair no Enem

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a varíola do macaco já atingiu 27 países onde o vírus não é endêmico, isto é, nações que não convivem constantemente com a doença. Reino Unido, Espanha, Portugal, Canadá e Alemanha são os que mais registraram casos até então, ainda segundo o órgão.

+ Encontre bolsas de estudo de até 80%

No Brasil, existem seis casos suspeitos e nenhum confirmado, conforme tweet do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, feito no último sábado (04). A varíola do macaco é uma doença menos severa que a varíola humana.

varíola do macaco

Como a varíola do macaco é uma enfermidade endêmica e viral, o tema pode ser abordados em vestibulares. Isso porque “a definição de surto, epidemia e pandemia é importante para que o aluno entenda o comportamento de uma série de doenças que têm probabilidade de serem cobradas”, afirma o professor de Biologia do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante de Campinas (SP), Gustavo Camacho.

Por isso, se você está estudando para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), é importante ficar por dentro do que é a varíola do macaco e como ela pode cair na prova.

Como a varíola do macaco pode cair  no Enem?

Ainda não é possível afirmar como a varíola do macaco pode cair no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas Gustavo Camacho recomenda: “vale a pena estudar os mecanismos de transmissão e as principais medidas profiláticas da doença. Outra possibilidade é a comparação da doença com a varíola humana."

O professor de biologia ainda destaca alguns pontos que merecem atenção: “Vale ressaltar que se trata de um vírus de DNA que pode se multiplicar nos linfonodos e mucosas, causando ainda o surgimento de erupções secundárias na pele. A vacina humana também parece poder conferir proteção cruzada contra a varíola do macaco.”

Outro ponto relevante para o vestibular, que se relaciona com a varíola do macaco, é a ação humana. “A gente está cada vez mais invadindo o ambiente silvestre e o contato com essa fauna causa doenças como a varíola do macaco”, comenta o biomédico e doutorando de epidemiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Matheus Benjamin.

Entenda a varíola do macaco

varíola do macaco
Vírus causador da varíola do macaco visto pelo microscópio

A varíola do macaco é uma doença viral endêmica. Isso significa que a enfermidade é causada por vírus e frequente em determinadas regiões. No caso, a doença é recorrente nas florestas da África central e ocidental.

De acordo com o biomédico, a doença é chamada de varíola do macaco pois foi nesse animal em que ela foi detectada pela primeira vez. O profissional também explica que a enfermidade surgiu em roedores e estes, por sua vez, passaram para os mamíferos.

A doença ganhou destaque nas últimas semanas por conta do aumento repentino de ocorrências fora da África. O primeiro registro do surto de 2022 aconteceu no Reino Unido, em 12 de maio.

Segundo o biomédico e doutorando de epidemiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), ainda não é possível atribuir um motivo para essa situação, mas há hipóteses, como:

  • Uma nova variante da varíola do macaco pode ter se desenvolvido;

  • Uma parte da população pode ter tido alguma mutação que propicia o contágio da doença;

  • A população pode não ter mais anticorpos da vacina da varíola.

Veja também: 9 epidemias que podem cair no Enem
O que é pandemia? Veja a diferença entre pandemia e epidemia

Quais os sintomas da varíola do macaco?

A varíola do macaco tem diversos sintomas. Alguns elencados pelo professor de biologia são:

  • Surgimento de pústulas (bolhas) na pele;

  • Febre alta;

  • Fraqueza;

  • Inchaço nos linfonodos;

  • Dores no corpo.

Qual a transmissão e a prevenção da varíola do macaco?

A transmissão da varíola do macaco se dá por meio do contato com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados.

Dessa forma, Matheus Benjamin traz os principais cuidados para prevenção:

  • Lavar bem as mãos com água e sabão;

  • Usar máscaras em ambientes fechados ou lotados;

  • Evitar tocar em lesões;

  • Utilizar camisinha.

Saiba mais: Enem: 6 tópicos de Biologia que você precisa revisar antes da prova
+  Quais as diferenças entre doenças causadas por vírus e bactérias?

Qual a diferença entre a varíola humana e a varíola do macaco?

A varíola humana é uma doença que já foi oficialmente erradicada pela Assembleia Mundial da Saúde em maio de 1980. Tanto que, por conta disso, as vacinas contra a enfermidade pararam de ser aplicadas. Já a varíola do macaco é endêmica, isto é, característica de certas regiões.

Além disso, há outras diferenças entre as duas doenças. Matheus Benjamin ressalta questões relacionadas à transmissão: “A varíola do macaco é mais transmissível por fluídos corporais, enquanto a humana é por gotículas no ar.”

O que se sabe sobre o surto da varíola do macaco?

Matheus Benjamin ressalta que não há motivos para pânico por parte da população. “O que é necessário é o entendimento da doença pelos órgãos de saúde, para que, se preciso, eles consigam conter o surto”, comenta Matheus.

O biomédico ainda acrescenta que a doença não é tão transmissível e os órgãos de saúde tem total condição de identificar e isolar os casos.

Confira: Biologia Enem: 9 dicas de como estudar para essa prova
Febre amarela: como esse assunto pode cair no Enem e no vestibular?

Como estudar para o Enem?

O Enem é uma prova longa que exige uma boa preparação do candidato. Para te ajudar nisso, a Revista Quero está oferecendo gratuitamente o Plano de Estudo Enem de Boa 2022. 

Trata-se de um cronograma completo, com texto, vídeo-aulas e exercícios. Além disso, quem utiliza o material tem acesso a dicas especiais para o vestibular. Basta clicar no botão a seguir e baixar sua versão do plano.

Plano de Estudo Enem de Boa

banner image banner image

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2022 CNPJ: 10.542.212/0001-54