Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Biologia

Macaco

Jéssica Maciel
Publicado por Jéssica Maciel
Última atualização: 10/10/2018

Introdução

O nome “macaco” é uma nomenclatura vinda da África (makako) e se refere aos primatas antropóides e aos símios. No Brasil, apenas os macacos do novo mundo, ou seja, os cebídeos são denominados pela expressão “macaco”.

Na ordem dos primatas existem aproximadamente 180 espécies que apresentam características em comum, como:

  • grande desenvolvimento do cérebro com um significativo aumento do córtex;
  • duas mamas;
  • polegares opositores, tanto nas mão quanto nos pés;
  • ser bípede facultativo;
  • unhas em todos os dedos;
  • alimentação a base de frutos, sementes e também animais de pequeno porte.

Classificação

Os macacos fazem parte do Reino Animalia, Filo dos Chordata, Classe dos Mammalia, Ordem dos Primatas, Subordem Símios ou Antropóides e Família dos Cebídeos.

Além disso, são distinguidos por novo mundo e velho mundo.

  • Novo Mundo (grupo dos Platyrrhini): os macacos do novo mundo possuem algumas características em comum, entre elas estão o espaço entre as narinas achatadas, sem bolsas faciais e três pré molares. É o grupo mais primitivo dentro dos primatas - sua origem é do início do Oligoceno na África -. Quanto à alimentação, são onívoros com uma dieta diversificada, podendo conter frutas, sementes, insetos, aranhas e pequenos mamíferos.
  • Velho Mundo (grupo dos Catarrhini): os animais desse grupo são originados do Mioceno. Suas características em comum são as narinas mais próximas e voltadas para baixo, é recorrente possuírem bolsas faciais internas, dois pré molares, cauda geralmente curta e com baixa quantidade de pelos e nunca preênsil. Quanto à alimentação, são parcialmente onívoros, mas em maioria são folívoros.

Evolução

A origem dos "macacos do Novo Mundo" ainda não foi claramente determinada. Alguns estudos moleculares afirmam existir uma variação bastante grande nas datas de divergência desses animais: as datações vão de 33 a 70 milhões de anos atrás.

Porém, estudos do DNA mitocondrial afirmam uma variação entre 35 e 45 milhões de anos atrás, intervalo bem menor do que o estudo molecular.

Acredita-se que esses primatas chegaram à América do Sul atravessando o oceano Atlântico desde a África.
 
 O primeiro fóssil dos “macacos do Velho Mundo” descoberto foi encontrado no norte da África e é datado de 5 a 8 milhões de anos atrás. Após isso, houve uma grande dispersão desses animais até a Europa e a Ásia, até que se extinguiram da Europa há 1,8 milhão de anos.

Existe entre o homem e os macacos antropóides uma relação de parentesco: os macacos surgiram na Terra contemporaneamente ao homem e, cerca de 25 milhões de anos atrás, tiveram um ancestral em comum. Hoje, o macaco com maior proximidade filogenética com o homem é o chimpanzé.

Habitat

A distribuição dos macacos se dá de forma que a maioria deles vive em regiões tropicais como florestas. Porém, muitos macacos são encontrados em pântanos e savanas, em regiões semidesérticas ou em regiões de clima temperado e frio.
 
 Nas regiões das Américas, podem ser encontrados principalmente em florestas de alta umidade.
 
 Todos os macacos possuem a habilidade do nado, porém poucos têm como habitat locais alagados, bem como poucos vivem nos campos e nas caatingas.

Nas florestas, os macacos costumam se distribuir verticalmente: alguns símios se instalam em árvores de mais de 40 metros de altura, já os gorilas têm preferência pelo solo e baixas alturas.

Mesmo assim, a grande maioria vive em árvores. Muitos assumem postura ereta, com ou sem apoio da cauda. Os saguis e gorilas, por exemplo, quando se assustam têm a capacidade de se colocar completamente eretos.

Locomoção

A locomoção dos macacos se dá utilizando os quatro membros: pernas e braços. Suas mãos e pés são desenvolvidos de modo que sejam úteis para que os macacos consigam se agarrar aos galhos de árvores.


 Dependendo da região em que vivem, desenvolvem diferentes maneiras de locomoção, como a suspensão, o movimento quadrúpede ou o salto vertical.

Comunicação

A comunicação dos primatas pela voz pode indicar diversos aspectos, como sua idade, seu sexo, a presença de predadores, o grupo a que pertence e, ainda, auxilia a mãe a localizar seus filhotes.

A duração e a frequência dos sons emitidos varia de acordo com cada espécie: os gritos graves produzidos pelos bugios podem ser escutados a distâncias de cerca de 4 quilômetros, enquanto que os macacos-de-cheiro são capazes de emitir mais de 25 sons diferentes.
 
 Já a comunicação dos primatas pelo olfato se dá de modo que seja percebida a demarcação do território, limitando principalmente as áreas de alimentação e reprodução de determinado grupo de macacos. É a liberação de feromônios que indicam as limitações territoriais.

Reprodução

A reprodução dos macacos se dá pelo mesmo mecanismo dos mamíferos placentários.

Enquanto a fêmea tem seu ciclo menstrual mensal, o macho não apresenta período de cio, ficando sexualmente ativo todo o tempo. O desenvolvimento embrionário acontece através da placenta, ou seja, os macacos são animais eutérios.
 
 Socialmente, eles se organizam de modo permanente, sendo sua unidade básica social formada pela fêmea e uma ou duas crias.

Quando o grupo se expande, é comum que ele seja formado por machos, fêmeas em número duas vezes maior que o de machos, e os macacos jovens. Alguns arborícolas se distribuem em grupo “familiares”, constituídos de fêmea, macho e suas crias.


Exercícios

Exercício 1
(Quero Bolsa)

Os Cebídeos, mais conhecidos como macacos, são divididos entre macacos do Novo Mundo e do Velho Mundo. Assinale a alternativa que corresponde a uma característica comum desses dois grupos:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...