Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
banner image banner image
Vestibular e Enem

Atualidades Enem: Guerra Comercial entre EUA x China

por Giovana Murça em 21/08/19 1,3 mil visualizações

Atualizado em 24/07/2020

Nos últimos tempos, muito tem se falado na mídia numa guerra entre os Estados Unidos e a China. Mas, não daquelas guerras que envolve militares, armas e ataques, é a chamada Guerra Comercial.

Essa guerra é um disputa por mercados entre os EUA e a China. Os EUA são uma superpotência econômica, a maior economia do mundo, e há muito tempo e se vêem ameaçados com o crescimento econômico da China, a segunda maior economia global.

Fotolia
atualidades enem guerra comercial eua china

Nesse post, você entende tudo o que precisa saber sobre o assunto e como ele pode cair na sua prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

China: cobiçada pelo Ocidente

Até o século XVIII, a China era um país muito poderoso que dominava o comércio e explorações pelo mundo. Inclusive, os chineses trouxeram várias invenções para o mundo Ocidental como o papel, a pólvora e a bússola, mas a China ainda era muito fechada para os países ocidentais que tentavam se aproximar.

Entretanto, com a Revolução Industrial e o Neocolonialismo, outros países como a Inglaterra começaram a imperar sobre o mundo e a China se envolveu em diversos conflitos, como as Guerras do Ópio e a Revolta dos Boxers.

enem atualidades gerra comercial eua china
A Primeira Guerra do Ópio - 1841 (Edward Duncan/Wikimedia Commons)

De um lado estava seu povo com forte sentimento nacionalista e, de outro, as potências querendo se aproveitar de suas riquezas e mão de obra. Diante das derrotas nas Guerras do Ópio e outros conflitos, a China se viu obrigada a cada vez mais se abrir para as potências ocidentais, pelas quais foi explorada. 

Revolução Chinesa

Durante a 2ª Guerra Mundial, a China lutou ao lado dos Aliados (Eua, Inglaterra, URSS e outros) contra o avanço do nazifascismo da Alemanha, Itália e Japão. A aproximação com o regime socialista da União Soviética (URSS) contribuiu para o surgimento de um movimento socialista na China.

Em 1949, após uma guerra civil, acontece a Revolução Chinesa, liderada pelo líder Mao Tsé-Tung e o Partido Comunista Chinês, e a fundação da República Popular da China, um Estado comunista. A partir daí, o país se aproxima cada vez mais da URSS, se afastando do EUA, no contexto da Guerra Fria.

atualidades enem guerra comercial eua china
Mao Tsé-Tung proclamando a República Popular da China (Hou Bo/Wikimedia Commons)

Com a China destruída após uma guerra mundial e outra civil, Mao Tsé-Tung pede ajuda a Stalin, líder da URSS, e inicia uma política crescimento econômico rural e industrial de forma rápida, chamada de o “Grande Salto Adiante”.

O projeto não rendeu o esperado e custou a vida de cerca de 15 milhões de chineses que morreram de fome diante das explorações do Estado. Nos anos 1960, depois da morte de Stálin e reformas na URSS, a China rompe com seu aliado.

Um país, dois sistemas

Após se afastar da URSS, a China começa a se reaproximar do Ocidente com uma reforma econômica realizada por Deng Xiaoping, líder da China entre 1978 a 1992. O líder declarou que a China se convertia ao “Socialismo de Mercado” ou “economia de mercado socialista”, sintetizado na frase “um país, dois sistemas”.

atualidades enem guerra comercial eua china
Deng Xiaoping fez uma reforma econômica na China (Wikimedia Commons)

“Deng abriu as portas da China aos mercados globais, permitindo a entrada de empresas privadas transnacionais no litoral do país, nas chamadas Zonas Econômicas Especiais (ZEEs), integrando-as às gigantes indústrias estatais de base e abastecendo as cadeias de produção e consumo nas redes globalizadas”, explica Luis Felipe Valle, professor de geografia e atualidades do Colégio Oficina do Estudante.

A abertura se limitou ao aspecto econômico, em termos políticos, sociais e culturais, a China segue como um país muito fechado. “O governo chinês pouco tem de democrático ou popular também, pois realiza eleições unipartidárias, intervem no dia-a-dia da população, com leis de controle de natalidade, migrações internas e rigorosa fiscalização dos meios de comunicação e processos socioculturais”, complementa o professor.

Made in China

A reforma de Deng atrai muita indústrias de muitos países, como os EUA, e começa a onda dos milhares de produtos de empresas multinacionais produzidos na China, foi o “momento Made in China”.

Além de indústrias, a China também investiu em infraestrutura, educação e tecnologia. Ainda no século XX a China se consolidou como potência econômica na Ásia e a partir dos anos 2000 seu Produto Interno Bruto (PIB) cresceu rapidamente, se tornando um país emergente.

