Whatsapp Icon 0800 123 2222
Envie mensagem ou ligue

Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Química

Funções Oxigenadas

Sara Nahra
Publicado por Sara Nahra
Última atualização: 1/11/2018

Introdução

Funções oxigenadas são compostos orgânicos que possuem, além de carbono e hidrogênio, átomos de oxigênio.

As funções oxigenadas são classificadas em: álcoois, fenóis, aldeídos, cetonas, ácidos carboxílicos e seus derivados diretos, como ésteres orgânicos e éteres. A tabela abaixo mostra essas funções oxigenadas e seus respectivos grupos funcionais.

Função OxigenadaGrupo FuncionalNomenclatura
Álcool-ol
Fenolhidróxi + radical + benzenoou-fenol
Aldeído-al
Cetona-ona
Ácido carboxílicoácido -óico
Éster-ato de “radical ligado ao O”
Éter“menor radical” + oxi + “maior radical”ouradical + radical + éter

Álcoois

Álcoois são funções oxigenadas que possuem a seguinte estrutura básica, que consiste no grupo –OH ligado a um carbono saturado:

Os álcoois podem ser classificados de acordo com a quantidade de grupos hidroxila presentes na cadeia carbônica:

  • 1 OH: monoálcool. Exemplo:

H3C – CH2OH

  • 2 OH: diálcool. Exemplo:

OH – CH2 – CH2OH

  • 3 ou mais OH: poliálcool. Exemplo:

Os monoálcoois podem ser classificados de acordo com o tipo de carbono ao qual o grupo –OH está ligado:

  • Álcool primário: –OH ligado a um carbono primário. Exemplo:

H3C – CH2 – OH

  • Álcool secundário: –OH ligado a um carbono secundário. Exemplo:

  • Álcool terciário: –OH ligado a um carbono terciário. Exemplo:

A nomenclatura oficial dos álcoois segue o esquema abaixo:

PrefixoIntermediárioSufixo
Número de carbonosTipo de ligação-ol

Fenóis

Fenóis são funções oxigenadas que possuem um grupo hidroxila –OH ligado diretamente a um átomo de carbono do anel aromático. Sua estrutura básica é:

Existem três formas diferentes para se dar nome aos fenóis:

  • A primeira forma, considerada a oficial, basta escrever hidróxi seguido do nome do radical (se houver) + benzeno.
  • A segunda forma consiste em escrever fenol após o nome do radical ligado ao anel aromático.
  • A terceira forma é indicando as posições dos grupos hidroxila no anel aromático.

Aldeídos

Aldeídos são funções oxigenadas que possuem a seguinte estrutura básica na extremidade da cadeia:

A nomenclatura oficial dos aldeídos segue o esquema abaixo:

PrefixoIntermediárioSufixo
Número de carbonosTipo de ligação-al

Cetonas

As cetonas são funções oxigenadas que possuem um carbono secundário ligado a um átomo deoxigênio, conforme a estrutura básica abaixo:

A nomenclatura oficial das cetonas segue o esquema mostrado na tabela abaixo:

PrefixoIntermediárioSufixo
Número de carbonosTipo de ligação-ona

Ácido Carboxílico

Os ácidos carboxílicos são funções oxigenadas que apresentam o grupo carboxila na extremidade da cadeia carbônica, como mostra o modelo a seguir:

A nomenclatura oficial dos ácidos carboxílicos consiste na palavra ácido seguido do nome dos radicais (se houver) e pelo nome da cadeia principal. O sufixo nesse caso é -óico.

Ésteres Orgânicos

Os ésteres orgânicos são funções oxigenadas que apresentam o seguinte grupo funcional no meio da cadeia carbônica (nunca nas extremidades):

A nomenclatura oficial dos ésteres orgânicos consiste na substituição da terminação -ico do nome do ácido de origem por -ato seguido do nome do radical que está ligado ao átomo de oxigênio.

Éteres     

Os éteres são funções oxigenadas que possuem um átomo de oxigênio entre dois átomos de carbono, que formam radicais orgânicos, conforme a estrutura básica a seguir:

De acordo com a IUPAC, podemos nomear os éteres de duas maneiras:

  • A primeira forma consiste no nome do radical que contém o menor número de carbonos, seguido de oxi, e, por fim, do nome do radical que contém o maior número de carbonos.
  • A segunda forma consiste no nome de todos os radicais em ordem alfabética seguida pela palavra éter.

Outra forma muito usual de nomear os éteres é de acordo com o esquema a seguir:

Éter + nome do menor radical + nome do maior radical + ico


Exercícios

Exercício 1
(Enem/2000)

No processo de fabricação de pão, os padeiros, após prepararem a massa utilizando fermento biológico, separam uma porção de massa em forma de “bola” e a mergulham num recipiente com água, aguardando que ela suba. Quando isso acontece, a massa está pronta para ir ao forno.

Um professor de Química explicaria esse procedimento da seguinte maneira: “A bola de massa torna-se menos densa que o líquido e sobe. A alteração da densidade deve-se à fermentação, processo que pode ser resumido pela equação:

C6H12O6          →        2C2H5OH        +           2CO2                        +          energia

Glicose                     álcool comum         gás carbônico

Considere as afirmações abaixo.

  • A fermentação dos carboidratos da massa de pão ocorre de maneira espontânea e
  • não depende da existência de qualquer organismo vivo.

  • Durante a fermentação, ocorre produção de gás carbônico, que se vai acumulando em cavidades no interior da massa, o que faz a bola subir.
  • A fermentação transforma a glicose em álcool. Como o álcool tem maior densidade do que a água, a bola de massa sobe.
  • Dentre as afirmativas, apenas:

    Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

    Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

    Carregando...