Plano de Estudo Enem 2020: Baixe gratuitamente o plano desse mês

Entretanto, professor Luis Felipe pontua: “o país começou a colher os frutos de um processo industrial colossal às custas de muita exploração ambiental, repressão social, imposição cultural e da rigorosa intervenção do Estado”.

Hoje, o país está mais moderno e seus produtos não são somente produzidos na China, mas sim desenvolvidos na China com tecnologia nacional, o que passa a incomodar e ameaçar os EUA e outras potências mundiais.

EUA x China

Atualmente, as empresas chinesas dominam o mercado mundial com a exportação de matéria-prima (commodities), como soja e ferro, e de bens de consumo, como roupas e eletrônicos. Assim, começam também a rivalizar e ameaçar transnacionais ocidentais, “que controlavam oligopólios produtivos formados desde a Revolução Industrial”, explica Luis Felipe. 

atualidades enem guerra comercial eua china
A empresa chinesa de tecnologia e telecomunicações Huawei foi uma das que sofreu restrições dos EUA (Wikimedia Commons)

Só para os EUA, em 2018, a china exportou cerca de US$ 500 bilhões em produtos. enquanto os EUA exportou para a China apenas US$ 120 bilhões, o que configura num déficit comercial recorde de cerca de US$ 419 bilhões para os EUA. 

O déficit comercial é a diferença do volume exportado entre os dois países. Desde 2017, o déficit dos EUA em relação a China cresceu consideravelmente. Inicia-se, então a chamada Guerra Comercial.

Guerra Comercial

Para reverter esse déficit, o presidente americano Donald Trump começou a taxar de vários produtos chineses. A medida visa deixar os produtos importados chineses mais caros para incentivar os consumidores americanos a comprarem produtos nacionais. 

Fotolia
atualidades enem guerra comercial eua china

Esse ano, as tarifas sobre alguns produtos chineses subiram de 10% para 25%. Em respostas, o governo chinês também impôs tarifas aos importados americanos e até boicotou a importação de alguns deles. 

Guerra Cambial

Nas últimas semanas, a nova estratégia da China foi desvalorizar sua própria moeda, o yuan. Agora, para comprar um dólar são necessários mais de 7 yuans, o menor valor desde 2008. O objetivo da desvalorização é baratear os produtos chineses e estimular a exportação. Os EUA acusaram os chineses de manipulação cambial.

Consequências para o mundo

Se essa guerra comercial se transformar numa guerra cambial, todo o mercado mundial pode ser afetado, pois pode “desvalorizar a bolsa de valores e as moedas de outros países emergentes, como o Brasil, e aumentar o déficit comercial, afetando as empresas nacionais e gerando desemprego”, alerta o professor.

Fotolia
atualidades enem guerra comercial eua china

As atitudes protecionistas de Trump num país liberal, ou seja, que defende a redução da intervenção do Estado na economia, também pode afetar o comércio mundial. 

Mas as consequências não são apenas negativas. Para países como o Brasil, a disputa pode ser a oportunidade de exportar commodities para a China e itens industrializados para os EUA, substituindo os produtos taxados que ficaram mais caros.

Como pode cair no Enem?

O professor Luis Felipe afirma que os temas economia e globalização são frequentes nas questões de Geografia no Enem, que podem ter interdisciplinaridade com as questões de História, Sociologia e Matemática Financeira. A prova pode cobrar análise da situação socioeconômica em que estamos inseridos a partir de acontecimentos da atualidade. 

atualidades enem guerra comercial eua china

Outro ponto muito cobrado pelo Enem é a análise de gráficos, que podem ser sobre a evolução de PIB, Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), taxas de câmbio e balança comercial”, sugere Luis Felipe.

Para facilitar sua vida de estudante, o professor Luis Felipe dá algumas dicas para se preparar para o tema

  • Saber a localização da China, EUA, Europa e Brasil no mapa-múndi;
  • Reconhecer como a Guerra Fria ainda está presente nessa polarização entre EUA e China;
  • Retomar os conceitos de globalização econômica, como balança comercial, setores econômicos, formação de clusters, holdings e cartéis;
  • Entender políticas de industrialização conduzidas pelo Estado, por exemplo na Era Vargas, e pela iniciativa privada, aproximando-se do liberalismo e das privatizações.

Manual do Enem e Plano de Estudo Enem 2019

Está estudando para o Enem? Então corre para conhecer nosso Plano de Estudos do mês e comece a estudar com as matérias e exercícios do Manual do Enem. E o melhor: tudo de graça! Bons estudos ;)

banner image banner image

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
ALERTA DE VAGAS i-close
Descubra qual profissão mais se encaixa com você.

Não fique na dúvida sobre o seu futuro. Faça o Teste Vocacional do Quero Bolsa.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você compare vagas com bolsa em mais de 1.000 faculdades

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2020 CNPJ: 10.542.212/0001-54